Seguidores

sexta-feira, 11 de abril de 2014

O início da fotografia 3x4 em Pitangui

     Registrar a imagem de uma ou várias pessoas era um capricho ao alcance de poucos e quando surgiu era uma novidade que atraia a curiosidade de quem até então só podia se valer da habilidade de um excelente pintor para que sua imagem ficasse para a posteridade.
     A fotografia chega primeiramente nas cidades litorâneas, como uma novidade do estrangeiro e no fim do século XIX já era uma arte presente no interior brasileiro e com a popularização no início do século XX, obter uma foto já não era um privilégio dos mais abastados. Aproveitando esta acessibilidade o governo baixa o decreto nº 21.076 de de 24 de fevereiro de 1932 que criava o 5° modelo de título eleitoral que desta vez incluía a fotografia 3 x 4: 


CAPÍTULO I
DO MODO DA INSCRIÇÃO

     Art. 40. O pedido de inscrição é acompanhado: 
a)de três fotografias do alistando;
b)da prova de qualificação, quando requerida (artigo 38, § 2).

      Parágrafo único. As fotografias, com as dimensões aproximadas de três centímetros por quatro, apresentarão a imagem nítida da cabeça descoberta, tomada de frente. 

     Uma quantidade considerável destas inscrições se encontra guardada no Arquivo Público de Pitangui e ao procurar por documentos relativos a minha família me deparei com um detalhe muito interessante. Se com a evolução das técnicas fotográficas a foto 3x4 exigia um fundo neutro, uma iluminação equilibrada, e uma pose formal quebrada, quando muito, por um leve sorriso, no início praticamente não existia nenhuma regra que não fosse a existência de luz bastante para que o registro pudesse ser feito. Desta forma é possível observar que não existia nenhuma preocupação com a preparação do ambiente, provavelmente o equipamento era montado ali mesmo onde se fazia a inscrição, afinal era apenas uma foto para documento. Sendo assim, observa-se que atrás do eleitor existem pessoas conversando, lendo ou aguardando a fez de ser fotografado.
     Em algumas fotos que se desprenderam dos documentos é possível identifica-las como sendo de autoria do Jaafar, fotógrafo que atuava em Pitangui desde 1893.

Eleitora Anézia Fernandes - Arquivo Público de Pitangui

Eleitor João da Matta Rocha - Arquivo Público de Pitangui

Eleitor Vicente Teixeira Bueno - Arquivo Público de Pitangui
     
Publicidade em jornal pitanguiense - Arquivo Público de Pitangui

  Vandeir Alves dos Santos

Nos seus 300 anos as estradas e histórias de Pitangui também são Reais


     

6 comentários:

  1. Muito bacana Vandeir ... parabéns pela postagem !

    ResponderExcluir
  2. Vandeir,

    você continua surpreendendo. Nessa linha da fotografia em Pitangui, um desafio pra você: pesquisar sobre o fotógrafo Alfredinho. Ele morava em frente de onde hoje mora o Evandro Mendes. Dizem que a família queimou todas as fotos e
    negativos. Parabéns por essa postagem. Digna do Indiana Jones mesmo.

    ResponderExcluir
  3. William, quando a viúva dele foi enviada ao asilo o irmão dela esteve na casa e realmente queimou o que ele considerava lixo. A esposa do Evandro conseguiu salvar a foto de um defunto. O que sobrou no porão da casa o irmão da Zezé Valério recolheu em um quartinho nos fundos da casa dele (eles compraram a casa). Quando eu e o Barrica tivemos permissão para entrar no tal quartinho encontramos restos de uma máquina tipo lambe-lambe, um tripé de madeira, objetivas e alguns negativos de vidro. Destes negativos dois estavam em boas condições e conseguimos revelar (são de casamento). O resto deles está comigo para um amigo analisar mas certamente estão perdidos pois a umidade do quartinho prejudicou bastante as chapas. Mas me parece que era um sujeito muito reservado, o que puder ser escrito terá de ser através de depoimentos.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pela postagem, Vandeir! Será o Jaafar o autor das fotos do final do século XIX ou início do séc. XX em Pitangui (Matriz antiga, por exemplo)?

    ResponderExcluir
  5. É bem provável Léo, se não me engano o Alfredinho era filho dele.

    ResponderExcluir
  6. Mais uma excelente postagem. Parabéns pelo trabalho de pesquisa, Vandeir!
    Abraço.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.