Seguidores

domingo, 30 de maio de 2010

Pitanguienses mundo afora


William Santiago (Foto: acervo pessoal).

Felicitamos pelo aniversário, um grande conterrâneo nosso que há tempos alçou vôos por outros ares, mas nunca esquece da terrinha. Neste tópico “Pitanguienses mundo afora” criado pelo parceiro Dênio Caldas - para estreitar os laços com os pitanguienses ausentes - falamos sobre o William Santiago que completa hoje 60 outonos. Fundador do Pitaculta e do Jornal Correio de Pitanguy, (ambos na década de 80), atualmente o William mora em Encarnación (Paraguai) e tem uma história de vida muito interessante, ninguém melhor do que ele mesmo para contá-la:


Centro Social de Pitangui, 2002. Dênio, William, Ricardo e Léo.

“Nasci em Pitangui, em 30/05/50, onde vivi até os 19 anos. Meu nome completo é William Jaques Pereira Santiago. Joguei pelo time do Zé Emídio, pelo CAP e terminei minha “carreira” no PEC. De Pitangui, fui estudar Letras/Português na antiga FAFI-UFMG, na Rua Carangola, em Beagá, de 1969 a 1972. Fiz também, paralelamente, no ano de 1972, Licenciatura Curta de Inglês. Com esse último diploma, comecei a trabalhar como professor no Bairro Alípio de Mello, na Escola Polivalente da Ressaca. Sempre quis viajar pelo mundo e estava atento aos concursos do Itamaraty.


Encarnación, Paraguai - Ruinas das Missões Jesuíticas (séc. XVII).

Em 73 fiz concurso em Brasília para Oficial de Chancelaria, passei em 4° lugar no Brasil inteiro. Em 1975 fui trabalhar na Embaixada do Brasil em Jeddah, Arábia Saudita. Dois anos no meio do deserto e, por minha solicitação, me transferiram para a Embaixada do Brasil em Copenhague, Dinamarca, onde fiquei de 1977 a 1980. Morrendo de saudade de todo mundo, voltei para Brasília, onde também fiz concurso para professor da extinta Fundação Educacional do Distrito Federal e, em 1982, pedi exoneração do Itamaraty. Eu já tinha um projeto na cabeça: voltar para Pitangui e trabalhar em Comunicação. Para isso, estava estudando Jornalismo na UnB (Universidade de Brasília), onde me formei em 1985. Nesse ano, pedi licença da Fundação Educacional e me mudei pra Pitangui.


Encarnación, Paraguai - Ruinas das Missões Jesuíticas (séc. XVII).

Fui trabalhar no jornal Destaque, de Conceição do Pará, de propriedade do empresário Edivan Reis. Em 1986, depois do grande show de vôo livre do 21 de abril, organizado pela Empresa Destaque, o Edivan fechou o jornal (devido a contra tempos) e parou todos os projetos que tinha para a região. Entre eles, estavam os que me incluíam: uma rádio e uma emissora de televisão. Continuei na editora Destaque. Mas sem vislumbrar futuro na empresa, comecei a trabalhar de professor universitário em Pará de Minas e preparando, paralelamente, o lançamento do jornal Correio de Pitanguy, cujo capital inicial era o cheque especial do antigo Banco Nacional. Talvez o jornal foi o que mais me tenha marcado em Pitangui. Foi uma experiência fantástica. Era como ver o Brasil em pequena escala. Pude assistir de camarote todo o jogo do poder.


O por do sol de Encarnación.

Em 1991, fui convidado para ser Secretário de Educação e Cultura, mas fiquei pouco tempo, porque a estrutura e condições de trabalho não eram suficientes. Passei a buscar outros horizontes. Vendi o jornal e comecei na TV Integração, em Pará de Minas e continuava dando aulas na Faculdade e no CCAA. Mas a vontade de viajar pelo mundo outra vez começou a dar cócegas e veio outro concurso do Itamaraty. Passei outra vez entre os primeiros e logo fui chamado. Voltei ao Itamaraty em 22/04/1994. Daí para cá, viajei outra vez para muitos lugares, mas morar mesmo, só no Paraguai. Primeiro em Ciudad del Este, em 1°/11/1999, até 14/06/2005. Depois, vim para Encarnación (a 3ª cidade do país e a capital do carnaval paraguaio), onde ainda estou e onde penso estabelecer residência quando me aposentar. E, em junho, de repente, estarei em Pitangui. Um grande abraço, William".

10 comentários:

  1. Tá aí um cara que eu sou "fãzaço". Me considero um privilegiado por poder conviver, mesmo que de quando em vez, com o William. Arquiteto das palavras, esse franzino, tem uma gibeira cheia de escritos que nos faz viajar ao lê-los. Como dizia o mestre Jobim : - Se todos fossem iguais a você, que maravilha seria viver !!! Parabéns pelo outono colhido. Que venham mais e mais outonos !!! Abraço do seu fã Dênio Caldas !!
    Léo, parabéns pela postagem

    ResponderExcluir
  2. É isso aí Dênio. Pela pessoa que é e pelo que fez pela cultura de Pitangui nos 80', esse camarada merece o nosso respeito e a nossa admiração!!! Parabéns William!!!

    ResponderExcluir
  3. Olá pessoal,
    justa homenagem a este pitanguiense ilustre.
    Deixo aqui os meus parabéns ao aniversariante.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Valeu por "engrossar o coro", Licínio!!!
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pela postagem e pela homenagem ao Prof. William, de quem tive o privilégio de ser aluna no curso de Letras. Intelectual, poeta de fina linhagem, escreveu coisas belíssimas que me fazem lembrar a obra de Paulo Leminski. Vale a pena conhecer!Transcrevo abaixo um texto do William, publicado em um livro chamado "Em quatro":

    "Vou levando devagar
    Como quero. Espero.

    Se acuado,
    me encolho, finjo, evito, adio,
    mas
    não hei de entregar-me a ninguém.

    Se impossível,
    resta inda a morte, pelo menos,
    que é vida para quem não tem."

    Parabéns Prof. William!

    ResponderExcluir
  6. Obrigado pela presença constante no blog, Edilma.
    O Wiliam merece a homenagem!
    Estou preparando um material para um post. sobre os alambiques pitanguienses e a boa cachaça da região. Que tal começarmos pela Barcelona!? Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. Caro Leonardo,

    Ótima ideia!!Será um prazer imenso receber você lá na fazenda Santiago. E a época não pode ser melhor: o alambique está funcionando a todo vapor! É só marcar que Batista e eu providenciaremos a "recepção".

    Um abraço.

    Edilma.

    ResponderExcluir
  8. Parabéns, William! Eu te respeito e admiro muito! Sou sua fã e tenho orgulho de ser sua prima!

    Um forte abraço!

    Elaine Pereira

    ResponderExcluir
  9. lembro como se fosse hj odia que o willian chegou da dinamarca...com sua mulher :mônica e seu filho : yuri ,foi a maior festa no"bêco"
    pôxa vida vc ta judindo heim?

    ResponderExcluir
  10. Grande william Santiago.. Tive o prazer de conviver e compartilhar a sua amizade durante meus dois anos e meio de Pitangui. Saudades amigos! Um forte abraço.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.