Seguidores

terça-feira, 19 de junho de 2012

Visitação às obras do Museu

Restauração do Prédio do Museu.
Fotos: Giovanni Pereira / Selma Assis.

Na última quarta-feira, dia 13, cumprindo a programação dos 297 anos de Pitangui aconteceram algumas visitas às obras em andamento no município. O Blog Daqui de Pitangui foi conferir de perto e esteve presente na visita às obras do prédio do museu. O edifício histórico é um belo exemplar da arquitetura colonial portuguesa, foi construído no fim do século XVIII e já teve importantes funções como, por exemplo, Casa de Câmara e Cadeia; sede da Prefeitura; Casa de Cultura abrigando o Museu Sacro, Museu da Imagem e do Som, o Arquivo judiciário de Pitangui; os Correios e  o Jornal Município de Pitangui.



Devido à ação do tempo e a provável falta de manutenções preventivas ao longo de décadas, o prédio se deteriorou e a estrutura ficou comprometida, portanto os bens materiais do museu, que estão sob a tutela do Instituto Histórico de Pitangui - IHP, precisaram ser transferidos provisoriamente, até que a sede seja restaurada e esteja em plenas condições para abrigar o acervo. Vale ressaltar que um valioso trabalho de recuperação do patrimônio (peças sacras e documentos raros) está sendo realizado pelo IHP em uma parceria com a Fundação Educacional de Divinópolis FUNEDI /UEMG e a SAP – Sociedade dos Amigos de Pitangui.

Ideias em prol de Pitangui.

Para a visitação ao prédio colonial, o grupo (composto por representantes da Prefeitura e da sociedade civil) se reuniu às 9 horas para conferir as obras que, nesta etapa trata da recuperação estrutural (fundações, paredes, assoalho, parte hidráulica e elétrica), sob a responsabilidade da empresa Viotti Engenharia que venceu a licitação para a obra.

 
Obras em andamento.

A imponente construção é tombada pelo IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e faz parte do núcleo histórico tombado em 2008 pelo IEPHA/MG – Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais. Caminhar pelas dependências do casarão é como voltar ao passado, à medida que observamos as técnicas de construção aplicadas nas paredes de pau-a-pique, portais e no telhado e, ao imaginarmos quantas decisões importantes foram despachados no casarão ao longo dos séculos.

 
Explanações sobre  o restauro.

Durante a visitação o prefeito e arquiteto Evandro Mendes falou sobre os detalhes da obra, visando a melhor adequação e utilização do espaço como: aproveitamento do porão para reuniões, lançamento de livros e comercialização do artesanato local; instalação de um elevador para favorecer o deslocamento e a acessibilidade. Mendes falou também que essa primeira etapa está sendo custeada com recursos próprios do município, na ordem de 250 mil reais e que a estimativa de custo para a restauração total do prédio é de 1 milhão de reais. E que a continuidade das obras dependerá da aprovação do projeto pelo IPHAN e de recursos financeiros como por exemplo: o PAC das Cidades Históricas ou emendas parlamentares.


 
O grupo da visitação à obra.

Pelo que pudemos presenciar o encontro não foi mera formalidade ou somente um cumprimento de protoloco. Uma proposta foi lançada pelo senhor Manoel Ricardo da Rocha Fiúza (atual presidente da SAP e do Conselho do Patrimônio Histórico de Pitangui), que foi bem recebida pelos presentes. Fiúza sugeriu o lançamento de uma campanha (sob a coordenação da SAP) para o levantamento de recursos financeiros destinados à conclusão da restauração do museu, por meio de doações. Algumas ações estão sendo planejadas e implementadas para maior divulgação do trabalho da SAP e para o lançamento desta campanha, em breve.


A fachada do prédio.

O blog Daqui de Pitangui apoia as iniciativas a favor da memória cultural, da preservação e do resgate histórico de Pitangui e reconhece os esforços para manter a nossa cultura de pé (literalmente). Entendemos que o valioso acervo histórico de Pitangui, mantido pelo Instituto Histórico de Pitangui é uma referência para historiadores de todo o Brasil. Portanto, o museu em funcionamento e devidamente equipado é essencial para uma cidade histórica como Pitangui, para manter vivas as nossas origens, para atrair visitantes e pesquisadores e, consequentemente para aquecer a economia da cidade. Com a união de esforços, os bons ventos soprarão constantemente sobre Pitangui, rumos aos 300 anos.

Leonardo Morato.

Fontes:
- Pesquisa in loco.
- Jornal O Tangará ano XII – nº CLXXV – abril de 2012, pág. 5.

5 comentários:

  1. Prezado Leonardo,
    Parabéns pela excelente reportagem.
    Foi um lance de mestre ao analisar a realidade com a qual nos deparamos naquela histórica visita: fez-nos passear pelo nosso passado pitanguiense, pisar o presente e nos lançarmos rumo certo ao futuro. Vamos divulgar!

    ResponderExcluir
  2. O charmoso casarão do "Museu Histórico de Pitangui"! Uma obra importante, valorizando ainda mais a cidade no cenário das cidades históricas! Uma obra planejada e sendo bem elaborada! Mais uma ótima inciativa da Prefeitura e que conta com a participação importante da populção por diversos meios!
    Estimular o meio privado e até mesmo a populçao é muito importante e interessante para manter e para ampliar o intuito histórico da cidade!
    E mais uma vez percebe-se o "Blog Daqui de Pitangui" como além de um meio de comunicação, uma "imprensa" presente e preocupada com Pitangui! E o mais legal, imparcial!
    Parabens a todos que fazem Pitangui crescer e ser visivel mundialmente!

    ResponderExcluir
  3. Obrigado, Leonardo, pela divulgação destas informações tão ricas e imagens tão bacanas. Como não pude comparecer à visita, adorei ficar sabendo por aqui como foi que tudo aconteceu. Concordo com o leitor Manoel Ricardo (primeiro comentário) na afirmação de que foi um "lance de mestre" analisar a realidade da visita que fez os presentes passearem pelo passado, pisarem o presente e perceberem o futuro. Em relação ao comentário seguinte, do amigo Ricardo Mendes (só deu Ricardo aqui, hein?), penso que se pode retirar as aspas que envolvem a palavra "imprensa", porque hoje este blog, que teve origem na iniciativa de amigos preocupados apenas em divulgar a cidade - e não em ganhar dinheiro, já fala muito mais sobre a cidade, sua história e seu povo do que, digamos, 70% da tradicional mídia pitanguiense, tão adepta ao capitalismo, clientelismo, politicismo, puxa-saquismo (entre outros "ismos", incluindo o negativismo).

    ResponderExcluir
  4. Pois é meus amigos, em se tratando de Pitangui, uma ação precisa ser constante: sinergia = somatório de esforços em prol do mesmo fim!

    ResponderExcluir
  5. Fico satisfeito em saber que há pessoas atentas e atuando para a recuperação do Museu Histórico de Pitangui.
    Um museu que fica fechado por muito tempo dificilmente é reaberto, e a cidade perde um pedaço de sua alma.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.