Seguidores

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Geografia Histórica da Capitania de Minas Gerais por José Joaquim da Rocha

"Geografia Histórica da Capitânia de Minas Gerais", de José Joaquim da Rocha faz parte da coleção Mineiriana, série Clássicos,publicado pela Fundação João Pinheiro em 1995. Esta obra reune escritos de José Joaquim da Rocha produzidos no último quartel do século XVIII, são informações geográficas do território mineiro, além da narrativa de levantes ocorridos nas Minas Gerais entre 1780 e 1783 e, ainda discorre sobre a descoberta das minas, fundação das primeiras vilas, as diversas administrações desde então e a situação das comarcas então existentes. Nesta edição há um estudo crítico da obra feito por Maria Efigênia de Resende e Rita de Cássioa Marques.Os escritos do autor, quase obscuro, são importantes documentos sobre a ocupação das Minas Gerais.



Os escritos de José Joaquim da Rocha sobre as primeiras vilas da região das Minas Gerais trazem informações sobre Pitangui, que reproduziremos abaixo:


__________________________________

PITANGUI

Criou mais o Governador D. Brás Baltazar da Silveira a Vila de Pitangui, situada nas vizinhanças do sertão, ao noroeste da Vila do Sabará em 331º15' de longitude e 19º21' de latitude, em terreno bastantemente fértil de peixe, caça, gados e tudo o mais de que se necessita para o sustento da vila. Na vizinha[nça] desta, tem muitas fazendas de gado vacum, que não só fornecem de carne à mesma vila, mas ainda as [de] mais capitanias e suas povoações. As lavras deste continente foram bastantemente nomeadas e com especialidade, uma mina, que chegou a ser recomendada pelo príncipe ao Governador D. Brás Baltazar da Silveira, de quem falamos, por haverem desordens sobre preferências ma extração da quantidade de ouro que daquela mina tirava, por cuja causa chegaram a haver levantes e se seguirem mortes tiranamente feitas. Os primeiros povoadores deste continente foram paulistas, os mais bárbaros que se criaram na Capitania de São Paulo, dentre os quais foi Domingos Rodrigues do Prado, que tinha por devoção mandar matar ainda aqueles que não o ofendiam, assim como fez a Manoel Figueiredo Mascarenhas, sendo juiz ordinário de Pitangui, no ano de 1720, mandando-lhe aquele pedir umas armas de fogo, que o dito juiz tinha, por modo de empréstimo; e depois, que as apanhou em seu poder, o demandou em casa e o fez matar pelos seus escravos. O mesmo fez a um João Lobo, que, fixando-se em casa para escapar da morte, não foi bastante, pois aquele lhe mandou desfazer e o despedaçou.
Não nos foi possível saber quem foram os primeiros descobridores dessas minas de Pitangui, e menos os primeiros juízes e vereadores que serviram na Câmara desta vila, em razão de não haver nos seus monumentos clareza de que nos pudéssemos valer, por se ter perdido o primeiro livro de registro das ordens de sua criação e somente nos consta de um manuscrito, por André Moreira, ter sido criada pelo Governador D. Brás Baltazar da Silveira e[m] 1715.
Tem a vila de Pitangui uma freguesia de Nossa Senhora do Pilar, um vigário colado e também é de grande rendimento para este, entrado no número dos bons benefícios das Minas, tem vigário da vara, provido pelo EXmo. e Revmo. Bispo de Mariana, tem um escrivão das guias do ouro, que se conduz daquela vila para a Intendência  e Casa de Fundição de Sabará.
Do termo desta Vila sai imensidade de carregações de toucinho, embarcadas em canoas que descem pelo Rio Pará e vão sair no Rio de São Francisco e [a]portar em várias povoações que se acham nas margens deste mesmo rio, onde por avultado preço o vendem a negociantes. As aguardentes de cana, que se fazem nas vizinhanças de Pitangui, são as mais nomeadas em todas as Minas e a de que usam a maior parte dos seus povoadores. Igual singularidade tem o açúcar, fabricado nos mesmos engenhos e conduzidos por vários negociantes que costumam vendê-lo pelas comarcas vizinhas. [¹¹ª]


[¹¹ª] Ms RBA - acréscimo: "O rendimento da Comarca (sic) de Pitangui é bastante diminuto que apenas chega por ano a um conto e duzentos mil réis, que se despende no mesmo termo com as despesas da mesma Câmara. Há nesta Vila um escrivão das guias de ouro que se extrai naquele termo e dele conduz debaixo das mesmas guias para a fundição do Sabará, onde se funde e o de toda a comarca, tirando-se o quinto para Sua Majestade. Esse escrivão tem de ordenado por ano, pago pela Real Fazenda 300$000 [rs], que vão incluídos e declarados na despesa da intendência dessa comarca. É provido este lugar pelos Exmos. Generais desta capitania, assim como são todos os demais das intendências e fiéis dos registros."


FONTE:
ROCHA, José Joaquim da. Geografia histórica da Capitania de Minas Gerais. Descrição geográfica, topográfica, histórica e política da Capitania de Minas Gerais. Memória histórica da Capitania de Minas Gerais/José Joaquim da Rocha; estudo crítico: Maria Efigênia Lage de Resende e Rita de Cássia Marques. Belo Horizonte:Fundação João Pinheiro, Centro de Estudos Históricos e Culturais, p. 117-118,1995.  



quinta-feira, 29 de setembro de 2011

MFC 1987


Na imagem de hoje divulgamos o IX Encontro de Casais promovido pelo Movimento Familiar Cristão (Paróquia NSP) no ano de 1987 na EEMAO. Mais um acontecimento da história recente de Pitangui. Destaque para o Sô Zé Emídio (na mureta esqueda). Já identificou algum conhecido?

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Um giro pela Penha

Fotos: Leonardo Morato.

Na segunda quinzena do mês de agosto, de férias em Pitangui, resolvemos fazer uma caminhada antes do almoço, para aproveitar o tempo ocioso e, ao mesmo tempo apreciar um local na cidade, onde a história parece ser mais aguçada: a Penha.



Seguindo pela Rua Floriano Peixoto (rua da Mina da Lavagem), subimos a Rua Rodolfo Cecílio (paralela ao Morro do Batatal) onde foi possível apreciar alguns exemplares do casario histórico.



À medida em que subíamos a rua, novos ângulos sobre a serra da Cruz do Monte surgiam entre árvores, antenas e telhados.



Eis que chega a Praça dos Bandeirantes, com a bela capela de Santo Antônio e de N.S. da Penha; a suposta primera casa da cidade; e todo aquele bucolismo de um dia nublado em Pitangui.

Após uma visita ao interior da capela, ficamos por uns instantes do lado de fora e um fato chamou atenção. Um morador que estava na praça veio ao nosso encontro e começou a explicar, com entusiasmo, sobre a história da capela, da Penha, da cidade e esticamos uma prosa.



É muito interessante perceber essas características de grande parte dos pitanguienses (nascidos ou por opção), a receptividade e o orgulho em falar sobre a sua terra. E com o advento de grandes acontecimentos (Copa das Confederações, Copa do Mundo e as Olimpíadas) para os quais as cidades estão se mobilizando para receber as seleções e os turistas, treinar e capacitar as pessoas é fundamental. A capacitação por meio de um curso de Guia de Turismo Regional, por exemplo, pode gerar opção de trabalho, renda ao mesmo tempo em que proporciona informações de qualidade aos visitantes. (Dica: alguns cursos afins podem ser feitos através do CVT).



A matéria-prima nós temos (história, cultura, atrativos naturais, música, esporte, gastronomia, etc), e algumas boas iniciativas vem sendo promovidas nesta direção, mas se quisermos obter maiores resultados neste filão, é preciso acelerar o passo e somar forças (Poderes do Município, empresariado e sociedade) pois o Turismo é uma rede de serviços e quanto mais gente integrada, melhor. E Pitangui tem um motivo a mais para desenvolver o Turismo: os seus 300 anos em 2015.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

As queimadas em Pitangui


Recentemente fizemos
duas postagens aqui no blog, abordando sobre as queimadas que estão destruindo as nossas serras, matas e animais silvestres. No sábado dia 24, em todo canto da cidade via-se e respirava-se fumaça pois a serra continuava queimando. Sem apontar culpados, colocamos o assunto novamente em evidência para que possamos pensar em uma forma de acabar de vez com esses incêndios criminosos.


É preciso focar na conscientização e em ações preventivas, ou seja, na educação ambiental, pois em breve veem as chuvas, as queimadas acabam mas os estragos ambientais ficam e, se nada for feito, no ano que vem acontece de novo. Pouco a pouco as matas de Pitangui estão diminuindo e a serra está cada vez mais "pelada". Será que o reflorestamento (com mudas de espécies nativas) pode ser uma solução a médio prazo? Será que uma parceria do poder público com as grandes empresas de Pitangui, poderia viabiliar essa iniciativa? Deixamos aqui esta sugestão.





"Não herdamos a natureza de nossos avós, mas sim a tomamos emprestada dos nossos netos".

Ao final desta postagem assista ao vídeo com a música Xote Ecológico, de Luiz Gonzaga.


Fotos: Leonardo Morato.


domingo, 25 de setembro de 2011

Verinho & Sônia - Rumo aos 50!!!

Recém casados (25/9/1965).



Com alegria e satisfação, o Blog Daqui de Pitangui parabeniza o simpático casal Sônia & Verinho, pelo quadragésimo sexto aniversário de casamento! Muitas felicidades, harmonia, amor, paz e muita saúde (com direito a cerveja e paçoca de carne) é o que lhes desejamos hoje, rumo aos 50 anos de casados, nos 300 anos de Pitangui!!!




Verinho & Sônia.


A edição nº 36 do M.P. noticiou o Enlace.









Nesta postagem especial, fica aqui nosso abraço em nome dos filhos Aninha, Dênio, Ricardo e da grande família Caldas-Rodrigues.




Sônia & Verinho, na "sede recreativa" do DaquidePitangui.

sábado, 24 de setembro de 2011

Pedaladas:uma das alternativas saudáveis de lazer

A Magrela
No sábado, 10 de setembro, sai cedo para mais uma tradicional pedalada até Conceição do Pará e apreveitei para fazer algumas fotos, que apresento nesta postagem.


Há muito tempo gostava de acampar e me deparei com esta barraca às margens do rio Pará. Bateu uma saudade...rsrsrsr....É muito legal a prática do camping.



"Embora no estradão
pé firme no pedal
e a cabeça onde você quiser
Mas olhe sempre em frente
pois o cascalho solto pode te derrubar
pé firme no pedal"



Como se pode perceber há muitas possibilidades de se divertir e praticar esporte em Pitangui e vizinhança, basta ter um pouco de ânimo e espírito aventureiro.



E AS QUEIMADAS NA SERRA, HEIN GENTE!?

Vou aproveitar esta postagem para convidar os nossos visitantes, principalmente aqueles que residem em Pitangui, para uma reflexão sobre os incêndios que devastam as nossas matas, desde o domingo passado, 18 de setembro. A umidade do ar anda baixa e com a fumaça o clima fica ainda pior comprometendo a qualidade de vida da população, além de aumentar os problemas de saúde.
O fogo queima há dias e não temos uma guarnição do Corpo de Bombeiros em nossa cidade. Também não existe uma brigada municipal treinada para combater estes incêndios. Penso que os responsáveis pela gestão municipal do Meio Ambiente precisam mostar serviço. Os habitantes da cidade, que se preocupam com este problema estão ligando para o Corpo de Bombeiros, mas uma pergunta fica no ar: o orgão que cuida da gestão ambiental do município, ciente deste problema, pois ele ocorre sempre na temporada da estiagem, não trabalha projetos preventivos?
E ainda tem a Polícia Ambiental, que poderia ser acionada nesta época do ano, a presença policial inibe os promotores de incêndios nas matas, ou não? Será que ninguém ainda pensou nisto?
Outra questão deve ser pensada: a iniciativa pública e privada buscando demonstrar "Consciência Ecológica" promovem eventos pseudos educativos ligados à questão ambiental. Meus amigos, como podemos educar pessoas com eventos que acontecem uma vez no ano, geralmente próximo ao "Dia da Árvore"?
A gente educa é no dia-a-dia, na perseverança das ideias.Todas as escolas do município promovem projetos que duram, quando muito, uma semana, depois os professores se envolvem com outros projetos (o mundo ainda vai acabar em projetos) e a educação ambiental vai para a gaveta e de lá é retirada no próximo ano para mais um projeto na semana do "Dia da Árvore" ou nas "Feiras de Cultura". Há uma falha nesta forma de educar e ela deve ser corrigida por aqueles que estão à frente da gestão dos estabelecimentos de ensino.E parece que eles ainda não perceberam isso.
E nós, os cidadãos comuns? Estamos nos mobilizando para que este problema seja evitado? Você conversa com seus filhos sobre a questão ambiental? Não jogar lixo na rua, economizar água, promover a separação do lixo para a reciclagem, não ouvir música muito alta nos veículos, não promover incêndios florestais,não varrer o o lixo para dentro dos bueiros,entre outras coisas, também fazem parte da educação ambiental. Como afirmei antes, a educação ocorre no dia-a-dia e também é responsabilidade das famílias. Aliás, se as famílias fizerem sua parte bem feita, as escolas conseguirão motivar mais seus alunos sobre estas e outras questões que afetam a sociedade contemporânea.
Sei que em breve sirgirão comentários por aqui, uns afirmando que a culpa é do prefeito, outros dizendo que a culpa é dos vereadores. E acusa dali e acusa daqui,mas ninguém toma providência. Na verdade, todos nós temos uma parcela de culpa,pois muitas vezes somos omissos, sabemos quem promove os incêndios e não os denunciamos à polícia ou à promotoria pública.
Bem, como salientei no início deste artigo, este é um convite à reflexão, é preciso pensar e agir visando o bem estar da coletividade. Aqui é a nossa casa e precisamos cuidar muito bem dela.


sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Fatos e amigos do Cabrito

Mostraremos aqui no blog, a seção “Amigos e Fatos do Cabrito”, que é veiculado no jornal pitanguiense “O Tangará”, desde 2004. A matéria que reproduziremos, foi veiculada no jornal em junho daquele ano.






O açougue do Nogueira é um lugar bem frenquentado,
lá se vende de tudo ... Piranha, calango e lagarto

Ao lado o Donizete, que conserta televisão,
A toda hora chega freguês, mas ele nunca está não

E o meu amigo Samuel que é músico muito bom,
e não é de fazer besteira, só chega às seis da manhã
pois trabalha na terceira

O Dr Ademir é um amigo ajeitado
apesar de cruzeirense, não tem nada de viado

E o Dr Alcides é outro que eu abraço
e sabem porquê ? O mestre é um perigo
é campeão de caratê




Estes são meus vizinhos, a quem quero muito bem,




só que no julgamento final não tem salva pra ninguém




O escritos nos foi autorziado a postá-los pelo autor, Welington Lima - Cabrito





ôh Babaca, dá um time !

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Violões de Pitangui!!!



Mostramos mais um pouco do talento dos músicos pitanguienses, hoje representados no violão do Fabinho Freitas. Trata-se de encontros de amigos (duas farras danadas de boas) eternizados em vídeo, que retratam muito bem o alto astral da família Freitas. As músicas relembram um dos maiores (quiça o maior) períodos de criação musical em Pitangui: Prof Reinaldo, William Santiago, Ricardo Nazar, JoNba... O Pitaculta.




Tivemos o prazer de participar desta 2ª celebração (da amizade, boa música, da vida) realizado no carnaval 2011 e ficamos bastante a vontade!!! O Fábio está agora nos "States" e deve estar relembrando com a gente. Boa sorte aí parceiro!

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

As queimadas em volta de Pitangui

Durante o mês de agosto e nas primeiras semanas de setembro o número de queimadas no município de Pitangui surpreendeu ficando nítido o aumento dos incêndios florestais, que além dos danos ambientais, também provocam prejuízos a muitas pessoas, tanto no perímetro urbano, como no meio rural.
E este problema vem se agravando a cada ano, as estradas se tornam mais perigosas, o ar fica insuportável e os problemas de saúde se agravam. 


A fumaça das queimadas sobre Pitangui

Não podemos jogar este problema só nas costas dos orgãos ambientais, a população também precisa colaborar, não promovendo as queimadas e denunciado quem as promove. Nos últimos dias o clima seco ficou ainda pior com o volume de fumaça sobre Pitangui. No dia 10 de setembro, sábado, pude fazer o registro fotográfico acima, onde podemos perceber como era intensa a fumaça sobre a cidade.
Será que ainda existem pessoas que não acreditam em aquecimento global ou que a humanidade está vivendo um momento crítico de sua existência? Vamos nos educar, caros pitanguienses, se todos fizerem sua parte teremos mais qualidade de vida.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Outros olhares - Matriz de Nossa Senhora do Pilar

Recebemos duas fotografias dos nossos colaboradores que focaram a Matriz de Nossa Senhora do Pilar. Detalhe, as duas foram clicadas dentro do casarão do Monsenhor Vicente, que está sendo reformado.



Foto : Ricardo Caldas




Foto : Charles Ishimoto



Desde já, agradecemos aos colaboradores Ricardo Caldas e Charles Ishimoto,
pelas fotografias cedidas para esta postagem.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Inauguração do "Grupo da Zulma"

Na postagem de hoje apresentaremos mais uma raridade que nossa amiga Edilma Aguiar nos enviou. Trata-se de uma foto dos festejos de inauguração da escola "Jacinto Álvares", no Lavrado, também conhecido como "Grupo da Zulma", em 1972.
A inauguração se deu no dia em que Pitangui completava 257 anos e contou com a presença do então governador do estado, Rondon Pacheco. Na foto, alunas que pertenciam a um grupo de balé fazem uma apresentação no pátio da escola.


A Edilma Aguiar nos forneceu o nome das alunas da foto, confira:

Ao fundo:
esquerda - Regina Souza (Jade Enxovais)
direita - Elizete Ferreira ( filha do Caieira)

À frente:
esquerda - Rosa Lacerda
direita - Edilma Aguiar



domingo, 18 de setembro de 2011

Rua Pitangui - Belo Horizonte


Praça Irajá, iniciando a Rua com o número 11

Inauguramos hoje uma seção no blog, onde mostraremos as Ruas que levam o nome Pitangui, pelo Brasil afora. A primeira, é a Rua Pitangui de Belo Horizonte, que começa na Praça Irajá, mais conhecida por Praça do Peixe no bairro Concórdia, passa próximo aos bairros da Graça, do bairro Colégio Batista e tem maior parte de sua longa extensão no bairro Sagrada Família, findando no bairro Horto. Curta um pouco dessa importante Rua belorizontina, que faz cruzamento com importantes vias municipais, como a Av. Cristiano Machado e que tem muita história para contar.


Cruzamento com a Rua Joazeiro, ainda no bairro Concórdia.


Cruzamento com a Av. Cristiano Machado.

Cruzamento com a Rua Jacuí.


Cruzamento com a Av. Silviano Brandão.

Cruzamento com a Rua Itajubá.




O Estádio Raimundo Sampaio, popular Independência também está localizado na Rua Pitangui. Aos atleticanos, cruzeirenses e americanos de plantão, conforme previsão do Governo do Estado de que as reformas ficariam prontas até o final de 2011, terão que esperar pelo menos até o meio do ano que vem !!!



A Rua Pitangui finda-se no cruzamento com a Av. Silviano Brandão, próximo ao Galpão Cine Horto, no bairro Horto.

Quem tiver mais informações sobre outras ruas, localidades ou fatos que evidenciam Pitangui, mande um e-mail para o Blog que a contribuição será muito bem vinda.

sábado, 17 de setembro de 2011

Clique Turismo Pitangui


A Secretaria de Cultura de Pitangui está promovendo o 1º Clique Turismo Pitangui, um concurso de fotografias sobre a nossa cidade. A ideia é lançar um olhar cultural e ambiental sobre a 7ª Vila de Minas, divulgando-a sob um enfoque turístico, valorizando o nosso patrimônio. Ou seja, os fotografos amadores e os alunos da rede pública de ensino podem mostrar o seu talento, fotografando os aspectos arquitetônicos, naturais e histórico culturais do município, vale a criatividade. As inscrições encerram-se na segunda-feira dia 19. Eu já mandei as minhas fotos, participe você também, ainda há tempo! Confira o regulamento e obtenha maiores informações no site da prefeitura: www.pitangui.mg.gov.br

O blog Daqui de Pitangui apoia as iniciativas em prol da cultura! Participe!

Nesta vasta paisagem, há milhares de possibilidades. Fotografe!
(Panorâmica da cidade, na serra da Cruz do Monte. Foto: Léo Morato)

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Evento cultural no centro de Pitangui

Na manhã do último dia 3 de setembro, sábado, percorrendo o centro de Pitangui deparei-me com o "Dia Cultural na Praça", evento promovido pela prefeitura de Pitangui. Os `cânticos da Folia de Reis me atraiu e para minha surpresa, além desta tradicional manifestação cultural encontrei escritores pitanguienses e/ou com laços familiares na cidade expondo suas obras, além de uma mostra do artesanato local. Aproveitei para adquirir alguns livros para minha "Biblioteca Pitanguiense"



Grupo de Folia de Reis
Na ocasião, pude me encontrar com a Senhora Amália Rocha Mendes, mãe do atual prefeito do município, Evandro Rocha Mendes, quando agradeci aos livros que ela presenteou aos  mentores do blog "Daqui de Pitangui". A escritora estava no evento lançando seu último livro "Pitangui, lembranças de uma cidade feliz", obra que tivemos a oportunidade de divulgar por aqui.

Daesquerda para a direita:
Sra. Amália Rocha Mendes, Licínio Filho e Dona Zulma
Pude fazer contato com outros escritores pitanguienses e adquirir algumas obras dos mesmos, que em breve divulgaremos em nossas postagens. Aguardem.

O consagrado artista plástico Heneno Nunes

Outra figura extraordinária que marcou presença no evento cultural foi o artista plástico Heleno Nunes, que veio assinar a restauração que fez do mural de sua autoria localizado próximo à biblioteca municipal. O artista também agraciou os presentes com desenhos retratando os visitantes. Eu não perdi a oportunidade de ter um retrato desenhado pelo grande artista plástico, que em breve estará nas paredes de minha casa.
Parabenizamos os promotores do evento,pois, toda ação para divulgar e valorizar a cultura pitanguiense merece o nosso apoio. 

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Resquícios da pré-história em Pitangui


Foto: Vandeir Santos.

Em Pitangui encontramos alguns exemplares do período pré-histórico. Entre eles podemos citar o passeio de uma residência situada na Rua Major Bahia, cujo revestimento é feito com pedras que apresentam traços fossilizados de plantas que existiram há milhões de anos.


Foto: Vandeir Santos.

Nascendo junto a algum curso d’água, estas plantas sofreram um processo de cobertura por lama que posteriormente se solidificou e se transformou em rocha metafórmica, muito utilizada para fins decorativos pela construção civil. Ao serem laminadas e posteriormente cortadas, trazem à luz do dia a planta que um dia foi coberta.

Foto: Vandeir Santos.

Nas ruas de Pitangui existem exemplos tanto em quartzito chamado pedra rio verde quanto em chapas de ardósia como a encontrada na casa do Léo Morato, componente deste blog. Esta última peça apresenta-se com uma importância maior por se tratar de um produto mineral muito abundante na região próxima a Pitangui e embora sejam geologicamente muito antigas as ardósias brasileiras apresentam-se com pouco conteúdo fossilífero (fonte: Dicionário Livre de Geociências).


Foto: Vandeir Santos.

Ainda como exemplo, temos uma casa da rua Dr. Vicente Soares onde reside o Sr. José Alves de Vasconcelos, o Zé do Quelé, que apresenta no seu revestimento da fachada uma pedra que também contém uma planta fossilizada. Embora estas pedras não tenham sua extração realizada em nosso município, fica para os pitanguienses mais uma oportunidade de conhecer alguns representantes (as pedras fossilizadas) do nosso tão distante passado.

Vandeir Alves dos Santos

Nos seus 300 anos, as histórias e estradas de Pitangui também são Reais.




Foto: Léo Morato.
MAKING OFF: Vandeir Santos em mais um trabalho de campo, fotografando as pedras fossilizadas de Pitangui.

O Blog Daqui de Pitangui agradece ao Vandeir por mais essa pesquisa, dedicando tempo e trabalho ao resgate histórico de Pitangui.