Seguidores

quarta-feira, 3 de março de 2010

Minas do José de Abreu

Esta postagem é mais uma colaboração de Vandeir Santos, que corajosamente explora a região em busca de vestígios da mineração do período colonial em Pitangui.





O terreno que hoje pertence ao Sr. José de Abreu seria, sem sombra de dúvida, o melhor sítio arqueológico da região de Pitangui/Onça, seria porque a ação de tratores para a formação de pastagem destruiu particamente todas as evidências que haviam naquele terreno. Além de minas existiam ali tabuleiros intactos, resíduos de tabuleiros, locais de lavagem do minério, vestígios dos regos de condução de água, enfim todas as evidências da atividade mineradora do séc. XVIII. A única coisa que sobreviveu aos anos e a depredação foi a mina situada na encosta da serra, em terreno inclinado que não favorece a pecuária e, graças a Deus, impede também o trânsito de tratores.




Vandeir Santos nos lembra que no período de exploração do ouro, no século VXIII, haviam três tipos de lavras: a de leito (dentro de córregos ou rios), a de grupiara (nos barrancos dos córregos) e as de tabuleiro (nas laterais mais afastadas do leito dos rios ou córregos). Clique na imagem acima para ver detalhes.




Diogo Souza no interior da Mina




A galeria principal tem cerca de 100 metros de extenção e conta com diversas derivações e um poço em sua parte central com cerca de 4 metros de profundidade de onde foi retirada uma escada de madeira com os degraus encaixados em cortes angulados (chamado encaixe de malhete) e travado com cravos! Esta legítima representante da época extrativista se encontra extraviada. A altura das galerias permite facilmente a circulação de um homem adulto em pé, no entanto é necessário que se ande abaixado para que os morcegos possam trafegar pela parte superior dos vãos, o que não impede que sejamos atingidos a todo momento por esses animais, que são muitos.




Acerca de 1 ano a mina sofreu inspeção pela Jaguar Mining (Turmalina) que por motivos ignorados providenciou a pintura de parte das paredes e um portão.

Por se encontrar em terreno particular e estar trancada a cadiado, qualquer visitação dependerá de permissão do dono do terreno.



Vandeir Santos



Em depoimento de um morador da região, existem inúmeras outras minas em Onça, a maioria se encontra com a entrada obstruída, seja como consequência da atividade agropecuária, seja em virtude de controle da proliferação de morcegos. Marcamos para a semana santa uma outra visita ao município para que possamos documentar outras relíquias da outrora gloriosa época do ouro de nossa região.


Crédito das fotos: Vandeir Santos

12 comentários:

  1. Os maiores de idade que quiserem ir comigo visitar as minas na semana santa é só entrar em contato: zedabala@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  2. Aos de espírito aventureiro fica aí o convite. Não se esqueçam de registrar o passeio com muitas fotos e enviá-las para uma futura postagem por aqui.
    Desde já desejo a todos um ótimo passeio.
    Abração.

    ResponderExcluir
  3. Valeu mais uma vez por incitar o resgate histórico das Minas Gerais, Licínio!

    ResponderExcluir
  4. Aew galera quem tiver oportunidade de visitar uma mina do período colonial, visite.
    Mto interessante visitar um lugar explorado há séculos atrás.
    Vlw, abraçs galera.
    Diogo Souza

    ResponderExcluir
  5. Vandeir, estou dentro. Já estou comentando com outros possíveis "interessados" sobre o Blog e a visita da semana santa. Já tens uma data e hora previstos? Erich Hanke

    ResponderExcluir
  6. Olá Diogo,
    seja bem-vindo ao blog.
    Esta aventura deve ter sido muito legal.
    Abração.

    ResponderExcluir
  7. Erich, na sexta vou acertar com o Sr. José. Com certeza será na parte da manhã de sábado ou domingo. Tenho de ver se consigo a ajuda de um morador que conheci no dia da visita a mina para que ele nos leve nas outras. Vandeir

    ResponderExcluir
  8. É isso aí galera vamos apoiar essas iniciativas que buscam conhecer e resgatar a história de Pitangui. O blog Daqui de Pitangui está com as portas abertas pra divulgar as fotos dessa aventura.

    ResponderExcluir
  9. Licínio, realmente muito interessante! Nem eu sabia que na roça do meu avô havia uma mina! Ou pelo menos, não me lembrava hihi :)
    Juliana

    ResponderExcluir
  10. Oi Jú,
    seja bem vinda ao blog.
    O terreno de seu avô tem um valor histórico muito grande e deve ser preservsdo..
    Aqui no blog tem uma outra postagem sobre as minas de Onça, inclusive com mais detalhes da mina nas terras de seu avô.
    Abraço

    ResponderExcluir
  11. Gostei muito e informo ao Vandeir que no sítio ainda tem antigos regos por onde passavam água para lavagem de ouro, locais ainda não visitados e a sua disposição, se quizer visitar é só entrar em contato.
    agostinho.als@uol.com.br

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.