Seguidores

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Quando o Carrasco Fortunato passou por Pitangui

A postagem de hoje está diretamente ligada a visita de Max Botelho, editor do blog "Arraial do Ouro" ao "Daqui de Pitanguy", quando, ao postar um comentário deixou o convite para visitarmos o seu blog, onde trata, especialmente, da história do município mineiro de Paracatu.
Ao visitar as páginas do "Arraial do Ouro" me deparei com a postagem intitulada "O Carrasco Fortunato José", que conta a história de um escravo que foi preso por homicídio. Geralmente, um escravo julgado por este crime seria condenado a pena de morte, porém, Fortunato - este era o nome do condenado - teve sua pena "comutada na prisão perpétua com a obrigação de servir de algoz a outros miseráveis condenados à forca" (BOTELHO, 2015).Assim, Fortunato cumprirá sua pena exercendo a função de carrasco dos condenados ao enforcamento. Durante sua vida executou condenados em várias localidades de Minas Gerais e até no Rio de Janeiro. Em Pitangui executou dois condenados.
Saiba mais sobre a história do carrasco Fortunato José clicando na imagem abaixo (Fortunato fotografado no leito de morte, na cadeia pública de Ouro Preto), que o levará às páginas do blog "Arraial do Ouro". Boa leitura!

Imagem disponível em: http://arraialdoouro.blogspot.com.br/2015/01/o-carrasco-fortunato-jose-carrasco.html?showComment=1421358994667#c6726151449787607176, acessado em 15/01/2015.

4 comentários:

  1. Parabéns pela postagem prof. É incrível como as mídias "alternativas" mantém um bom nível de conteúdo e atratividade! Irei conferir o blog Arraial do Ouro. Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Léo.
      É verdade. Estes caminhos alternativos midiáticos são mesmo fantásticos.
      Abraço.

      Excluir
  2. Reveladora postagem. Chama-me atenção aqui estarem também as freiras incluidas no rol dos intocáveis. E também, do paradoxo, do infeliz algoz, na lei dos homens, ser chamado Fortunato.

    Paulo Miranda, BH

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Paulo Miranda.
      é mesmo uma história reveladora. Fortunato dormia com os presos por onde passava como carrasco. Mudou de hábito quando foi atacado a navalhadas na cadeia de Pitangui.

      Excluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.