Seguidores

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Sarau dos 90 anos de Patesko

     Na sexta-feira, dia 17 de outubro, a praça Antônio Fiúza foi palco de mais uma manifestação cultural onde a figura central foi o músico José Nunes de Oliveira – Patesko, o qual estaria fazendo naquele dia 90 anos de idade.

Foto: Vandeir Santos


Foto: Vandeir Santos

     O sarau organizado por José Carlos, filho do músico, teve a participação de familiares, amigos, representantes do Instituto Histórico, secretaria de cultura e músicos de Pitangui. A parte musical ficou por conta dos irmãos de Patesko que, ocupando o coreto que leva o nome da família, interpretaram suas principais músicas.

No violão, Jacinto. Em pé, Walter, Nírio e Letícia - Todos irmão de Patesko
Foto: Vandeir Santos

     O ponto alto da noite, sem dúvida, foi a execução do Hino de Pitangui composto por Patesko em 1965 e que depois de anos de esquecimento voltou a ser o tema de abertura de um evento público de Pitangui. Com a distribuição de um CD com primorosa gravação em estúdio do hino, acende a esperança de que a obra volte a ocupar o lugar devido nos eventos oficiais do município.

Em pé, Anderson, José Carlos e Altarir - filhos de Patesko. 
Sentados, Télvia, Edith e Edna - filha, esposa e irmã da esposa de Patesko
Foto: Vandeir Santos


     Durante o sarau foram exibidos vídeos com o histórico de eventos naquele local. O primeiro se deu no dia 09/06/1991 quando houve a inauguração do “Coreto dos Nunes”, família de secular tradição no meio musical da cidade. Nesta ocasião Patesko estava presente e participou da inauguração. O segundo ocorreu no dia 17/10/1995 quando o músico estaria fazendo 71 anos de idade, mas infelizmente o mesmo já havia falecido no dia 06/11/1992. Nesta ocasião foi fixada ao coreto uma placa com a letra do hino que Patesko fez para Pitangui a pedido do prefeito Professor Morato para as comemorações dos 250 anos da cidade.


José Carlos, filho de Patesko e organizador do evento
Foto: Vandeir Santos

     Foi comentário geral a necessidade de haver uma constância neste tipo de evento que resgata aquilo que denominei de MPP - Música Popular Pitanguiense. Para os 300 anos seria de extrema importância que valorizemos os artistas da terra cujo talento nada deixa a desejar aos demais representantes da MPB.

Vandeir Santos







terça-feira, 21 de outubro de 2014

Nossos Caminhos (Miragens)



Tem música nova no Canal do Rohr.

Nossos Caminhos (Miragens).
Letra e música: Reinaldo Rohr, Jonba Freitas, William Santiago e Ricardo Nazar
Intérprete: Ricardo Nazar e Paulinho Pedra Azul
Vídeo: Maíra Santiago

"De repente uma luz nasceu
Clareando meu caminho
E o caminho seu
Perguntando então
O que queremos mais
Se tudo está na verdade tão bom
Por que mudar harmonia e tom
Trazer conflito onde impera a paz
Nós temos que seguir
No mapa que se fez
O hoje é um sim 
O futuro um talvez

Por que a gente vive sempre assim
Inventando cartomantes
Bolas de cristal
Que tolice então
Por que antecipar
O sol de amanhã pode até nem brilhar
Buscar num vão num entrelinhar
No sim o não
Ah insensata razão
Nós temos que seguir 
No mapa que se fez
O hoje é um sim
O futuro um talvez"

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Julieta Cândida de Freitas: uma vida dedicada à educação

A postagem de hoje é dedicada à Professora Julieta Cândida de Freitas, que está se aposentando. No sábado, 18 de outubro, ela recebeu seus amigos na fazenda "Engenho Velho" para um almoço. Estiveram presentes, além de amigos e parentes, várias gerações de educadores pitanguienses, que foram confraternizar com Julieta.



Julieta trabalhou na extinta Escola Estadual Padre Belchior, que atendia ao segmento infantil, posteriormente passou a lecionar na Escola Estadual Francisca Botelho.







domingo, 19 de outubro de 2014

A Histórica Pitangui

Panorâmica da cidade. Foto: Léo Morato.
Clique na imagem para ampliá-la.
 
A história não é só o passado, não é só aquele sentimento bom de nostalgia. Ela é vivenciada todos os dias, no trabalho árduo, na luta por um ideal, no relacionamento com as pessoas e nos esforços coletivos para um objetivo comum. Assim, a nossa história, a história da tricentenária Pitangui é muito mais bonita que imaginamos.

INFÂNCIA
 
Meu pai montava a cavalo, ia para o campo.
Minha mãe ficava sentada cosendo.
Meu irmão pequeno dormia.
Eu sozinho menino entre mangueiras
lia a história de Robinson Crusoé,
comprida história que não acaba mais.
No meio-dia branco de luz uma voz que aprendeu
a ninar nos longes da senzala - e nunca se esqueceu
chamava para o café.
Café preto que nem a preta velha
café gostoso
café bom.
Minha mãe ficava sentada cosendo
olhando para mim:
- Psiu... Não acorde o menino.
Para o berço onde pousou um mosquito.
E dava um suspiro... que fundo!
Lá longe meu pai campeava
no mato sem fim da fazenda.
E eu não sabia que minha história
era mais bonita que a de Robinson Crusoé.
 
(Carlos Drummond de Andrade)

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Música e outras prosas

 José Carlos com o pessoal do Blog.

No sábado dia 4 de outubro, a turma do blog se reuniu para um encontro casual para colocar a prosa em dia, ouvir música, tomar uma cervejinha e inevitavelmente falar sobre temas daqui de Pitangui.
 Um "dediprosa".
A reunião foi na casa do professor Licínio e, além de um bom e inesperado friozinho, tivemos a agradável presença do Zé Carlos Oliveira, filho do Patesko. Em tempos de lei seca, às vésperas da eleição, o papo foi madrugada a dentro com um churraquinho de improviso, regado à boas conversas e um excelente  repertório musical apresentado pelo Licínio.
 Sobre cultura e outras bossas.
O Zé Carlos compartilhou conosco um pouco sobre a sua bagagem de vida e de música e relatou que - nas tratativas para divulgação e reconhecimento do Hino à Pitangui, do Patesko - ele está redescobrindo o carinho que sempre  teve pela cidade e se entusiasmando para novos projetos. Por falar nisso, nesta sexta dia 17 de outubro de 2014 o músico Patesko, pai do Zé Carlos, completaria 90 anos. Portanto, para celebrar a data, será realizado um Sarau na praça Antônio Fiuza, a partir das 19:00 horas.   
Na madrugada a vitrola rolando...

Conscientes da responsabilidade deste nosso trabalho voluntário ficamos felizes por convergir com pessoas, ideias e iniciativas a favor de Pitangui. Reforçamos este convite que não é só em homenagem ao Patesko, ou só aos Nunes, mas aos músicos e à boa música de Pitangui. Faça parte! SARAU CULTURAL - PATESKO 90 ANOS. Praça Antônio Fiuza, sexta 17/10/14 às 19 horas.

E para dar o tom da noite vamos com o saudoso de Amauri Xavier (filho do Patesko, irmão do Zé Carlos e pai do Rafael Marttins).

Sinos e capelas

Sinos e Capelas.
 

Na postagem de hoje mostramos um outro olhar sobre a cidade, um outro ângulo diferente da igreja de São Francisco de Assis. De onde essa foto foi tirada, alguém arrisca um palpite?

**************
 

Complementando esta postagem, informamos que a foto acima foi tirada lá da Igreja do Sagrado Coração de Jesus, no bairro Lavrado, de onde se tem belas vistas da cidade.

O sino da igreja do Lavrado e a cidade.
Fotos: Léo Morato.

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

"Dia do Professor": é preciso resistir e denunciar a precarização do trabalho docente.

Acervo E. E. Francisca Botelho

Hoje comemora-se o "Dia do Professor" e o blog "Daqui de Pitangui não poderia deixar esta data passar em branco. Nesta postagem parabenizamos os Professores e Professoras, mas, também, lembramos que essa data deve ser também de luta e conscientização da classe, pois, como bem disse o presidenciável Eduardo Jorge (PV), no último debate do primeiro turno, a profissão de Professor é a menos valorizada - e remunerada -  de todas as profissões que exigem curso superior. 
Não podemos ignorar e nem deixar os governantes esconderem a precarização do trabalho docente, como vem acontecendo no estado de Minas Gerais, onde o atual partido, que ocupa o Palácio da Liberdade, propaga para o Brasil inteiro que a educação pública, em nível fundamental é a melhor do Brasil. Não é preciso ir longe para desconstruir este discurso demagógico, basta visitar a Escola Estadual Gustavo Capanema, em Pitangui. Lá, por falta de espaço físico, a direção teve que abrigar uma turma do ensino médio no porão de uma Igreja, ao lado da escola, E mais, a biblioteca da referida escola também está instalada neste mesmo porão. Pasmem: a biblioteca fica fora da escola. Como os alunos poderão utilizá-la, já que, além de estar fora da escola, o espaço é utilizado como sala de aula? 
Enquanto classe trabalhadora precisamos nos articular e lutar por nossos direitos.  O sindicato dos professores da rede pública estadual se mantém calado diante da farsa da LC 100. Será o peleguismo se manifestando? E os professores que foram aprovados em concurso, mas não foram empossados em seus cargos devido à LC 100? Essa é a melhor educação pública do Brasil.


-----------------------------------------------

Mas, afinal, como surgiu esta data? O texto abaixo trás alguns esclarecimentos a este respeito.

No Brasil, o Dia do Professor é comemorado em 15 de outubro.
No dia 15 de outubro de 1827, Pedro I, Imperador do Brasil baixou um Decreto Imperial que criou o Ensino Elementar no Brasil. Pelo decreto, "todas as cidades, vilas e lugarejos tivessem suas escolas de primeiras letras". Esse decreto falava de bastante coisa: descentralização do ensino, o salário dos professores, as matérias básicas que todos os alunos deveriam aprender e até como os professores deveriam ser contratados. A ideia, inovadora e revolucionária, teria sido ótima - caso tivesse sido cumprida.
Mas foi somente em 1947, 120 anos após o referido decreto, que ocorreu a primeira comemoração de um dia efetivamente dedicado ao professor.
Começou em São Paulo, em uma pequena escola no número 1520 da Rua Augusta, onde existia o Ginásio Caetano de Campos, conhecido como "Caetaninho". O longo período letivo do segundo semestre ia de 1 de junho a 15 de dezembro, com apenas dez dias de férias em todo este período. Quatro professores tiveram a ideia de organizar um dia de parada para se evitar a estafa – e também de congraçamento e análise de rumos para o restante do ano.
O professor Salomão Becker sugeriu que o encontro se desse no dia de 15 de outubro, data em que, na sua cidade natal,Piracicaba, professores e alunos traziam doces de casa para uma pequena confraternização. A sugestão foi aceita e a comemoração teve presença maciça - inclusive dos pais. O discurso do professor Becker, além de ratificar a ideia de se manter na data um encontro anual, ficou famoso pela frase " Professor é profissão. Educador é missão". Com a participação dos professores Alfredo Gomes, Antônio Pereira e Claudino Busko, a ideia estava lançada.
A celebração, que se mostrou um sucesso, espalhou-se pela cidade e pelo país nos anos seguintes, até ser oficializada nacionalmente como feriado escolar pelo Decreto Federal 52.682, de 14 de outubro de 1963. O Decreto definia a essência e razão do feriado: "Para comemorar condignamente o Dia do Professor, os estabelecimentos de ensino farão promover solenidades, em que se enalteça a função do mestre na sociedade moderna, fazendo participar os alunos e as famílias".

Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Dia_do_professor#Brasil, acessado em 14/agosto/2014.


terça-feira, 14 de outubro de 2014

Cantar na Lua


















Valorizando a cultura pitanguiense, divulgamos um vídeo com a música Cantar na Lua, recém postada no Canal do Rohr, de autoria do trio Reinaldo (Rohr), João Batista (Jonba) Freitas e William Santiago, interpretada pelo Miguel Rachid.
 

domingo, 12 de outubro de 2014

A Capela e Cruz no Monte

Depois da oração observo a cidade, pela máquina fotográfica, numa manhã de outubro [antes das queimadas] com a liberdade do olhar.



A capela da Penha e a serra da Cruz do Monte - 4/10/2014.
Fotos: Léo Morato.

sábado, 11 de outubro de 2014

A dama do sertão


Na postagem de hoje apresentamos mais uma obra literária, de autoria de Antônio Campos Guimarães, inspirada na vida da matriarca mineira Joaquina de Pompeu. 

Antônio Campos Guimarães

 Em "A dama do sertão" o autor explora o imaginário em torno de Joaquina e alimenta histórias sobre a matriarca e sua rivalidade com Maria Tangará, outra matriarca do centro-oeste mineiro, cujo casarão imponente abriga atualmente a Escola Estadual José Valadares. São obras de ficção como esta, que mantém viva a lembrança destas matriarcas. 




GUIMARÃES, Antônio Campos. A dama do sertão. Belo Horizonte: Imprensa Oficial, 1985.