Seguidores

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Cinema em Pitangui


Foto: Licínio Filho
 
Houve um tempo em que a população de Pitangui tinha uma ótima opção de lazer, as salas de exibições, que traziam a sétima arte à "Velha Serrana". O cine Pitangui, na Praça Governador Benedito Valadares ainda está na lembrança de muitos. O velho projetor se encontra no Arquivo Histórico de Pitangui, ainda com um filme, quem sabe, o último exibido na cidade.





Foto:Licínio Filho


14 comentários:

  1. O Arquivo Histórico de Pitangui possui um acervo riquíssimo. Acredito que a maior parte da população não sabe disso. É importante divulgarmos e incentivarmos as pessoas a conhecerem de perto esses recortes do passado, cujo acesso (ainda) é gratuito.

    ResponderExcluir
  2. Ricardo,
    o acervo é muito rico mesmo, um museu nos faz muita falta.

    ResponderExcluir
  3. O cinema, pelos casos que sempre escuto, foi uma coisa muito boa pra cidade. Televisão era algo ainda caro com suas novelas alienantes e todos aproveitavam pra ir mesmo ao cinema. Meu pai, o Juca, e o Tio Jonba têm casos muito engraçados dessa época. O Dimas da Eva professora de química, irmão do meu pai, era um capeta. O pessoal queria proibí-lo de entrar no cinema por causa do tanto que ele aprontava. Na época, um único filme possuía varias caixas com as bobinas separadas por parte do filme e aí o Tio Dimas, por várias vezes, entrou na sala do projetor e trocou as bobinas do filme de ordem dando uma confusão danada, no que o carinha do projetor chegava na janelinha da sala e gritava: "Se nao foi o fdp do Dimas nao foi mais ninguém". Não é a toa que queriam vê-lo longe de lá. Abs, Fabinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HAHAHA! Que história, hein, Fábio? Imagine se algum produtor de cinema alternativo topasse produzir algumas histórias com base em casos com este? Seria demais!

      Excluir
    2. Quem diria, hein Fábio? O Dimas, com aquela cara séria era o cão chupando manga...kkkk....

      Excluir
  4. Muito bom, Licínio! parabéns pela abordagem. Quantos clássicos do cinema este projetor deve ter reproduzido!

    ResponderExcluir
  5. Por falar em causos no cinema... tem um do saudoso Cambota, frequentador assíduo do Cine Pitangui. Ele já havia assistido um certo filme com a atriz Brigitte Bardot e sabia as cenas "de cór e saltiado". Em um dado momento do filme a atriz estava caminhanho, parava, olhava para trás e depois continuava a andar. O cinema estava lotado e o malandro do Cambota, gritou: "Ô Brigitte"! (a atriz olha para trás)e ele falou: "Nada não pode ir"! Aí a gargalhada foi geral no cinema...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ótima história,Léo,
      Depois quero que me conte mais detalhs.

      Excluir
  6. Parabéns ao pessoal do Blog por mais esta postagem sobre nossa história. Eu me lembro de assistir "Os Trapalhões" no nosso cinema.
    Uma boa notícia é que foi publicado no site oficial da Prefeitura o edital de restauração do museu.
    Acredito que em breve teremos totalmente recuperado o espaço onde poderemos oferecer aos pitanguienses e visitantes um local onde possam admirar relíquias com esta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Giovanni,
      frequentar um cinema é marcante na vida de todo mundo,né?
      ótima notícia você nos anuncia, espero que possamos ter um museu o mais rápido possível.

      Excluir
  7. O Cine Pitangui era muito famoso e lotado. Frequentava-o quase sempre, e adorava os filmes,cuja maioria se eternizaram na minha memória.Reconheço a qualidade de muitos filmes modernos e sou apaixonada por muitos deles, mas ainda vejo no cinema antigo um encanto maior, pois nos filmes antigos haviam mais delicadeza, histórias mais marcantes com mensagens emocionantes e inesquecíveis que realmente tocavam o coração de quem os assistiam. Tempos bons que não voltam mais...Como isso dá saudade...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Girlene,
      estas lembranças precisam ser registradas, fazem parte da história de Pitangui.
      Abraço.

      Excluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.