Seguidores

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Fatos & Boatos sobre os "Tesouros" de Pitangui - Parte 2.3

Nesta postagem, Vndeir Santos nos apresenta a última parte da matéria sobre a presença de geólogos alemães e brasileiros, em Pitangui, na primeira metade da década de 1970.


-------------------------------------

Um dos boatos que mais se ouve a respeito dos trabalhos realizados pela CPRM em Pitangui é a argumentação dos técnicos alemães a respeito da saúde da população tendo em vista a ocorrência de material radioativo na região. Considerando que os pitanguienses exageram um pouco em seus comentários, aproveitei para me certificar do que realmente é fato nesta história.

Foi detectado material radioativo no município de Pitangui ? Sim ! Mas em nenhum relatório está escrito que o material estivesse debaixo do perímetro urbano da cidade e que isto poderia afetar a saúde dos pitanguienses, as análises nos levam para as áreas que se encontram na zona rural da cidade conforme veremos adiante.

Por se tratar de assunto delicado trabalharemos com a transcrição integral dos relatórios da CPRM.



Fonte: Detalhamento aerogeofísico por helicóptero – Área de Pitangui – Minas Gerais – Págs 86 e 87 – CPRM

Cabe aqui uma observação pessoal, o ribeirão do Campo Grande não deságua no rio Pará próximo ao Velho da Taipa e sim o ribeirão do Lavapés que nasce na encosta da Cruz do Monte, passa atrás dos bairros da Penha e Morada do Sol, atravessa a BR 352 no fim do perímetro urbano da cidade e deságua no Pará atrás da Siderpita. Deve ter havido algum engano por parte dos técnicos na descrição do trajeto do ribeirão de Campo Grande, que deságua no Pará a mais de 7 km depois do Velho da Taipa.

Alguns cidadãos, cientes de minha pesquisa, já haviam me perguntado a respeito da ocorrência de Urânio no povoado de Campo Grande, provavelmente os alemães devem ter feito algum comentário a respeito, e ao perguntar minha mãe (que é da região) ela me veio com mais uma pérola do imaginário popular. O Urânio foi encontrado no “pedregulho vermelho” nas terras do Zé do Roque e seria o responsável pela ocorrência de hanseníase na família do tal sujeito, esta informação teria sido confirmada por um médico chamado Dr. Adolfo que mensalmente visitava os arredores do município. Pelo visto alguns boatos pitanguienses chegaram a ter respaldo acadêmico. Não foi encontrado nenhum relatório que fornecesse maiores detalhes sobre a ocorrência de material radioativo ao longo do ribeirão do Campo Grande.

As maiores concentrações de material radioativo, Urânio e Tório, foram encontradas na Serra dos Pires e de Pequi que separam Pitangui do município de Pequi e também na Serra da Fábrica e Serra Grande que separam Onça do Pitangui de Pará de Minas e São José da Varginha.



Fonte: Ocorrências de conglomerados radioativos em Serra Grande – Onça do Pitangui, MG. Página 1 – CPRM

Segue abaixo, mapa com a localização das serras:

Fonte: Ocorrências de conglomerados radioativos em Serra Grande – Onça do Pitangui, MG. Anexo 2 – CPRM


Quadros com resultado das análises feitas em amostras das quatro serras:

Fonte: Ocorrências de conglomerados radioativos em Serra Grande – Onça do Pitangui, MG. Página 8 – CPRM

Fonte: Ocorrências de conglomerados radioativos em Serra Grande – Onça do Pitangui, MG. Página 9 – CPRM

Fonte: Ocorrências de conglomerados radioativos em Serra Grande – Onça do Pitangui, MG. Página 23 – CPRM
Legenda:
U3O8 – Urânio


ThO2 – Tório

TiO2 – Titânio

ZrO2 – Zircônio

As2O3 – Arsênio

CuO – Cobre

Au – Ouro



Ainda segundo o relatório, os poucos furos realizados nos conglomerados não permitiram uma avaliação precisa da quantidade de material radioativo nas serras, o que não possibilitou aos técnicos uma definição quanto a potencialidade econômica da exploração destes minerais.

As informações que estão contidas nas três partes deste trabalho,deverão, sempre que possível, constar nas referências que são feitas à Pitangui, além de um rico passado histórico a cidade possui uma grande variedade de minerais no subsolo que no futuro, com a evolução da tecnologia extrativista, podem vir a representar uma importante fonte de recursos para o município.






Vandeir Alves dos Santos

Nos seus 300 anos, as histórias e estradas de Pitangui também são Reais

5 comentários:

  1. Quanto à expressão: ... o que não possibilitou aos técnicos uma definição quanto a potencialidade econômica da exploração destes minerais... ficam as dúvidas: Por que não concluíram as pesquisas? Há alguma explicação ou comentário por parte da CPRM? Será que existem as conclusões, porém não divulgadas?
    Muito legal a matéria, vou pensar duas vezes antes de ir acampar novamente na Serra Grande.
    Erich Hanke

    ResponderExcluir
  2. Olá Erich,


    As prospecções foram feitas por determinação do CNEN que é o órgão responsável pelas pesquisas relativas a material radioativo, a CPRM não tem autonomia para realizar pesquisas nesta área, isto teria de partir do CNEN que na época não deve ter enxergado nenhuma viabilidade na exploração ou achou melhor deixar a região para ser melhor analisada no futuro. Posteriormente te passarei os relatórios completos.
    Um abraço,
    Vandeir

    ResponderExcluir
  3. Como sempre, mais uma bela contribuição do amigo Vandeir Jonnes! E como foi duro conseguir em Vandeir!

    Abraço amigo!

    ResponderExcluir
  4. Vandeir tem sido um excelente colaborador do blog. Este é um tema que realmente exige muita dedicação à pesquisa. Recentemente, produzi uma reportagem a respeito destes estudos sobre radiação em Pitangui para a revista 'Questões', da Fundação Educacional de Divinópolis, onde curso Jornalismo. Contei, inclusive, com importante ajuda do Vandeir, que me deu dicas de onde conseguir algumas informações essenciais e me cedeu algumas imagens. Caso alguém tenha interesse em lê-la, a publicação está (pelo menos até o momento em que escrevo este comentário) disponível em http://goo.gl/wJP7o. Caso não consiga acessar pelo endereço, envie-me um e-mail solicitando o PDF da revista: ricardowelbert@hotmail.com. Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Olá Vandeir!
    Pena que o nosso amigo Erick é medroso. Como ele gosta e é dessa região bem que poderia associar a voce nessas pesquisas.
    Parabéns. Grande abraço.
    PS - Quero continuar recebendo esses posts.

    Tieres

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.