Seguidores

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Encontro de carros de boi


Fotos: Léo Morato

Devido ao contexto de sua colonização Pitangui tem grande vocação para o turismo histórico-cultural, assim como suas serras, matas, rios, nascentes e fauna proporcionam condições para a prática do ecoturismo. Mas além dessas e de outras possibilidades (considerando também a infra-estrutura receptiva necessária), o turismo rural é mais um forte segmento a ser “explorado”. Na zona rural encontram-se fazendas centenárias cheias de história, comunidade remanescente de quilombolas, festas tradicionais, fabricação de queijos e doces e os alambiques que produzem artesanalmente a melhor cachaça da região.




No primeiro dia de novembro tive a oportunidade de estar presente em um acontecimento muito interessante, O I Encontro de Carros de boi de Leandro Ferreira (cidade do Padre Libério), situada cerca de uns 20 km de Pitangui.


Confraternização dos Carreiros, após o desfile dos carros de boi.

Chegamos ao final do encontro, mas foi prazeroso presenciar uma manifestação que representa as nossas raízes. O evento foi elaborado pelos produtores rurais da região e pela Prefeitura de Leandro Ferreira, numa bela iniciativa.




Um pouco de história: Sendo originário da Idade da Pedra ou do período Neolítco, o carro de boi surgiu no Brasil com os primeiros engenhos de açúcar, na época da colonização portuguesa. Foi um dos primeiros instrumentos de trabalho, além do mais antigo e principal veículo de transporte utilizado no País, principalmente nas áreas rurais, por quase três séculos. As madeiras utilizadas na construção dos carros de boi tinham que ser fortes, principalmente as das rodas. As mais usadas eram o pau d`arco, a aroeira, a sucupira, a carnaubeira. O carro de boi pode ser puxado por uma, duas ou mais juntas ou parelhas. Cada junta possui dois bois, que trabalham um ao lado do outro, unidos pela canga. O condutor do carro que comanda os bois é chamado de carreiro. Os bois se acostumam de tal forma com o carreiro que, muitas vezes a um simples chamado dele, se dirigem vagarosamente e ficam parados próximo ao local onde são normalmente encangados. Batizados com nomes pitorescos, como Cara Preta, Presidente, Azulão, Lavareda, Malhado, Pachola, Curió, atendem pelo nome ao chamado do carreiro.



Na história do Brasil, o carro de boi aparece na Colônia, no Império, na República, na Revolução de 1930, no Estado Novo. Pode apresentar variações de “modelos” e nomes: carro, carroça ou carreta, como no Rio Grande do Sul, porém, nenhuma cidade, vila, povoação, fazenda, sítio, do litoral ao sertão ignora a existência deste rústico e primitivo meio de transporte, que ajudou a fazer a história do Brasil.

Fonte: /www.fundaj.gov.br. Pesquisado em 11/11/2009.



Fonte: Rede Minas.

11 comentários:

  1. Olá Léo, esta postagem ficou muito bacana. Pitangui também poderia organizar um encontro de Carros de Boi, seria bem interessante.
    Abração.

    ResponderExcluir
  2. As possibilidades são várias, meu caro! Nessa postagem, além da tradição em si, é possível ver (vídeo) um dos ofícios que estão desaparecendo com o tempo (o marceneiro fabricante de carros de boi). Conforme conversamos, está aí mais uma linha de pesquisa para o blog: os ofícios pitanguienses. Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Interessante esse Vídeo sobre os Carros de bois.
    Conheço essa família que fabrica os carros de bois.
    São de Resende Costa,uma cidade que frequento há 15 anos,pois trabalho com tapeçaria em tear feito por artesãos da cidade.
    Frequento a casa de Irimar há muitos anos,sou muito amiga da mãe dele D.Maria.
    Um dia resolvi escrever sobre os quitutes que ela fazia.
    Comecei a escrever meus "causos mineiros",num site de culinária chamado Cybercook.
    No site foi criado um link,por causa das histórias que eu escrevia por lá.
    E escolheram um dos meus melhores contos,para inaugurar:A receita e sua história.
    O conto chama-se:Os quitutes mineiros de D.Maria.
    Que vem a ser ,a mãe do Irimar.
    Se vc quiser ler,acesse o site:www.cybercook.com.br
    Abraços
    Sonia Novaes

    ResponderExcluir
  4. Oi Sonia, gratos pela visita! Vou buscar esse endereço sim. Tudo que vem valorizar a cultura e as tradições da nossa gente, é muito válido.Parece mesmo ser uma família muito interessante, cheia de arte. Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. ola, gosto de carro de boi, tenho um boi que uzo nas cavalgadas da minha cidade, mas em uma charrete que o boi pucha tenho vontade de participar de uma festa de carreiro, mas moro muito longe de onde tem encontro de carreios,estou querendo fabricar um carro de boi,para desfilar nas cavalgadas de onde moro. com proposito de nao deicha a cultura do nossos avós acabar.

    ResponderExcluir
  6. Seja bem vindo amigo, obrigado pela visita! Continue firme neste propósito. Tente reunir seus conhecidos que também gostam dos carros de boi em sua região e forme um grupo, quem sabe daqui há um tempo vocês conseguem realizar um grande encontro de carro de boi, não é mesmo?!

    Um povo que não cultiva suas tradições é igual a uma árvore sem raíz!
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. jose paulino da costa netosábado, dezembro 31, 2011 11:14:00 PM

    desculpa foi sem querer cliquei no lugar errado

    ResponderExcluir
  8. Muito bom manter as tradições dos que nos antecederam. Filhos e netos...precisam ver isto e se inteirarem de como era suada, sem pressa e...prazeirosa a atividade rural.
    Abração a todos.

    ResponderExcluir
  9. Por ser apaixonado pela cultura dos carros de boi, sua história e festividades com esse nobre transporte que quase foi extinto. Recentemente lancei o livro “Festas de Carros de Boi” que vem de encontro a uma lacuna existente quanto aos assuntos abordados, a paixão pela nossa cultura e pelo carro de boi. Pois, muitos pensavam que, com os meios de transportes modernos e evolução tecnológica, os carros de boi e as suas cantigas peculiares iriam desaparecer, e só os encontrariam em museus, telas de pinturas ou esquecidos em fazendas antigas. Contudo, ocorreu uma reinvenção para o uso dos carros de boi, saíram do labutar para o festejar. Neste trabalho o autor mergulha na sua história, na cultura de um povo, e com riqueza de detalhes e fotografias, mostra o porquê das Festas de Carros de Boi fazerem parte do calendário cívico de algumas cidades Brasileiras. Especialmente, por encantar todos os participantes e visitantes de vários lugares do Brasil e do exterior, independente do sexo e idade. É paixão a primeira vista, seja pela cultura, pela tradição, por curiosidade, pelo festar e por ter se tornado um acontecimento histórico.

    Para divulgar festas de carros de boi e pesquisá-las criei alguns blogs, convido você e seus leitores para conhecê-los:

    Rogério Corrêa
    http://rogerioscorrea.blogspot.com/
    http://festadocarrodebois.blogspot.com/
    http://carrodebois.wordpress.com
    http://ocarrodeboi.blogspot.com/

    Para adquirir o livro ou maiores informações basta enviar um e-mail para: rogerioscorrea@gmail.com

    ResponderExcluir
  10. Acompanhe as principais festas de carros de boi em: www.carrosdeboi.com.br

    ResponderExcluir
  11. Acompanhe as principais festas de carros de boi em: www.carrosdeboi.com.br

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.