Seguidores

quarta-feira, 13 de março de 2013

De volta a mina do José de Abreu

        No dia 23 de fevereiro, sábado, estivemos mais uma vez na mina que existe nos terrenos do Sr. José de Abreu, que com muito boa vontade nos acompanhou até Onça para que pudéssemos mostrar a outros pitanguienses a maravilha que é esta obra de extrativismo mineral  realizada ainda com técnicas rudimentares, sem explosivos.

ATRÁS: GABRIEL PEREIRA, JACYARA, BARRICA, JACYANO E VANDEIR. 
NA FRENTE:CLÁUDIO FARIA E EDSON SOUZA NA BOCA DA MINA.


     Infelizmente a tela que protege o portão da mina estava rasgada e aberta, o que possibilitou a volta dos morcegos para o interior da galeria, tornando a aventura um pouco mais desconfortável. 

GALERA PERCORRENDO A MINA. FOTO: GABRIEL PEREIRA

     Desta vez tivemos a presença de Marcos Faria, o Barrica, pesquisador da história pitanguiense; Gabriel Pereira, sua namorada Jacyara e o cunhado Jacyano; Cláudio Faria e Edson Souza do GAVE. Estes dois últimos muito colaboraram em uma experiência onde tentei através de equipamento específico recuperar possíveis ferramentas que por ventura pudessem estar no fundo do poço que existe  no interior da mina.

EDSON SOUZA TENTANDO RESGATAR O EQUIPAMENTO MAGNÉTICO. FOTO: GABRIEL PEREIRA

          O equipamento ao qual me referi trata-se de uma base de nylon na qual foram fixados dois potentes imãs de neodímio com capacidade de carga de até 20 kg. O sucesso no resgate de possíveis ferramentas muito ajudaria no incremento do acervo do museu de Pitangui. Infelizmente não tivemos sucesso e o dispositivo ainda ficou travado no madeirame no fundo do poço, demandando um esforço muito grande por parte de Edson e Cláudio para destrava-lo. No fim o equipamento foi recuperado.

CLÁUDIO FARIA AUXILIANDO NO RESGATE. FOTO: GABRIEL PEREIRA

             O Sr. José de Abreu, com o sorriso de sempre, se mostrou disposto a nos acompanhar e permitir a entrada em sua mina sempre que houver pessoas interessadas. Provavelmente ainda este ano retornaremos a esta mina, considerando ser ela a única, de seu tamanho, que ainda conserva as características extrativistas primitivas.

Vandeir Alves dos Santos
Nos seus 300 anos, as histórias e estradas de Pitangui também são Reais

  

2 comentários:

  1. É Vandeir Alves dos Santos, meu querido Vandeir Jones tupiniquim da província de Pitangui,; tipo Inhô das Pindaíbas (no que ele tinha de bom) tão bem retratado por Guimarães Rosa.

    Você continua o mesmo, determinado a ser o maior entendedor e defensor da história “metálica” de Pitangui e, a cada dia que passa, o maior defensor e resgatador dos vestígios de tal passado.

    Às vezes vejo em postagens outras neste mesmo blog, ataques anônimos, não a sua pessoa diretamente porque o seu caráter é integro, mas ao seu incansável e às vezes uníssono trabalho de tentar liderar uma consciência coletiva em Pitangui sobre a importância que o passado representa na vida de cada um de nós, de nossas famílias, nossa cidade, nosso estado, nosso país, enfim, de uma civilização.

    Você é a voz que deveria ter estado aqui e levantado a séculos atrás, mas quis a mão da providência que você vivesse para presenciar os 300 anos de sua terra querida, mas não de forma passiva quando não míope de pouquíssimos iludidos contemporâneos seus.

    Avante Vandeir, hoje na boca da mina do José de Abreu fincando a bandeira da preservação.

    Continue a exercer a sua liderança contra os devastadores, conscientizado de que também na arte, na literatura, na música e em muitos outros campos, em Pitangui, o castigo da liderança foram sempre os mesmos: A recompensa é o reconhecimento geral, o castigo é a negação e a calúnia. Se o seu incansável trabalho tende a se tornar um padrão para os pitanguienses para o nosso Estado e para o Brasil, ele se torna também um alvo para as arrremetidas dos invejosos.

    Avante Pitangui, coragem Vandeir e fique atento, procure conhecer a mente dos garimpeiros modernos, ela funciona como a dos garimpeiros antigos, ouro, ouro, ouro com o resultado quase certo de morte, morte, morte.

    Geraldo Wagner Gonçalves
    Praça Antonio Fiúza/PITANGUI/MG

    ResponderExcluir
  2. Fiquei im-pres-sio-na-do com o tamanho do buraco. Vendo um vídeo feitos pelo Gabriel (que mora na mesma república que eu), fiquei com vontade de ter participado dessa expedição.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.