Seguidores

sábado, 1 de novembro de 2014

Pe. Antônio 70 anos de Sacerdócio

Santa Missa. Fotos: Zé Alexandre.

Na quarta feira dia 29/10/2014 foi celebrada uma importante data para a comunidade Católica e para a história de Pitangui. O nosso caríssimo Pe. Antônio Pontello completou sete décadas a serviço da igreja, em especial à Paróquia de Nossa Senhora do Pilar. Nesta postagem, com fotos de José Alexandre Carvalho (registradas na missa solene) e texto de Jurema Lúcia Pontello e de D. Maria do Carmo Pontello (sobrinha e irmã do Pe. Antônio respectivamente) , homenageamos o sacerdote, parabenizando-o pelos relevantes serviços prestados à Pitangui e aos seus paroquianos. Muitos são os causos da figura humana do Padre Antônio: as bênçãos aos novos empreendimentos na cidade, a conduta ilibada, as rezas para o sumiço de cobras e escorpiões nos pastos e quintais, as caronas no Jeep às mulheres grávidas da zona rural para a realização dos partos na cidade, as confissões, as orações, as visitas nas roças a cavalo, o gosto pelo futebol e pela cachacinha pitanguiense, etc e etc. Mas a dimensão divina de Antônio são como os milagres da Fé, inexplicável!
 
Matriz de N.S. do Pilar. Foto: Leonardo Morato.
 
PADRE ANTÔNIO PONTELLO – 70 ANOS DE VIDA SACERDOTAL
Padre Antônio Pontello nasceu em Sete Lagoas, Minas Gerais, no dia 13 de junho de 1921. Vindo de uma família muito católica, filho dos italianos José Carlos Pontello e Itália Margarida Cadelli Pontello, Padre Antônio, o 3º dos 11 filhos, sempre foi um menino de Deus. Foi coroinha de Monsenhor Messias em Sete Lagoas e aos 11 anos de idade ingressou ao Seminário Sagrado Coração de Jesus, em Belo Horizonte.
 Celebração - Missa Solene.
 
No dia 29 de outubro de 1944, aos 23 anos, Padre Antônio foi ordenado padre na Igreja de Nossa Senhora das Dores em Belo Horizonte, pelo bispo Dom Antônio dos Santos Cabral. Sua primeira paróquia foi a de Nossa Senhora do Pilar de Pitangui, auxiliando seu irmão Padre Guerino Valentino Pontello.
 
Pe. Antônio e Pe. João do padre.

A história de Padre Antônio é anterior à história da diocese de Divinópolis. Ele passou por todos os caminhos dela. Trabalhou com cinco bispos, conheceu todos os padres que nela viveram. Após servir várias paróquias e cidades da nossa diocese, em 1978, quando ficou muito doente, veio definitivo para a cidade de Pitangui.

O altar da Igreja Matriz do Pilar.

E agora, no dia 29 de outubro de 2014, nossa paróquia celebrou o Jubileu de Vinho, 70 Anos de Sacerdócio, na manhã de quarta feira, na Matriz de Nossa Senhora do Pilar de Pitangui. A missa foi presidida pelo bispo diocesano Dom José Carlos de Souza Campos, Dom José Belvino, Padre Ulisses nosso pároco e mais de 30 padres que vieram prestigiá-lo.

D. José Belvino, Pe. Antônio e D. José Carlos.

Seu sobrinho neto de 7 anos, Lucas Pontello, cantou para ele uns versinhos em agradecimento. Seu grande amigo Padre João Emílio o homenageou com a música Panis Angelicus e juntamente com um coro, encerraram com a Aleluia de Handel. Padre Antônio se emocionou e desceram-lhe lágrimas de alegria. Ele disse: “ Quanta gente, quantos padres vieram celebrar comigo. Estou com o coração repleto de gratidão a Deus por tudo isto em minha vida”.

Lucas com a mãe Jurema Pontello.

Dom José Belvino agradeceu a Deus pelo dom da vida de Padre Antônio Pontello dizendo: “ Ele é um homem de Deus, ele é Jesus para nós aqui na terra”.

5 comentários:

  1. Parabéns ao blog pela homenagem a quem, realmente, fez por merecê-la. Pe. Antônio sempre se destacou exatamente pela simplicidade de seus gestos e atitudes. A propósito, vale lembrar de sua presença frequente na oficina de seu amigo, o Doca mecânico, aqui em Pará de Minas, lám pelos anos 50, dando manutenção às sua velhas e barulhentas motocicletas que o transportavam pelas estradas esburacadas e poeirentas de nossa região. Era quando, lenço amarrado à cabeça e vestindo surrado guarda-pó (hoje já fora de uso), divertia a todos (notadamente a meninada) com suas perfeitas imitações de gato e de cachorro, sem nunca perder sua postura de religioso devotado. Através desse prestigiado blog, meu abraço ao Pe. Antônio. Anastácio Pinto.

    ResponderExcluir
  2. Padre Antônio é um exemplo de dedicação à vida religiosa. Fez de um tudo para interligar e ligar pessoas e cidades, prestando a sua solidariedade a aqueles mais necessitados sempre.
    Foi uma alegria poder vê-lo assim em atividade.
    Parabéns Léo por mais esta reportagem.
    Aliás, "onde está você, eu preciso saber da sua vidaaaaaaaaaaa..".
    Abraços
    José Carlos

    ResponderExcluir
  3. Prezado Anastácio, obrigado por mais uma visita ao Blog e por compartilhar suas memórias sobre o Pe. Antônio. Pelo que pesquisei, em seus trabalhos na região, o Padre Ant. também foi Vigário na Paróquia de N.S. da Piedade aí em Pará de Minas. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  4. Grande Zé Carlos! Realmente o Pe. é um exemplo, se fazia ( e ainda faz) presente, caminhava pelas ruas, no meio do povo...
    Bom "Se alguém perguntar por mim diga fui por aí..." Tô na labuta... meu caro. Até breve. Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Oi Léo
    É sempre bom ouvir você. Precisamos nos reunir novamente e conversarmos DE TUDO UM POUCO, certo?
    Um grande abraço e bom trabalho. Como disse Gonzaguinha: "Um homem precisa ter trabalho, pois sem ele não tem honra e sem a honra um homem se morre e se mata". Zé Carlos

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.