Seguidores

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

A Igreja dos Mota – 1ª Igreja do centro-oeste mineiro

Nesta postagem apresentamos mais um belo trabalho de pesquisa de nosso amigo e colaborador, Vandeir Santos.Leia o artigo abaixo e se surpreenda com o que ele nos revela.

-----------------------------------------



Em seu livro A História de Pitangui, pág. 85 – Capítulo XXV – AS QUATRO IGREJAS MATRIZES (1ª E 2ª) – PRIMEIRA MATRIZ PROVISÓRIA – Monsenhor Vicente Soares nos descreve o seguinte:

“São Gonçalo do Mota, eis a primeira igreja construída em terra pitanguiense algum tempo antes ou depois de 1703, ano da criação desta paróquia. E assim sendo, a a capela local de Peçanha foi edificada mais tarde, no alto do Batatal, em 1720, pelo bandeirante paulista Capitão José de Campos Bicudo, sogro do Velho da Taipa.

A capela de São Gonçalo dos Mota serviu de primeira matriz provisória, por uns 12 anos, antes da criação da Vila, o que ocorreu aos 9 de junho de 1715. Ao que consta, tal Vila Distrital foi instalada ali mesmo nos Mota, em caráter provisório, enquanto se construía casa própria no centro da aldeia...Mota foi o cenário da batalha-motim do quinto do ouro. Fica à margem direita do Rio São João, e aquém de Sant’Ana do Onça, onde também era intensa a cata do ouro.

Contavam os antigos que a Matriz do Mota era regular, rodeada de cemitério, com patrimônio em terras e capelão transitório. Antes do ano de 1748, o Padre Bernardo Rabelo fora nomeado e provisionado Capelão de São Gonçalo do Mota, de Pitangui. (História da Arq. de Mariana). Até hoje se encontram no Mota vestígios da igreja e de casas circunvizinhas, entre minas velhas abandonadas. Hoje, no local, na faixa marginal entre o Rio São João e a estrada rodoviária, estão situados sítio e pomar do Dr. José Maria de Carvalho.”

19º43’25.0” S e 44º50’51.1” O – Estas são as coordenadas de localização da igreja dos Mota, mas engana-se quem achar que ainda existem os vestígios dos quais nos falou o Monsenhor nos fins da década de 1950. Pitangui perdeu mais um pouco de sua história, o alicerce de 300 anos foi destruído pela lâmina do trator do Sr. Newton Cardoso !


Foto: Vandeir Santos

Na segunda, 4/7/11, eu e Marcos Barrica solicitamos ajuda a Sra. Silvanya Araújo, moradora do Brumado que nos apresentou ao Sr. Antônio Augusto de Faria, o Buzina, nascido e criado naquela região e conhecedor do local da igreja. Ela se situava onde posteriormente o trajeto da ferrovia formou uma alça, a cerca de 300 metros do trevo da portaria da fazenda Rio Rancho. Segundo Buzina, ela era retangular e tinha, mais ou menos, uns 8 metros de comprimento por uns 4 de largura, o alicerce era largo, com quase um metro, feito com “pedra-jacaré” e ficava “no sentido da fazenda do Newton”. Nos conta que quando levava comida para o pessoal que estava roçando na capela – assim os antigos chamavam o local – todos se sentavam no alicerce e almoçavam ali. Ele ainda nos deu informações muito interessantes, a “estrada carreira” (Estrada Real) passava uns 100 metros abaixo, antes da atual rodovia BR 352 e que a ferrovia cortou o cemitério ao meio. Quando o terreno foi planado, o trator jogou o alicerce em uma vala de mineração existente no sentido oposto ao da estrada, ou seja, a igreja tinha a sua frente voltada para a Estrada Real e o cemitério a sua direita. Este cemitério, além de ser o primeiro de Pitangui, muito provavelmente foi o local de sepultamento dos mortos no motim de 1720, o qual ocorreu a cerca de 4,5 quilômetros dali. Mas esta parte da história também se perdeu sob o trator.

Foto: Vandeir Santos
A única coisa que lembra a igreja são umas poucas pedras-jacaré que ficaram afloradas no solo. O uso do detector de metais foi em vão, pois a lâmina do trator cortou fundo para que o volume removido tampasse a vala de mineração que existia na parte de trás da capela.

Fica a sugestão para que nos 300 anos o local seja estruturado para uma missa ou mesmo que se recolham as poucas pedras que restaram para que se faça um pequeno altar em um outro local. É importante que a capela não seja totalmente esquecida, embora esteja totalmente destruída.


Vandeir Santos

2 comentários:

  1. Ótima postagem e sugestão Vandeir!!! Obrigado pelas pesquisas sempre bem elaboradas. Meus tios gostaram bastante da pesquisa e agradeceram!

    ResponderExcluir
  2. O texto é bastante interessante e parece apresentar bons embasamentos. O Vandeir nos apresenta boas pesquisas!

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.