Seguidores

terça-feira, 29 de outubro de 2013

A "baixa gastronomia" pitanguiense

 "Sai por aí descendo o morro dessa cidade, desse Pitangui". (Giancarlo Scapolatempore).

O pitanguiense é empreendedor por natureza e o talento para a culinária também é uma característica marcante em nossa terra. Sabemos das centenárias receitas familiares passadas entre gerações e dos nossos bons restaurantes de comida mineira, mas outro filão que vem se destacando na cidade, gerando trabalho e renda, é a Baixa Gastronomia. O termo foi assim denominado pelo jornalista mineiro Daniel Neto para diferenciar a comida sofisticada (alta gastronomia) da tradicional comida de boteco, servida em ambientes simples, acompanhada de boa prosa e de um aperitivo. 

Torresmo (barrigada) frito.

Para quem aprecia o bom tira gosto de Pitangui, antes de continuar a leitura, sugerimos forrar o estômago pois esta postagem pode causar efeitos colaterais como: fome, água na boca e até vontade de tomar uma cerveja. Voltando ao assunto, nas conversas informais, nos comentários registrados aqui no blog e principalmente nas andanças pela cidade, sabemos que, além dos pitanguienses, vem gente de longe para apreciar a nossa comida de boteco. As fotos de hoje são do parceiro Dênio Caldas que registrou imagens do seu ante-almoço de domingo, lá no Bar do Toró, na companhia do Chumbinho (Daniel Caldas). Nos marcadores de postagem abaixo é possível conferir mais algumas das iguarias pitanguienses. Muito petisco e boteco ainda podem ser divulgados, afinal a nossa baixa gastronomia é bastante diversificada e já merece um festival. Faça seu registro fotográfico e envie pra gente, dizendo o nome e o local do bar para publicarmos no Daqui de Pitangui.

Feijão Tropeiro.
Fotos desta Postagem: Dênio Caldas.

Links relacionados:


sábado, 26 de outubro de 2013

Desfile em Comemoração aos 261 de Pitangui - 1976

     Hoje fazemos mais um resgate fotográfico das comemorações do aniversário de Pitangui, desta vez recuperamos fotos do desfile cívico em comemoração aos 261 anos de Pitangui, ocorrido em 1976.













     Solicitamos aos nossos leitores que se identificarem algumas das alunas, por favor nos informe para que possamos colocar os nomes nas respectivas legendas.

Vandeir Santos

Nos seus 300 anos as estradas e histórias de Pitangui também são Reais





quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Mostra de Cinema de Pitangui - Rumo aos 300 anos

  2ª Mostra de Cinema de Pitangui - março/2013.
Foto: Sarasvati Produções.
A arte e a cultura são atemporais, não perdem a validade, ficam na história, fazem pensar e projetam o futuro. Neste contexto, uma excelente iniciativa vem sendo realizada em Pitangui e merece maior notoriedade. No artigo abaixo a Graziella Luciano* - Coordenadora Geral da Mostra de Cinema de Pitangui - nos fala com propriedade sobre este "fazer cultural" realizado em duas edições na 7ª Vila do Ouro das Gerais.

  Graziella Luciano
Foto: Sarasvati Produções.
“A Educação ensina a ler, mas só a cultura ensina a enxergar” uma frase do filósofo Aristóteles que me motiva a trabalhar com cultura. Na contemporaneidade e com o apogeu da internet, o acesso à diversidade cultural é grande, no entanto, é necessário possibilitar ao público uma reflexão crítica destes conteúdos culturais que muitas vezes são digestivos e massificadores. A Mostra de Cinema de Pitangui foi planejada em 2009 por um grupo de artistas que pretende com este evento criar um espaço para formação de público, pois, é necessário procurar outras alternativas para salvaguardar a diversidade cultural brasileira às grandes mídias que massificam músicas, conteúdos audiovisuais, identidades comportamentais, etc... de um povo diverso como o nosso. 

 Exibição de filmes - 2ª Mostra de Cinema.
Foto: Léo Morato.
A produção do evento é da Sarasvati Produtora Cultural que atua desde 2008 nas áreas de elaboração, gestão, produção e preservação do patrimônio cultural. Possui como parceiros empresas, prefeituras e instituições públicas e privadas das esferas municipais, estaduais e federais que demandam e contratam projetos a serem executados pela empresa. A parceria com a UFMG teve inicio em 2011 e desde então, series de documentários, produções de vídeo aulas e consultorias foram realizadas atendendo principalmente às demandas internas da Universidade. O projeto da 1ª Mostra de Cinema de Pitangui “O Velho e o Novo” foi elaborado em 2009, sendo realizado em novembro de 2010. Nesta 1ª edição, a Prefeitura Municipal de Pitangui foi a patrocinadora Master do projeto que também teve o patrocinio do Credipit e o apoio da Construtora Santa Cruz, além de diversas parcerias culturais, uma das mais importantes com a gráfica Mafali. Cineastas baianos, paranaenses, paulistas, cariocas, goianos, pernambucanos, cearenses e mineiros estiveram presentes em Pitangui durante o evento que foi realizado durante 05 dias e apresentou 42 produções nacionais entre curtas e longas. Nas 02 oficinas realizadas foram produzidos um documentário “Tecendo Memórias” e uma animação “Nada a Ver”. O público presente em todas as ações desta edição foi de aproximadamente 2.200 pessoas. O retorno midiático deste evento foi muito bom com matérias publicadas em jornais de grande circulação como, Estado de Minas, Hoje em Dia e O Tempo. Além da cobertura televisiva do Canal Brasil, Rede Minas e TV Integração. 

 Oficina Infantil - 1ª Mostra de Cinema de Pitangui - novembro/2011.
Foto: Sarasvati Produções.
A 2ª Mostra de Cinema de Pitangui “Cinema Jovem” foi elaborada em 2011 e aprovada na Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais neste mesmo ano. Infelizmente, o projeto não foi captado. Aprovamos novamente o projeto no ano de 2012 e novamente não conseguimos patrocínio mesmo com tentativas em grandes empresas como Algar Telecom e Grupo Newton Cardoso. É preciso dizer que outras empresas com sede em Pitangui e região podem e deveriam ser patrocinadoras de eventos culturais, ainda mais quando aprovados na Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais, uma vez que, o valor patrocinado é deduzido do ICMS devido ao Governo Estadual. O fato é que estas empresas desconhecem ou não se interessam por apoiar a cultura. Depois destas tentativas de patrocínio, ocorridas em dois anos consecutivos, via Lei de Incentivo à Cultura de Minas Gerais, resolvemos enviar o projeto em 2012, para o edital Microprojetos Bacia do Rio São Francisco, da Fundação Nacional das Artes (Funarte). Este edital é um prêmio que disponibiliza 15 mil reais para cada projeto contemplado (o valor líquido diminui de 10% a 27% dependendo do tipo de pessoa proponente, física ou jurídica). Aprovamos o projeto neste edital e finalmente, conseguimos realizar a 2ª Mostra de Cinema de Pitangui em março de 2013 com o recurso da Funarte e o patrocínio único conseguido em Pitangui da Prefeitura Municipal que contribuiu com um valor aproximado a dois terços do recurso do prêmio da Funarte. 

"Trio Caldas" fazendo o som - 2ª Mostra de Cinema.
Foto: Léo Morato.
Nesta edição, cineastas mineiros estiveram presentes em Pitangui durante o evento que foi realizado durante 05 dias e apresentou 34 produções nacionais entre curtas e longas. Foram realizadas nesta 2ª edição da Mostra de Cinema de Pitangui 02 oficinas que produziram 02 documentários um sobre a Comunidade Quilombola do Veloso e outro sobre o Rio Pará, além de um ensaio de animação. O público presente em todas as ações desta edição foi de aproximadamente 1.400 pessoas. O retorno midiático deste evento foi intermediário, uma vez que obtivemos notas em jornais, mas, em sua maioria jornais da cidade e região (o que pauta grandes veículos de comunicação em eventos como este é a presença de convidados de fora do estado). A produção da mostra não possuía recursos suficientes para transportar, hospedar e alimentar convidados de outros estados uma vez que, realizamos a 2ª Mostra de Cinema de Pitangui com apenas 40% do recurso conseguido na 1ª edição. Contamos também com a cobertura da TV Integração. 


2ª Mostra de Cinema - movimentando bares e o comércio local .
Foto: Léo Morato.
Acreditamos que Pitangui, rumo ao seu tricentenário, carece e merece eventos culturais de formação que proporcionem oficinas, exibições, apresentações gratuitas e que contribuam para uma reflexão crítica e fruição artística, como se propõe a Mostra de Cinema de Pitangui. Gostaríamos de expandir algumas ações da mostra para outros bairros da cidade, como um projeto que está em elaboração pela equipe coordenadora da Mostra de Cinema, sessões mensais de cinema comentadas por especialistas a serem realizadas em comunidades de Pitangui, o “Cine Banquinho”. A coordenação da Mostra de Cinema de Pitangui tem também o projeto “300 olhares sobre os 300 anos” uma exposição fotográfica de conteúdo de arquivo e conteúdo resultante de uma oficina de fotografia e pinhole. Nosso intuito é continuar com a Mostra de Cinema de Pitangui, já temos um novo projeto, o da 3ª mostra, que terá como temática “Cinema e Educação”. Para viabilizar tudo isso, temos profissionais competentes que nos apoiam e trabalham para isso. É preciso ter agora patrocínios e apoios de instituições públicas e privadas do município de Pitangui. Que venham os 300 anos e que Pitangui seja não apenas a cidade berço cultural do Centro Oeste, mas, que seja também, a cidade que movimenta a cultura desta região. 

Mostra de Cinema de Pitangui - outros olhares sobre a cidade.
Foto: Léo Morato.

(*)Graziella Luciano é formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo, especialista em Projetos Sociais, Produção e Crítica Cultural, Rádio e TV. Sócia fundadora da Sarasvati Produtora Cultural, presidente do Instituto Cultural Palco & Tela, coordenadora de projetos do Laboratório de Artes e Tecnologias para Educação da Escola de Belas Artes da UFMG, professora conteudista do curso de Artes Visuais da Escola de Belas Artes da UFMG. 

domingo, 20 de outubro de 2013

Coisas Daqui de Pitangui

Foto: Arquivo do Blog.
Seja num quadro na parede, nas páginas de um livro, ao vivo e à cores, ou numa foto em preto e branco, Pitangui continua a nos inspirar!

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Formulário de propostas para os 300 anos e a nova logomarca

       A postagem de hoje traz uma novidade que permitirá aos leitores do blog participar dos eventos comemorativos dos 300 anos de Pitangui. Trata-se de um formulário de propostas onde o leitor poderá sugerir o que, na opinião dele, poderia ser feito em homenagem ao aniversário da cidade. Após o recebimento as propostas serão analisadas por uma comissão avaliadora que verificará as possibilidades de aplicação da idéia. O documento poderá ser solicitado através do e-mail do blog: daquidepitangui@gmail.com ou através do documento físico que se encontra disponível no bar do Verinho, no centro de Pitangui.





        Solicitamos aos leitores que não utilizem este canal para críticas políticas ou comentários ofensivos, pois trata-se de uma forma de permitir a população opinar de forma construtiva sobre os possíveis eventos, tornando as comemorações uma atividade democrática.


       Juntamente com este formulário estamos divulgando a logomarca que passaremos a utilizar em comemoração aos 300 anos, trata-se de uma colaboração do designer gráfico pitanguiense Luis Cláudio que soube sintetizar de forma criativa os três séculos de vida de nossa cidade.
       Contamos com a colaboração de todos para que juntos possamos fazer por Pitangui o melhor que a cidade merece.

Vandeir Santos

Nos seus 300 anos, as histórias e estradas de Pitangui também são Reais

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Boteco do Nino

Novo Boteco do Nino.
Foto: Vicente Oliveira.

No último final de semana, o nosso amigo Nino Pitanguy inaugurou o mais novo bar da cidade, ali perto da Praça de Esportes (Clube Pinheiros). Com grande experiência no ramo da gastronomia, mais especificamente a boa comida de boteco, o Nino garante que a cerveja continua bem gelada e que os petiscos continuam de primeira.

El Nino. 
Foto: Vicente Oliveira.

Outro  fato interessante sobre o novo boteco, foi a estratégia de promoção. O Nino lançou duas enquetes no Facebook (com ampla participação) para que os amigos e frequentadores indicassem um tira gosto para o cardápio, bem como sugerissem o nome para o estabelecimento. Segundo o proprietário a inauguração foi um sucesso e deixa o convite para quem ainda não fez uma visita ao novo bar.

Ruína do antigo bar que funcionou no local.
Foto: Léo Morato.

Para conferir o cardápio abaixo e tomar aquela gelada, só indo lá no Tô no Trampo, nome escolhido para o boteco do Nino.

Cardápio: Bolinho de feijão; Almôndega ao molho sugo; Espaguete; Tropeiro; Linguiça recheada de bacom; Linguiça recheada de giló; Mandioca; Bolinho de Bacalhau.

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

O que fazer nos 300 anos de Pitangui?

 William e Léo iniciando as gravações.

Nestas empreitadas pró-7ª Vila do Ouro, além de lançar outros olhares sobre a cidade, o Blog tem buscado parcerias pela valorização cultural-histórico-turístico de Pitangui. Na postagem de hoje os amigos William Santiago e Léo Morato, pitanguienses "ausentes", falam de suas perspectivas para os 300 anos e sobre um projeto que iniciaram.


Dimas, Bernardo e William.

“O Tricentenário é também o pretexto para pensarmos Pitangui, o que queremos, o que foi feito de errado, o que dá pra consertar. Temos que começar já. Entendo que todos devemos ter nosso próprio projeto e inseri-lo na comemoração geral. A cidade é de todos. Como um guarda-chuva, onde cabem muitas pessoas, todos podemos participar dessa celebração. Respeitando a legislação, poder-se-ia estipular no Primeiro Grau escolar, a partir do ano que vem, disciplinas paralelas que tenham a ver com a história do município e relacionadas com o Turismo. Acho que já colaborei com uma ideia, que é a concretização do Museu da Imagem e do Som, em artigo postado aqui neste blog. Continuo na ativa, pois, com meu grupo musical, estamos bolando uma música ou muitas para homenagear a cidade. Por aí, muitos podem participar, talvez até criando um festival para escolher a música/hino do Tricentenário, que se tornaria um cd comemorativo. Paralelamente, estou participando da iniciativa do Léo Morato, do blog "daquidepitangui", da criação de um documentário sobre o que pensam os pitanguienses residentes em Brasília dos 300 anos de sua terra natal. Sobre o papel da Prefeitura, penso que seria, o de coordenação e incentivo de todas essas manifestações individuais ou de grupo, espontâneas ou engajadas, de modo a inserir tudo nesse grande guarda-chuva que será o da comemoração dos 300 anos. O que não se pode é apenas pensar numa festa popular, em junho de 2015 e pronto. Aí seria desperdiçar uma ótima oportunidade de dar um rumo bem diferente à história do município". (William Santiago).


 Elaborando o roteiro.

“Buscando contribuir com o advento dos 300 anos de Pitangui, eu e o William (atualmente residentes em Brasília) começamos um projeto novo, realizando algo simples, ao alcance de nossas mãos. Trata-se de um documentário (vídeo amador) sobre os Pitanguienses na Capital Federal, suas histórias pessoais e as perspectivas sobre o tricentenário. O projeto é composto de quatro partes: entrevistas com os pitanguienses em Brasília; registros em Pitangui (norteados por um roteiro e pelo conteúdo das entrevistas); a edição; e as exibições. Os trabalhos tiveram início em 11/9/2013 com a elaboração do roteiro inicial e algumas entrevistas já foram realizadas em Brasília, seguindo o cronograma estabelecido. Pretendemos concluir o projeto até meados de 2014, parcerias são bem vindas e esperamos que a ideia possa incentivar outras iniciativas para aos 300 anos de Pitangui”. (Léo Morato).

Parcerias rumo aos 300 anos.

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Nossas ruas de pedra

 















Contemplando cenários,
de nossas parcas e belas,
 sinuosas ruas de pedra.
Caminhos tricentenários de Pitangui.

Fotos: Arquivo do Blog Daqui de Pitangui.


quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Outro olhar sobre a Mata do Céu



Um outro olhar sobre a Mata do Céu, mais um local muito aprazível da nossa Velha Serrana.
Fotos: Léo Morato (via celular).