Seguidores

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Pontos de vista


As lentes e os clicks do nosso amigo Nicodemos Rosa continuam certeiros, implacáveis e inusitados. Mostramos hoje mais algumas "pinturas" captadas na natureza de 7ª Vila do Ouro das Gerais, por este pioneiro da fotografia artística em Pitangui.


 



 Fotos: Nicodemos Rosa.

"Maravilhas nunca faltaram ao mundo, o que falta é a capacidade de sentí-las e admirá-las" (Mário Quintana).

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Três Templos - imagens de um passado recente

 Praça da Capela de São José.

Estas são algumas imagens de Pitangui de outrora. As fotos, de autor desconhecido, provavelmente foram tiradas entre as décadas de 1940 e 50. Quem tiver mais informações sobre estes três registros, poderá participar por meio dos comentários no fim desta postagem.

Casarão onde morou D. Maria Tangará, com a Igreja Matriz ao fundo.

Rua da Capela de São Bom Jesus.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Parabéns Licínio!

 O Blog Daqui de Pitangui está em festa, hoje é aniversário do nosso amigo e parceiro Licínio Filho!



Caro professor Licínio, em nome de todos os seus amigos, amigas e familiares desejamos-lhe sáude, sucesso e sorte neste novo ciclo que se inicia.




Que a vida lhe revele novos caminhos e bons percursos.



E que a sua sede de adquirir e compartilhar conhecimentos seja cada vez mais valorizada. Felicidades!!!

domingo, 27 de janeiro de 2013

Carne Cozida com Pequi

 Fotos e receita: Léo Morato.


A dica de receita de hoje é a Carne com Pequi (um fruto típico do cerrado) acompanhado de arroz branco. Presente na culinária mineira e goiana o Pequi divide opiniões e pode ser preparado de várias formas. Confira a receita da Carne Cozida com Pequi.

Ingredientes:
1 kilo de carne para cozinhar (acém, peito, coxão duro, etc).
1,5 litros de pequi (20 unidades).
2 colheres (de sopa) de óleo, manteiga, manteiga de garrafa, ou azeite.
1 colher (de sopa) de sal ou tempeiro pronto.
1 pitada de tempeiro do cheff (Mercado Central - BH.
1 cebola grande.
1/2 cabeça de alho.
1 pitada de nóz moscada (ralada).
1 porção de cheiro verde picado.
2 pimentas de cheiro.
1 pimentão pequeno.
1 litro de água (+ ou -).


Modo de fazer:
Tempeirar a carne (picada em cubos) com o sal (tempeiro pronto), alho picado, tempeiro do chef e nóz moscada.
Fritar a carne no óleo...
Adicionar + alho, cebola, pimentão e pimenta de cheiro (picados).
Deixar refogar e acrescentar o pequi.
Mexer a panela por 10 minutos.
Acrescentar a água e cozinhar por 20 minutos (na pressão).
Cozinhar o arroz à parte.
Acrescentar o cheiro verde picado, após o cozimento.


Dica: Servir o prato com uma boa cachaça mineira (para quem aprecia).

Obs: o principal é que tenha carne, pequi e arroz, os ingredientes e a forma de fazer, fica a critério do Chef. Bom apetite!

sábado, 26 de janeiro de 2013

Horizontes Pitanguienses


 Foto: Léo Morato.

“Desde o século XVIII existiu em Minas uma cultura urbana bem desenvolvida... Sociedades educadas viviam nessa Vila Rica, assim como em Diamantina, Sabará, Pitangui, São João Del Rey, e em tantas outras cidades de importância semelhante... Ainda hoje as cidades coloniais mineiras têm um ar digno de urbe civilizada, quando a agressão do tempo não lhes deforma por demais as feições. Andando sem rumo certo pelas suas vielas, pavimentadas de grandes lajes, gastas pelos séculos, respiramos o misterioso aroma de um passado de polidez e urbanidade” (Péricles Capanema Ferreira e Melo)¹.

Então vamos colocando a lenha no fogão, para que o cheiro do cozido se espalhe no ar, instigando olfatos, paladares, visões, mentes e corações, incentivando as artes e a criação na Sétima Vila do Ouro das Gerais.

¹HORIZONTES DE MINAS – A polidez do mineiro urbano, pág. 65. Editora Artpress, São Paulo, 2006.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Rafael Marttins e Urbano Medeiros

 Acontecerá amanhã, a partir de 21:00, no Bar e Pizzaria Contemporâneo, o lançamento do CD  
"Underground Pitangui"
dos parceiros musicais 
Rafael Marttins e Urbano Medeiros.


 


Rafael Marttins, pitanguiense de coração, traz no sangue a herança musical da família Nunes. Apesar da pouca idade, Rafael já detêm um curriculum extenso e uma experiência musical ampla em todos os gêneros, além de ser um exímio engenheiro de som. Tudo isso faz dele um músico praticamente completo. Atualmente ele é graduando do curso de Música da UFMG.    


Urbano Medeiros é um instrumentista reconhecido nacionalmente e internacionalmente. Nasceu em Seridó no Rio Grande do Norte e há mais de 20 anos está radicado na vizinha Pará de Minas. Músico desde os 07 anos de idade, Urbano já acompanhou diversos artistas de renome do cenário musical brasileiro. Atualmente ele trabalha num projeto próprio, que tem o objetivo de levar a música a adoentados.
 

Através de amigos em comum, Urbano e Rafael se conheceram e logo a empatia musical aconteceu. Em agosto de 2012, o duo propôs um ensaio gravado para a montagem de um repertório e seleção de músicas para um futuro projeto de shows e gravação de um CD. O primeiro ensaio foi tão bom, tão perfeito, que resolveram já registrá-lo em um disco.

O lançamento acontecerá no Bar e Pizzaria Contemporâneo, 
no sábado 26 de fevereiro, a partir das 21:00.


O blog DaquidePitangui, o Bar e Pizzaria Contemporâneo, a Quatri Comunicação, a Kilomania e a Trem Trapaiado Records, são apoiadores do projeto 
"Underground Pitangui".


Mais informações e reserva de mesas através dos telefones :
37-3271-3858 ou 37-9911-5952



quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Inauguração da Pousada Monsenhor Vicente

          Após um ano e nove meses de obras a população pitanguiense terá o prazer de contemplar o mais suntuoso casarão do patrimônio histórico da cidade. Através do investimento em materiais de primeiríssima qualidade e de extremo bom gosto, sempre obedecendo a critérios do IPHAN, o empresário Haroldo Vasconcelos inaugura a Pousada Monsenhor Vicente no dia 01/02/2013.

Casarão quando ainda abrigava o comércio de Inácio Campos
Fonte: acervo da família de Márcio Campos

          O imóvel tem a sua origem no início do século XIX, tendo participado do cotidiano colonial e republicano de Pitangui. Na década de 60 foi residência de Monsenhor Vicente Soares, ficando então conhecido como o casarão do Monsenhor Vicente. Na sua parte inferior funcionou diversos estabelecimentos que fizeram daquele local uma referência comercial da cidade.

Casarão no período de reformas - Foto: Vandeir Santos

Outro ângulo do casarão em reforma - Foto: Vandeir Santos

            
            A pousada contará com 14 suítes e anexo a ela, junto ao salão paroquial, funcionará uma pizzaria que ficará sob o comando do já renomado Betinho. Estão previstos ainda mais dois bares e uma loja de móveis antigos na esquina. Já descendo a Travessa Dom Silvério funcionará um escritório de advocacia.

Casarão já reformado - Foto: Vandeir Santos


            A inauguração terá início às 20:00 com a apresentação dos artistas pitanguienses Eder & banda, Giancarlo Scapolatempore e Ricardo Nazar. O evento será encerrado com as apresentações de Cláudio Venturini (14 BIS) e Telo Borges (Clube da Esquina). Reservas de mesas, na rua, tratar c/ Renata (Betinho Pizzaria) pelo nº  91127289 ou Rafaela nº 91178239.

Vandeir Santos

Nos seus 300 anos, as histórias e estradas de Pitangui também são Reais

Programa "Triângulo das Gerais": Pitangui

Veja mais uma parte do programa "Triângulo das Gerais" dedicado à Pitangui.




segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

História! Em quadrinhos... A Lavagem do Bandeirante

 Clique nas imagens para ampliá-las.



Então está combinado! Esperamos vocês na 4ª Lavagem do Bandeirante, no domingo de carnaval, dia 10/2/13, a partir das 4 da tarde, no bairro da Penha em Pitangui-MG. Venha participar desta bagunça histórico cultural organizada e brincar o carnaval de rua, junto e misturado. Divulgue!!!
Realização: Blog Daqui de Pitangui.
Apoio: Prefeitura Municipal de Pitangui. 

domingo, 20 de janeiro de 2013

Benedito Valadares em Pitangui:1935

Fonte: CPDOC/FGV
Em nossas pesquisas encontramos nos arquivos do CPDOC/FGV, uma série de fotos da visita de Benedito Valadares à Pitangui, em 1935, época em que foi nomeado interventor estadual pelo então Presidente da República, Getúlio Vargas.Iremos postando aos poucos estas fotos aqui no blog.
Nesta primeira postagem podemos perceber a comitiva do interventor percorrendo a região onde hoje se localiza a praça Brito Conde. A foto nos permite ter uma visão da cidade na década de 1930 e, como ela se modificou no decorrer destes 78 anos.


 IMPORTANTE:
"8 . Nos termos do art. 44 da LDA (Lei d Direitos Autorais), fotos e obras audiovisuais publicadas há mais de 70 (setenta) anos podem ser livremente utilizadas independentemente de autorização, por estarem em domínio público. Também podem ser utilizadas livremente, e pelo mesmo motivo, quaisquer outras obras cujo autor esteja falecido há pelo menos 70 (setenta) anos, conforme art. 41 da LDA."

Fonte:
 


sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

teatro emPitangui


Em edição da primeira quinzena de janeiro de 1988, o jornal "Correio de Pitanguy" trazia matéria sobre a retomada das atividades teatrais na Escola Estadual Monsenhor Arthur de Oliveira através da turma da 8ª série daquele ano. Clique na imagem para ampliá-la e ler a matéria.Aproveite e veja também os anunciantes daquele tempo.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Eiras e beiras


Eiras de um casarão pitanguiense.
Foto: Paulo Salatiel.

Segundo algumas fontes históricas e a sabedoria popular, a expressão eiras e beiras provém analógicamente da arquitetura colonial do Brasil. As casas dos cidadãos com algum recurso tinham eira, um prolongamento do telhado que servia como proteção para a chuva. As casas das pessoas mais ricas tinham, além das eiras, beiras (e até tribeiras) - ornamentos sobre as eiras.  Ou seja, era uma forma de ostentação, de riqueza. Não ter eira nem beira significava ser pobre, não ter posses. Daí vem a expressão.

Embarcando no trem da história, como pitanguienses (de nascimento, de sangue e ou de coração) nos orgulhamos por termos eiras & beiras. Não no sentido de posse, de poder,  mas de tradição, de raiz, de ter história para contar e de alegria ao apreciar os nossos patrimônios.

Fonte: http://historiaparacompreenderomundo.blogspot.com.br/2010/11/o-significado-de-nao-se-ter-eira-nem.html


segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Folia de Reis de Coqueiros

Foto: Vandeir Santos

Foto: Vandeir Santos


Foto: Vandeir Santos

Foto: Vandeir Santos

No sábado, 12 de janeiro, eu, Vandeir e Selma Assis tivemos a oportunidade de assistirmos umaapresentação do grupo de Folia de Reis de Coqueiros em Pitangui e fizemos este registro. 
Salve a cultura popular!


domingo, 13 de janeiro de 2013

A educação pública primária em Pitangui em outros tempos

Fonte: Arquivo da E. E. Francisca Botelho
Em nossas pesquisas sobre educação escolar primária em Pitangui encontramos este trabalho de uma aluna (Maria da Conceição Barbosa) do 2º ano primário do então "Grupo Escolar Francisca Botelho" a respeito de uma excursão aos arredores da cidade promovida pela professora da classe, Dona Judith de Abreu e Silva, por acaso o nome do bairro que resido atualmente.
Neste trabalho escolar podemos perceber as transformações que ocorreram na área urbana da cidade do final da década de 1940 aos dias de hoje. Esta atividade ocorreu em setembro de 1948 e foi desenvolvida pela aluna Maria da Conceição Barbosa há 65 anos atrás. A Capela da Penha ainda conservando sua arquitetura original, pois, na década d 1950 passaria por uma reforma.
Interessante também é observar o desenho feito pelo aluno com o trajeto da excursão. Clique na imagem para ver os detalhes.
Outra coisa que nos chama a atenção é a atitude da professora, naquela época, no manejo da turma durante  o percurso da excursão, sempre motivando as crianças a observarem a relação da população com o meio, como relatou a aluna Maria da Conceição Barbosa no relatório feito por ela sobre a atividade. Veja Abaixo:

Fonte: Arquivo da E. E. Francisca Botelho