Seguidores

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Salve a Capoeira!!!

Roda de Capoeira em Pitangui-MG.
Foto: Léo Morato/Arquivo do Blog.

Das senzalas, terreiros e guetos para o mundo.

Em uma cerimônia realizada hoje em Paris a UNESCO reconheceu a capoeira brasileira como Patrimônio Cultural da Humanidade. Pitangui faz parte desta conquista, devido a grande representatividade histórica e cultural da capoeira praticada em nossa cidade. Parabéns aos capoeiristas que, pela prática desta arte-luta-dança (símbolo de resistência), contribuem significativamente para a manutenção de nossas tradições, favorecendo também a educação  cultural e a inclusão social!


Foto: Iphan.

"Roda de Capoeira é o mais novo Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. A 9ª Sessão do Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda acaba de aprovar a inscrição da Roda de Capoeira, um dos símbolos do Brasil mais reconhecido internacionalmente, como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade. A aprovação ocorreu na manhã desta quarta-feria, dia 26 de novembro, na reunião do Comitê, que acontece, em Paris. Agora a Roda de Capoeira se junta ao Samba de Roda do Recôncavo Baiano (BA), à Arte Kusiwa- Pintura Corporal (AP), ao Frevo (PE), e ao Círio de Nazaré (PA), já reconhecidos como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade".

Fonte: www.iphan,gov.br. Pesquisado em 26/11/2014.

domingo, 23 de novembro de 2014

Posse das Comissões dos 300 anos

     Neste sábado, 22 de novembro, teve lugar na Câmara Municipal da cidade a cerimônia de posse dos presidentes das comissões encarregadas de organizar os eventos dos 300 anos de Pitangui.

Foto: Vandeir Santos

     Além dos presidentes de comissão, estiveram presentes ao evento o prefeito Marcílio Valadares, secretários da administração pública, políticos, amigos e parentes dos sete empossados que são os seguintes:

Hugo de Castro – Presidente da comissão de História
Judith Viegas – Presidente da comissão das Tradições
Prof. Adelan Brandão – Presidente da comissão de Religiosidade
José Raimundo Machado – presidente da comissão das Riquezas
José Norberto Lobato – Presidente da comissão das Comunidades Rurais
Yole Malaquias – Presidente da comissão das Belas Artes
Maria da Conceição David – Presidente da comissão de Folclore


Presidentes das comissões com seus respectivos diplomas
Foto: vandeir Santos

     Em discurso o prefeito Marcílio Valadares afirmou que estão sendo providenciados os recursos necessários a estruturação e desenvolvimento das atividades destas comissões. Tais provimentos são essenciais para a concretização das ações a serem desenvolvidas futuramente, tendo em vista que esta é uma questão crítica para a evolução de qualquer atividade. Esperamos que esta provisão de recursos esteja compatível com a importância do momento.

Membros da comissão de História Foto: Vandeir Santos

     O secretário de cultura, Antônio Lemos, disse que o próximo passo é a execução de um workshop com uma empresa especializada neste tipo de evento, onde serão explanados quais as atribuições de cada comissão. Afim de diminuir os impactos do curto prazo disponível, a equipe responsável pela História, presidida pelo também Presidente do Conselho Municipal do Patrimônio Cultural, Artístico e Histórico de Pompéu – Hugo de Castro, se antecipou ao workshop e realizou uma reunião prévia na Pousada Monsenhor Vicente, onde foram traçadas algumas linhas de ação coerentes com o tema histórico. Esta reunião contou com a participação especial do jornalista Paulo Henrique Lobato.

Membros da comissão de História em reunião prévia na Pousada Monsenhor Vicente
Foto: Vandeir Santos

     A comissão de História é composta pelos seguintes membros:

Hugo de Castro – Presidente
Francisco Régis Lobato
Iácones Batista Vargas
Felipe Vasconcelos
Licínio de Sousa
Charles Aquino
Vandeir Santos
Marcos Faria – Barrica – como consultor de história (já membro da comissão de Religiosidade)


Comissão de História em análise de documentos
Foto: Vandeir Santos


     O blog daquidepitangui, presente na comissão de História, está aberto a sugestões dos seus leitores e demais interessados em contribuir para o sucesso das comemorações dos 300 anos de Pitangui.

     Especial agradecimento ao empresário Haroldo Vasconcelos por ceder o espaço da pousada para a reunião da comissão.

Vandeir Santos


sábado, 22 de novembro de 2014

COPASA convoca a população para o uso consciente da água

Estamos vivendo a pior estiagem da história recente do Brasil. A falta de chuvas compromete o abastecimento de água em várias cidades e, também, a vida das populações rurais afetadas pela seca comprometendo a produção e, consequentemente, a economia do país.
A cidade de Pitangui também pode sofrer os efeitos da falta de chuvas, como vem ocorrendo na vizinha cidade de Pará de Minas, por exemplo.
Para evitar que o abastecimento de água fique comprometido na cidade, a COPASA está distribuindo um panfleto, de caráter educativo, orientando a população no sentido de adotar medidas para combater o desperdício de água.


 O blog "Daqui de Pitanguy" ciente da gravidade deste problema une esforços no sentido de divulgar esta campanha. Se cada um fizer a sua parte poderemos evitar o racionamento ou até mesmo a suspensão do abastecimento de água. Siga as dicas abaixo e colabore, exerça a cidadania.



quinta-feira, 20 de novembro de 2014

20 de novembro - Dia da Consciência Negra



dia da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro, foi instituído oficialmente pela lei nº 12.519, de 10 de novembro de 2011. A data faz referência à morte de Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares.


Apresentamos um discurso do nosso grande amigo Walmir Alcântara, o Bodô, que tem uma bela trajetória de vida e tão bem representa a raça negra. 
                       

                              20 de novembro feriado nacional

Seria esta a última necessidade da comunidade negra no Brasil? Com certeza não! Mais nos últimos anos estamos vivendo em nosso país, o racismo escancarado e talvez para muitos destes que são contras as políticas em reparação aos danos morais e matérias que o estado brasileiro aplicou na população negra, pensam que só falta os “pretos ter feriado” e por aí vai.

Mais os fatos estão aí, as conquistas estão sendo legitimadas e ao longo dos meus 38 anos, vejo uma revolução de conquistas para o povo negro brasileiro, e sabe qual? A da autonomia do sujeito, que se conquista com o conhecimento, como já dizia o mestre Paulo Freire, uma vez autônomo no pensamento você se torna uma pessoa livre. Assim também pensava o nosso libertador da América, Zumbi dos Palmares, é sabido por nós que as taxas de homicídios, doenças, desemprego ainda estamos liderando, daí a necessidade de avançar, terras quilombolas emperradas na burocracia brasileira, mais devido tanta dor que já passamos e ainda carregamos, prefiro olhar bem em frente, no avante negrada,sabedoria sempre foi a nossa arma.

Não sou muito ligado a datas, acho que foi devido à falta de heróis negros nestas comemorações, mais temos que juntos fortificar celebrações como o dia da consciência negra, pois foram árduas estas conquistas. Mais o interessante disso tudo é pensar que a exatamente há 10 anos, estava eu concluindo a minha graduação na história e relutando o que fazer, pois as políticas para estudante negro ainda eram precárias, continuei a buscar, demorou mais chegou, hoje já não carrego o banzo da áfrica, que parece que junto com nossa cultura ela nos enriquece, mais ao mesmo tempo nos dá um lugar do saudosismo, hoje é sabido por todos nos Negros em Movimento, que a África é do outro lado da rua, basta atravessá-la e verás(Cunha Jr.) 

O sentimento que fica é de entender que cada segundo das suas vidas deve ser guardado como experiência e resguardado na sua memória como já dizia Pierre Nora, isto para frente lhe dará segurança em que você se prestará a fazer. Este sentimento de sabedoria e a necessidade de troca, acaba gerando as nossas relações raciais, costumes, alegrias e dores, nesta pegada acabamos promovendo a nossa cultura afro-brasileira. Ora se o berço da humanidade é a África, logo o mundo é afrodescendente, pena que nós brasileiros muitas vezes nos negamos, mais a arte volta para afirmar, a música musa bate em nosso peito como um tambor de candomblé e o batuque que era da cozinha passou pela sala e voltou para o terreiro, uni-vos todos nós em prol da equidade racial.
Zumbi Vive! Salve o dia da nossa Consciência!

Valmir Alcântara –BodÔ
Músico percussionista/Arte Educador
História Uni BH/Mestrado Educação UFPB -Doutorando Educação –FAE/UFMG




A seguir, postamos um vídeo do grupo belorizontino, Berimbrown, que apresenta uma música mostrando a luta diária do negro no Brasil e a importância da valorização do dia 20 de novembro.






quarta-feira, 19 de novembro de 2014

"Festa do Pilar": 1964


Este registro fotográfico foi feito durante a festa de Nossa Senhora do Pilar, em 12 de agosto de 1964. Não sabemos se as pessoas que aparecem na fotografia faziam parte a encenação "Pitangui no Banco dos Réus" (nem seus nomes), que aconteceu durante a festa daquele ano ou, se tratava de uma locução local. As informações a este respeito serão bem vindas e creditadas.
Ainda em tempo...A foto desta postagem foi disponibilizada por Vandeir Santos..
Vandeir Santos nos esclarece que o Dr. Waldemar Campos é o que está no centro, na fotografia acima.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

ESTIADA



Estiada é o nome da música recém lançada no Canal do Rohr, na voz harmoniosa da pitanguiense Mara Nazar. A Música é de autoria do prof. Reinaldo Pereira (Rohr), João Batista de Freitas e William Santiago. E o vídeo foi produzido pelo Léo Morato, parceiro aqui no blog. Confira!

domingo, 16 de novembro de 2014

A contribuição de Saul Alves Martins para a história de Pitangui

A postagem de hoje homenageia o antropólogo e folclorista mineiro Saul Alves Martins (1917-2009). Formado em Ciências Sociais doutorou-se em Antropologia com tese sobre o artesanato brasileiro. Em 1948, junto como professor Aires da Mata Machado Filho, ajudou a criar a Comissão Mineira de Folclore.

Foto disponível em:http://pt.wikipedia.org/wiki/Saul_Alves_Martins,
acessado em 15/11/2014

Além de professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) foi Coronel da Polícia Militar, sendo o autor do hino oficial daquela corporação.
Na década de 1960 percorreu o interior do estado de Minas Gerais desenvolvendo diversas pesquisas de campo sobre a produção artesanal regional. Estas pesquisas resultaram em diversas publicações, dentre elas, "A INDÚSTRIA CASEIRA EM PITANGUI", lançado em 1966, onde descreve as várias vertentes da produção artesanal no município, depois de percorrer todas as localidades a ele pertencentes em uma viatura da Polícia Militar. Em um trecho dessa obra Saul Martins descreve aspectos da culinária pitanguiense:

"Bolos, confeitos e doces - Por nos parecer a expressão mais tradicional em Pitangui, nesse adorável campo do populário, registramos, em primeiro lugar, a atividade de Fia ou Maria Marcelina, viúva de Antônio Barbosa. Ela é quem fornece às vendas da Cidade chupetas açucaradas, zoomorfas e antropomorfas, de grande aceitação entre as crianças. Fia mora na Cavalhada, Avenida Dr. Antônio Fiúza, 303, e exerce o ofício há 15 anos.
Com certeza lá não havia de faltar os confeitos e esculturas comestíveis, lá cujo povo se mostra sensível aos valores artísticos e onde são frequentes as reuniões sociais. Elogiadas na Cidade pela variedade e beleza de suas concepções sitoplásticas, Cléa Nunes e sua mãe Geralda Solar Nunes, efetivamente são dignas da fama que têm, no lugar, como decoradoras de bolos-de-noivas ou bolos para festas de aniversário e batizado." (MARTINS: 1966, p. 31)



Este livro é muito interessante, pois, apresenta um meticuloso mapeamento de toda produção artesanal do município de Pitangui, tanto na sede, quanto nos diversos distritos e localidades. Além de sua vasta produção acadêmica, esse reconhecido antropólogo e folclorista mineiro 

"empresta seu nome ao Museu do Artesanato Saul Alves Martins, localizado na cidade de Vespasiano/MG, categorizado como um dos cinco melhores museus de cultura popular do Brasil. Cabe salientar que o museu possui em seu acervo uma grande quantidade de obras doadas pelo antropólogo, fruto de suas pesquisas. [...]"

O Museu foi inaugurado em 1992 e possui, além do rico acervo, biblioteca "e peças históricas originais de artistas populares que retratam tradições e identidades regionais, máscaras de folias, carrancas e peças de cerâmica."


FONTE:

MARTINS, Saul Alves. A Indústria Caseira em Pitangui. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1966.
http://www.oparavideos.com.br/produto/16,,Mestre-Saul-Martins--Sua-Vida-e-sua-Obra.aspx, acessado em 15/nov./2014.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Saul_Alves_Martins, acessado em 15/nov./2014.
http://www.iof.mg.gov.br/index.php?/acao-do-governo/acao-do-governo-arquivo/Museu-do-Folclore-recebe-pesquisadores-e-artistas.html, acessado em 15/nov./2014.

sábado, 15 de novembro de 2014

IBGE nos 250 anos de Pitangui

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas - IBGE, em comemoração aos 250 anos de Pitangui, lançou um informativo a respeito da cidade.

Clique nas imagens para ampliá-las






quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Depois da chuva matinal


Nas imagens de hoje mostramos parte da mata do Céu e da serra da Cruz do Monte cobertas pela neblina após uma esperada chuva de outubro.




Verde perto.
Fotos: Léo Morato.