Seguidores

sábado, 23 de novembro de 2013

A REAL ABOLIÇÃO

 Comunidade do Veloso - Remanescentes de Quilombolas.

Na semana em que celebramos a Consciência Negra (20/11) e por que não a consciência e a resistência das minorias, reproduzimos aqui uma matéria muito interessante, veiculada hoje no Jornal Estado de Minas. A reportagem, que também aborda sobre a Comunidade do Veloso, é do jornalista Paulo Henrique Lobato (filho do Pitanguiense Paulo Roberto Lobato), que vem prestando um valioso trabalho de divulgação e valorização das raízes históricas de Pitangui. Ao amigo PHL, parabéns pela matéria e pelo aniversário comemorado ontem 22/11!

 Veloso - Zona Rural de Pitangui.

A REAL ABOLIÇÃO » União que faz a diferença Moradores de comunidades quilombolas se organizam em torno de negócios que geram renda extra. Em Minas, a aposta é na avicultura. Em Alagoas, a prosperidade vem do artesanato .
Por: Paulo Henrique Lobato

União dos Palmares (AL) e Pitangui (MG) – Quem chega ao Veloso, um povoado a 35 quilômetros do Centro histórico de Pitangui, no Centro-Oeste de Minas, logo se depara com seis galpões recém-construídos e que devem mudar o perfil econômico do lugarejo, onde moram 301 pessoas. De comunidade fornecedora de mão de obra para fazendas vizinhas, o local pode se transformar em referência na região em produção de carne de frangos da raça label rouge. Quem dá mais detalhes sobre o projeto é Evanice Pereira Lima, de 35 anos: “São frangos caipiras mais ‘encorpados’ que os comuns, os canelas-secas. Há espaço para 10 mil aves. Elas serão abatidas com 120 dias de vida e peso de 2,3 quilos a 2,6 quilos”.

O Veloso é uma comunidade quilombola que reúne descendentes de escravos que fugiram das chicotadas em fazendas e minas de ouro na então vila de Pitangui, fundada em 1715. O povoado é carente de emprego e infraestrutura. Há ruas de terra e casas de reboco. Nem todas as moradias têm televisão, o que propicia uma cena curiosa: para assistir à TV, moradores se reúnem numa pracinha onde um aparelho é ligado às 18h. O projeto de criar frangos caipiras “encorpados” é a esperança de dias melhores para as famílias, que poderão contar com renda extra.

O empreendedorismo em comunidades quilombolas é o tema da quarta reportagem da série “A real abolição”, que o Estado de Minas publica desde quarta-feira. O engenheiro-agrônomo João Sebastião Viana Neto, da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG), acompanha o projeto no Veloso: “A raça label rouge tem carne saborosa e boa aceitação no mercado. Uma das propostas é comercializar a ave em bandejas de isopor. Para isso é preciso terminar o abatedouro, em acordo com as normas do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA)”.

O abatedouro será instalado em um dos seis galpões. “Outros quatro serão usados para criar os frangos. O último será a casa de ração”, explica Evanice, que preside a Associação dos Remanescentes de Escravos e Quilombolas do Veloso. Seu João Francisco de Lima, de 66 anos, está otimista com relação ao futuro: “As coisas vão mudar por aqui”. O início da criação das aves ainda depende de um financiamento em torno de R$ 200 mil. A comunidade negocia a verba com a Fundação Banco do Brasil. A expectativa dos moradores é de que o recurso seja liberado nos primeiros meses de 2014.

ALAGOAS Longe de lá, na Zona da Mata de Alagoas, outra comunidade quilombola já colhe frutos com o empreendedorismo. Trata-se do povoado do Muquém, em União dos Palmares, a 70 quilômetros de Maceió e onde moram cerca de 700 afrodescendentes. “Nossa principal atividade econômica é o artesanato feito com barro”, revela Aldo Delmiro Nunes, de 31 anos, presidente da Associação dos Remanescentes de Quilombo do Sítio Muquém. O artesanato no povoado é um ofício antigo, mas, há poucos anos, quando técnicos do Sebrae chegaram ao lugarejo, a atividade ganhou status de empreendedorismo.

“Aprendemos a calcular orçamento e lucro. Recebemos orientações de novas técnicas para retirar o barro e como usar o forno, necessário para uma das etapas do acabamento das peças. Também fomos incentivados a participar de feiras em capitais e a colocar nossos trabalhos na internet”, completou Aldo. Foi por causa da internet que dona Irinéia Rosa Nunes, de 66, negociou uma de suas peças com uma família nos Estados Unidos. Ela sente orgulho em dizer que vários de seus trabalhos enfeitam o interior de residências e empresas em São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Maceió e até em outros países.

Dona Irinéia conta com a ajuda do marido, Antônio Nunes, de 73, para transformar o barro em artesanato. No ateliê da família há diferentes peças. Algumas homenageiam Zumbi dos Palmares. Outras lembram um triste fato ocorrido na comunidade no fim de 2010. “O Rio Mandaú transbordou, inundando tudo. Cinquenta e duas pessoas precisaram subir numa jaqueira para não serem levadas pela correnteza. Teve gente que subiu nos galhos com cachorros ou gatos numa das mãos. Foi uma aflição danada. Minha filha, a Mônica, subiu na árvore por volta das 18h30, quando (o volume) da água estava alto, e só desceu em torno das 3h30.”

Dona Irinéia, uma das artesãs mais experientes do lugar, tem uma clientela boa. Ela ainda recebe R$ 1 mil do poder público para ensinar o ofício aos mais jovens. Ana Beatriz Bezerra da Silva, de 18, começou na atividade há poucas semanas. E já faz bonecos, potes, cuscuzeiras e imagens de animais da fauna local. “Vendo as peças no galpão que a comunidade construiu.” No quintal de sua casa, enquanto prepara alguns bonecos de barro, a jovem dá dicas à criançada que planeja ganhar a vida, daqui a alguns anos, com o artesanato, como as amigas Samara e Ivânia, de 7 anos, Vitória e Viviane, de 11, e Ana Lúcia e Silvânia, de 10.

FEIRA O artesanato produzido no Muquém não é vendido apenas na comunidade. Nas segundas, quartas e aos sábados, os artesãos aproveitam a feira que ocorre em União dos Palmares para negociar suas peças. No local também são encontrados trabalhos feitos em outras comunidades quilombolas. Muitas começaram a apostar no empreendedorismo depois de auxiliados por instituições criadas para fomentar o desenvolvimento socioeconômico junto à população de afrodescendentes.

Em junho passado, o Sebrae e outros parceiros, como o Instituto Adolpho Bauer (IAB) e o Instituto Coletivo de Empresários Empreendedores Negros de São Paulo (Ceabra-SP), lançaram o programa Desenvolvimento e fortalecimento do empreendedorismo afro-brasileiro, cujo objetivo é estimular o desenvolvimento entre microempreendedores individuais pretos e pardos e em empresas de pequeno porte controladas por negros. Parte do público a ser beneficiado está em comunidades quilombolas.
A estimativa é beneficiar 1,2 mil empreendedores negros em 12 estados – Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Maranhão, Paraíba, Goiás, Amapá, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro. A partir do próximo ano, os organizadores vão promover seminários estaduais e selecionar 500 modelos de negócios para fortalecer a chamada rede nacional de empresários microempreendedores individuais afro-brasileiros.

Um comentário:

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.