Seguidores

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Divinópolis e Bom Despacho - 99 anos

Ontem as cidades de Divinópolis e Bom Despacho completaram 99 anos emancipação política e já estão nos preparativos para a importante chegada do centenário.




Segundo uma das versões correntes, Manoel Fernandes Teixeira marca sua chegada em 1684, as margens do rio Itapecerica, habitadas pelos índios Candidés, o começo da cidade . Conta–se que ele era origem portuquesa e prisioneiro político envolvido na guerra portuquesa . Prisioneiro dos Emboabas viera refugiar-se no meio dos endígenas. Mais tarde em 1770, prospero fazendeiro doou à Mitra Arquidiocesana de Mariana um terreno de “40 alqueires de terra e um lote de casas”, onde construiu-se uma capela destinada ao Divino Espírito Santo e a São Francisco de Paula, ensejando o início do povoado do Divino Espírito Santo do Itapecerica. O povoado torna-se curato em 1830, freguesia em 1834, distrito de Itapecerica em 03 de abril de 1839. A lei de número 556, datada de 30 de agosto de 1911, criou o município que com a denominação atual foi instalado no dia 1º de junho de 1912. Divinópolis foi elevada à categoria de cidade em 18 de setembro de 1915, tendo sido a comarca instalada a 03 de maio de 1936. Simultaneamente à inauguração das estações ferroviárias de Lavras e de Oliveira, isto em 14 de abril de 1889, foram iniciados os trabalhos de prolongamento da estrada de ferro até o Alto São Francisco, cujo ponto terminal, inicialmente fizado na foz do rio Jacaré, na cabeceira do rio São Francisco, foi transferido para a foz do rio Paraopeba. Embora tenha sido parcelada a sua entrega ao tráfego, esta estrada de ferro foi concluída em 1894, o que obviamente ensejou o grande impulso no progresso do distrito, que em 1910, teria ainda completada sua ligação ferroviária com Belo Horizonte.

Segundo o IBGE, em 2010 a população de Divinópolis era 213.016 habitantes.




A História da formação de Bom Despacho iniciou-se na ponte do Lambari, alongando-se para oeste, até atingir as nascentes do Picão, daí em diante, à fazenda da Piraguara e ao Rio São Francisco. No início da segunda metade do séc. XVII cessada a febre do ouro e com as minas quase já sem exploração, ocorreu uma decadência de Pitangui assim como toda a Capitania. Muitos dos que viviam nessa região partiram para a região entre os rios Lambari e São Francisco em busca de subsistência por meios de outras atividades econômicas. Na área deu formação de quilombos, mas que foram liquidados. As áreas conquistadas foram sendo distribuídas em sesmarias, resultando na formação das primeiras fazendas de criação de gado. A partir de 1770, o Capitão Francisco de Sá é mencionado como o primeiro criador de gado, na condição de proprietário da fazenda do Picão. Daí em diante intensificou-se o processo de ocupação, com o surgimento de novas fazendas, estendendo-se até o final do século. Aproximadamente nesse época foi erguida uma capela que tornou-se centro polarizador. Com o decorrer dos anos ficou rodeada de outras construções, como casas, ranchos, e vendas favorecendo a formação do Arraial da Nossa Senhora do Bom Despacho. Existem controvérsias a respeito do nome do município. Uma vertente o atribui à devoção do fundador da capela , Luiz Ribeiro da Silva, que como outros portugueses povoadores do oeste mineiro, era procedente da Província do Minho, norte de Portugal, onde era fervoroso o culto a Nossa Senhora do Bom Despacho. Outra corrente afirma que a denominação surgiu na ocasião de uma seca prolongada, ocorrida entre 1767 e 1770, penalizando pessoas, animais e lavouras. Então os devotos de Nossa Senhora do Bom Despacho fizeram súplicas e orações pedindo chuva. Certos de que suas preces foram ouvidas, pois a chuva não demorou chegar, ergueram a capela em honra à Santa. Foi em 1801 e 1831, que o arraial começou a desenvolver seu potencial. A principal atividade econômica era criação de gado, secundada pela produção de rapadura e aguardente, bem como as culturas de arroz, milho, mandioca e algodão. Em 1812, o arraial constituído ao redor da Capela de Bom Despacho, através da carta régia, atingiu a condição de instituição civil. Com a aquisição de contornos urbanos, resultante do desenvolvimento do comércio e do setor produtivo local, a comunidade requereu inutilmente, durante anos, a elevação do arraial à categoria de Vila. O município só foi criado em 1911, em 30 de agosto, que o desmembrou de Santo Antônio do Monte. A Vila foi efetivamente instalada em 1º de junho de 1912, contando com dois distritos: Bom Despacho e Engenho do Ribeiro.

Segundo IBGE, em 2010 a população de Bom Despacho era de 45.624 habitantes.


Fontes :





Um comentário:

  1. Bacana, Dênio! É importante abrir o espaço para homenagear essas duas cidades que são "filhas" de Pitangui.
    Abraço.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.