Seguidores

terça-feira, 16 de julho de 2013

O Sotaque de Pitangui

Primeira rodoviária de Pitangui.
Nestes dias em que a cidade está pensando e praticando a cultura com mais intensidade, acaba de sair do forno mais uma crônica do nosso conterrâneo e amigo William Santiago. No texto o autor aborda memórias de infância no traslado Pitangui / Belo Horizonte e nos convida para uma ação prática, no âmbito literário e histórico, propícia para os 300 anos de Pitangui. Então, bom apetite, ou melhor, boa leitura!

 Juvenil do Ipiranga Futebol Clube - Pitangui.
(Fotos para ilustrar o texto. Data provável década de 1960. Autor desconhecido). 


O "ERRE" DE ANZOL E O SOTAQUE DE PITANGUI 

Por William Santiago*.

A bola corria solta na R. Bernardo Mascarenhas, Cidade Jardim, BH. Era num tempo muito antigo. O córrego que ficou debaixo da Av. Prudente de Morais era atravessado pedra ante pedra, caminho mais rápido pra chegar do outro lado, na Faculdade de Filosofia. O outro lado, uns chamavam de Lourdes, outros de Santo Antônio. O lotação Lourdes era cor vermelha e amarela, os ônibus eram quase jardineiras, tinham nariz grande e bancos surrados, que nem os que faziam transporte de Pitangui para outros lados. Faltava a escadinha na traseira, pra levar as malas pro bagageiro, no alto do ônibus. Pela Conde de Linhares subiam e desciam os ônibus elétricos, ai que saudade. Um menino, um dia, perguntou ao pai porque aqueles ônibus usavam suspensórios, visões infantis. A parada no bairro era na Praça Bariri, no Coração de Jesus, e no centro era na Av. Amazonas, na Praça Sete, nariz apontando a Praça da Estação. De um lado, o Banco Hipotecário, do outro o Edifício Dantés. Bom, o que interessa era que dava pra jogar bola no meio da rua naquele tempo. Vai que aparecem aí uns pitanguienses, roceiros, com um" erre" de anzol, que se enrolava na ponta da língua e parece que queria entrar pra garganta adentro. Não conhecíamos televisão nem elevador, a viagem de cinco horas se fazia por estrada de terra, de paralelepípedo e só depois de Juatuba é que aparecia o asfalto. A turma de Belo Horizonte tirava sarro de tudo, capitaneada pelos primos, um deles o Marquinho, que tinha nascido na capital. Um dos caipiras era eu, outro era o Tõe, meu irmão. Eu, mais velho, já percebia que meus primos e os amigos deles faziam o "erre" na garganta. E tentava imitar. Nada de "porrrta, era "poRRRRta". Não era meu "iRRRRmão, era meu iHHHmão. Bem belorizontino, era chique. Tõe, na inocência dos sete ou oito anos, envolvido com a pelada no meio da rua, não se ligava nisso, pedia a bola, avisava que ia lançar e emitia comentários a todo instante. E um deles ficou pra sempre na memória dos primos belorizontinos, ao se referir a uma bola bem passada a um dos companheiros: "bom passe". Com esse apelido passou a ser citado por todos e lhe causava muita raiva, quando começou a entender que era uma forma de caçoarem dele. Lido e ouvido agora não tem muita graça, mas era a entonação, certas expressões e a pronúncia do 'erre" de anzol que chamavam a atenção. Era "bullying", mas quem proibia? Quem estuda os dialetos mineiros sabe que há muita diferença de pronúncias e vocabulário no Estado. Minas são muitas, já diz o refrão. Mas o que chama mesmo a atenção e define basicamente quem é de que lugar do Estado é o terrível" erre". Os triangulinos, os oestinos como nós, pitanguienses, a gente do sul, todo mundo "puxa" o "erre". Em Belo Horizonte, converge gente de todos os lados, mas o" erre "na garganta foi o que predominou. Já o nosso" erre puxado" passou a ser sinônimo de caipira, lembrando, quem sabe, o Jeca Tatu e o Mazaropi. Na capital não dava pra vacilar, ou você era logo identificado, rotulado, apontado, crucificado. "Erre" de garganta, o único tolerado. Limpeza linguística. Hoje, os tempos mudaram. No contexto do politicamente correto, tudo pode. Tudo é aceito. Algumas coisas até em exagero. Por exemplo, todo mundo tem direitos. Vocês já viram passeatas e manifestações pelos direitos? Claro que viram. Mas, e pelos deveres?" Quero ganhar igual a fulano, ganho muito, quero redução de salário". "Quero ir pra frente de luta, nada de ficar na retaguarda durante uma batalha". Passeatas pelos deveres? Aposto que nunca viram. Mas algumas coisas mudaram pra melhor. Chega de bullying, dizem. Vejam o Danilo Gentili , comediante, e o Neto, ex-jogador de futebol. São exemplo de dois na televisão caprichando no "puxar" dos seus" erres", sem qualquer constrangimento. Aí, me pergunto: por que temos que mudar nosso "erre"? Ou será que é uma tendência natural, influenciada pela televisão, rádio e os contatos cada vez mais frequentes, com a gente da capital? Tudo bem se é uma tendência natural, evolução (ou involução) linguística, que cria e extermina línguas e dialetos, aleatória e impiedosamente. O que não pode acontecer é uma transformação por sentimento de inferioridade ou algo de cunho negativo. Uma sugestão ao blogue seria provocar uma discussão sobre o tema. Algum linguista que fale sobre o sotaque de Pitangui, as expressões de Pitangui, o que vai se perdendo por influências externas e também por sentimento de inferioridade. Acho um tema interessantíssimo, tese talvez até para um mestrado em Letras, quem se habilita? Estaria bem dentro do espírito que norteia o blogue e contribuiria também para manter o trabalho de recuperação da nossa autoestima, a principal contribuição, a meu ver, deste superblogue.

* Para saber mais sobre o autor acesso os marcadores desta postagem.

4 comentários:

  1. Bacana demais, William! Excelente texto e, mais que isso, excelente sugestão para os acadêmicos em Letras ou Linguística. Pitangui, como a gente sabe, é muito influenciada pela linguagem roceira. Imagine se elaborassem um dicionário só com as palavras da roça?

    ResponderExcluir
  2. Ricardo,

    a idéia era essa mesma: abrir discussão sobre o falar da nossa região, levando em conta a pronúncia, a melodia da nossa frase e os termos peculiares. A melodia, então ... É muito interessante como falamos, com ressaltamos as perguntas, os "ahn?" em vez de "como?" e aí vai. Muita lenha pra queimar nesse assunto. Obrigado pela força.

    ResponderExcluir
  3. O Willian vc foi um dos meus primeiros patrões no Correio de Pitangui, lembra! Te respeito muito como mago da literatura! Parabens!
    Um grande abraço do seu "reporte futebolístico" Carlinho da Fabiana! kkkkkkkkkk

    Carlos Pereira Jr

    ResponderExcluir
  4. Carlinho,

    legal entrar em contato com você. Aí mais uma das qualidades do blog. A gente se vê por aqui, não é só naquela emissora que se pode aplicar a expressão. Tempo bom o do Correio, não? Fizemos muita coisa pela cidade, tenho certeza. Espero te rever em Pitangui na próxima vez. Estou em Brasília. Abração.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.