Seguidores

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

A Rebelião da Cachaça

Ilustração da matéria.
Foto: E.M. Divulgação.

No ano do tricentenário de Pitangui a pesquisa historiográfica e as publicações sobre a cidade se intensificam, como por exemplo a matéria  publicada no jornal O Estado de Minas no dia 3/1/15. O artigo é do jornalista Paulo Henrique Lobato - cidadão honorário, pitanguiense de coração e parceiro deste blog - cujo processo de criação editorial é baseado em estudos, leituras e consulta aos pesquisadores da história de Pitangui. Confira a publicação abaixo sobre um dos grandes motins ocorridos na 7ª  Vila do Ouro das Gerais.
 
Paulo Henrique e Edilson Lopes.
Foto: Léo Morato - 2013.

 
 
Nossa História: cachaça foi estopim para conflito entre portugueses e bandeirantes em Minas
 
Há 295 anos, bandeirantes que extraíam ouro na região de Pitangui se rebelaram contra Portugal, que se apossou da produção da bebida. Houve combate, com mortos e feridos
 
Pitangui e Conceição do Pará – Bebida genuinamente brasileira, a cachaça foi o estopim de uma batalha, há 295 anos, no Centro-Oeste de Minas, que entrou para a história com os sugestivos nomes de Rebelião da Cachaça e Revolta da Pinga. Foi um confronto entre tropas da coroa lusitana e uma falange de homens livres e escravos, sob o comando de bandeirantes que deixaram São Paulo em busca de ouro nas Gerais. O combate envolveu cerca de 900 homens e ocorreu a duas léguas do atual Centro Histórico de Pitangui, às margens do Rio São João, afluente do Pará, um dos principais tributários do Velho Chico.

Corria a segunda semana de janeiro de 1720, mas o conflito envolvendo a cachaça começou três meses antes. Em outubro de 1719, o capitão-mor João Lobo de Macedo, representante de Portugal em Pitangui, determinou o estanco da caninha para financiar a construção de uma igreja, da casa da Câmara e Cadeia e de um sobrado para uso do governador da capitania durante as visitas ao lugarejo. Apenas a título de esclarecimento, estanco é um monopólio estatal: apenas a coroa poderia vender aguardente.

A decisão do capitão-mor, aprovada na câmara local, não agradou aos bandeirantes, pois eles consideravam a bebida gênero de primeira necessidade à exploração do metal precioso. “A aguardente era o combustível para mover os escravos, a mão de obra usada na extração de ouro. O monopólio iria encarecer a atividade, reduzindo lucros”, diz o pesquisador Vandeir Santos, do Instituto Histórico de Pitangui.

A reação dos mineradores foi imediata. Liderados por Domingos Rodrigues do Prado, eles expulsaram da vila o representante da coroa. O presidente da câmara, que acumulava o cargo de juiz, foi assassinado no levante. O motim irritou o governador da capitania, Pedro de Almeida, o conde de Assumar. Ainda mais que os mineradores estavam em débito com o quinto do ouro – a coroa taxava em 20% a extração do metal na colônia. Em Pitangui, quando ocorreu a Revolta da Cachaça, a dívida estimada era de sete arrobas.

Resultado: o conde determinou que uma tropa fosse a Pitangui pôr fim ao levante causado pelo estanco da pinga e cobrar o débito referente ao quinto do ouro. “A Rebelião da Cachaça foi a gota de fel que fez transbordar a ira de Assumar. A ordem foi prender os líderes do motim e promover o sequestro dos bens. Iria ser instaurada a devassa. Era crime de lesa-majestade (o motim), resultando em mortes na forca e esquartejamentos”, ressaltou o historiador Raimundo da Silva Rabello, autor de O payz do Pitanguy. O livro destaca que a tropa enviada pela coroa reunia 500 homens.

Os bandeirantes-mineradores organizaram uma coluna com 400 pessoas e esperaram o inimigo em trincheiras, às margens do São João. Nenhum historiador se arrisca a dizer quantas vidas foram perdidas no combate. Mas, como destaca Rabello, houve muitos mortos e feridos. A coroa venceu a batalha. O líder dos bandeirantes, Domingos Rodrigues do Prado, fugiu para um pedaço de terra próximo ao encontro do São João com o Pará.

Forca

O lugarejo hoje é chamado de santuário e pertence a Conceição do Pará, emancipado de Pitangui em 1962. Lá mesmo, o bandeirante soube que o governador havia lhe decretado a pena de cabeça: seus bens em Pitangui foram confiscados e sua prisão ou assassinato seriam recompensados com moedas de ouro. Alguns historiadores defendem a tese de que o governador mandou fazer um boneco de Domingos e o enforcou em efígie. O simbólico ato, comum na época, tinha efeito jurídico de morte civil. “Domingos passaria à condição de execrável e teria suas propriedades destruídas e o solo salgado. Seus descendentes seriam declarados infames até a terceira geração, como ocorreria, posteriormente, com Tiradentes (Joaquim José da Silva Xavier)”, acrescentou Rabello.

A notícia teria chegado ao bandeirante em poucos dias. Em resposta a sua “morte civil”, continua Rabello, Domingos mandou fazer um boneco do governador e também o enforcou em efígie, no largo da Capela de Nossa Senhora da Conceição, no Santuário de Conceição do Pará. Outros pesquisadores refutam a história de ambos enforcamentos em efígie. No artigo Ocorrências em Pitangui, Teóphilo Feu de Carvalho sustenta que a execução só ocorreria se o réu estivesse presente em todas as formalidades processuais.

“Se não foram satisfeitas e nem cumpridas, a morte em efígie não poderia ter todas as consequências jurídicas daquele tempo, como (tem a morte) natural. Seria uma inutilidade sem que pudesse utilizar-se dos efeitos que acarretaria se legalmente executada”, escreveu Carvalho. De qualquer forma, quase 300 anos depois, a Revolta da Cachaça atrai estudiosos e curiosos à região.

“Recebi um grupo da Universidade de São Paulo (USP). Um professor e quatro alunos. Vieram fazer um trabalho e me pediram para acompanhá-los em alambiques. Em um dia e meio, visitamos 32”, destaca José Raimundo Machado, morador de Conceição do Pará. Dono de um teatro na cidade, ele defende um roteiro turístico para lembrar a Rebelião da Pinga.
 
Links relacionados:
 
 

2 comentários:

  1. Assim como quem caça acha, quem cacha, aça... - se não der bandeira antes...


    Paulo Miranda, BH

    ResponderExcluir
  2. Olá. boa tarde. Sou da Escola de Samba Canto da Alvorada de BH. Preciso falar com o Dênio com urgência. estive com ele no programa Acir Antao. Gentileza passar meu contato 31 89316324 Elisa

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.