Seguidores

domingo, 20 de novembro de 2011

Carta Patente da Guarda Nacional

Nesta postagem apresentamos um documento histórico, uma carta patente da Guarda Nacional, ou seja, uma catra nomendo alguém par assumir uma patente dentro dos quadros da referida guarda. A carta patente em questão encontra-se nos arquivos do Histituto Histórico de Pitangui e a foto da mesma nos foi enviada pelo Vandeir Santos.
A respeito da Guarda Nacuinal, cabe lembrar que foi criada em 1831,logo no início do período regencial (1831-1840) com a intenção de "servir de sentinela a constituição jurada" e manter a ordem no império, naquele momento histórico, vivendo graves tensões políticas e sociais.
A carta patente reproduzida nesta postagem foi concedida mediante pagamento, ao senhor Zacharias Fernandes, então, residente em Pitangui. Aliás, andando pela cidade podemos observar inúmeras ruas com nomes de tenentes, majores coronéis ligados a famílias tradicionais do município, sinal que muitas cartas patentes foram compradas naquela época. A patente militar ampliava ainda mais o poder político destes grupos sociais dominantes.




"Os membros da Guarda eram recrutados entre os cidadãos com renda anual superior a 200 mil réis nas grandes cidades, e 100 mil réis nas demais regiões. Era vista por seus idealizadores como o instrumento apto para a garantia da segurança e da ordem, vale dizer, para a manutenção do espaço da liberdade entre os limites da tirania e da anarquia. Tinha como finalidade defender a Constituição, a liberdade, a independência e a integridade do Império, mantendo a obediência às leis, conservando a ordem e a tranquilidade pública.

A Guarda Nacional tinha forte base municipal e altíssimo grau de politização. A sua organização se baseava nas elites políticas locais, pois eram elas que formavam ou dirigiam o Corpo de Guardas e, ao mesmo tempo, demostrava a falta de confiança do governo na fidelidade do Exército. A posição das tropas, participando das lutas políticas e posicionando-se pela volta de D. Pedro I, no caso da oficialidade, e reivindicando por melhores soldos e mostrando-se contra as discriminações racial e social, no caso das patentes mais baixas, tornavam-na suspeita para garantir a ordem no país."


FONTE:





3 comentários:

  1. Boa postagem professor! Um documento raro, contextualizado com informações bastante esclarecedoras.

    ResponderExcluir
  2. Oi Léo,
    méritos ao Vandeir, que garimpou esta pérola no arquivo do Instituto Histórico.
    Abraço.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.