Seguidores

domingo, 1 de fevereiro de 2015

A poesia de nossas ruas

Paulo Salatiel e Jorge Guerra.
Foto: Léo Morato - 2011.

Fevereiro tem carnaval, mas enquanto isso vamos de poesia! O fotógrafo Paulo Salatiel, pitanguiense de coração, escreveu alguns versos relatando a cidade com a mesma sensibilidade e simplicidade com que faz as suas belas fotos. E ele nos manda um recado: "Não sou poeta e nem escritor. Faço fotos e gosto do que faço. Com minhas fotos às vezes faço alguns versos". É isso aí senhor Paulo, fique à vontade para colocar no mundo as cores e os sentimentos que tens por dentro!

Foto: Léo Morato - 2013.

 
As ruas de Pitangui.

Ruas e ruelas de Pitangui.

Calçadas de pedras formato pé-de-moleque assim era.

Hoje já não vejo mais elas, são apenas lembranças delas.

Ruas onde passava os tropeiros com seus burros e suas éguas, trazendo e levando suas cargas, vivendo delas.

Ruas de subidas e descidas íngremes, casarões com suas eiras e beiras salientes e belas.

Bem cuidadas, coisas de muito orgulho que foi para muita gente que gostava de exibir todas elas.

Casarões de muitas janelas, grandes e imponentes cada uma com um estilo, todas belas.

Ruas, onde as donzelas escondidas por trás das janelas, olhavam os  jovens que subiam e desciam por elas.

Ruas onde senhores se cumprimentavam tirando o chapéu e as damas, orgulhosas com os cumprimentos, abaixando os olhos, disfarçavam seus contentamentos.

Coisas delas.

Rua que hoje passo por elas, ainda tem pessoas idosas ainda nas janelas, algumas com o terço nas mãos, rezam suas preces, outras,  apenas olhando quem vem e se vão.

Um cumprimento aqui, outro, ali, alguns respondem outros não.

Uma prosa rápida com um, outras vezes demorada com outros, faço amizades.

Assim caminho nestas ruas, às vezes vazias, às vezes, cansado.

Mas, mesmo assim, gosto de caminhar por elas, me faz bem.

 (Paulo Salatiel)
 

4 comentários:

  1. Cada vez mais me convenço de que Pitangui tem Paulo pra toda obra. De sobra. E agora então, diante desse Dom Ruão, como não se enternece um coração? E pela nossa ruaria, esse iluminado Beco dos Valérios não é a expressão da mais pura poemia?

    Paulo Miranda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elementar meu caro Paulo. Que essas "Paulesias" continuem a embelezar esta Pitangui que enxergamos! Um abraço.

      Excluir
  2. Gostei do seu poema, é uma homenagem bonita à nossa cidade. Acho que descreveu o que nela há de melhor. A tua simplicidade me surpreende e a profundidade me fascina. Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. E esse é um dos mais belos patrimônio da cidade.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.