Seguidores

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Tímido Zé, ou time do Zé?

Sô Zé Emídio de Castro.
Foto: Léo Morato 9/6/10.

Uma cidade não feita de só por suas ruas, praças, comércios e prédios públicos. Ela é feita sobre tudo por sua gente, seus costumes, suas histórias. E por falar nisso, quem não tem uma boa lembrança sobre a convivência com o Sr. Zé Emídio em uma das várias facetas deste cidadão de bem? Seja no futebol, na escola, na religião, no convívio social o Sô Zé sempre foi uma boa referência, principalmente para os mais jovens. Nesta postagem apresentamos mais uma crônica pitanguiense, que hoje aborda sobre o Zé Emídio.

 Clube Atlético Pitanguiense. Década de 1950.
Em pé: Sô Zé Emídio, Verinho, Lindolfo Giriza, Hermes, Arésio Palica, Sabará e Múcio do Cardoso.
Agachados: Cate do Ildefonso, Silas, Divino, Messias e Tarcísio Palica.

Por Paulo Miranda.

Não conheci menino de minha Velha Serrana que não enchesse a boca ao confessar seu sonho de jogar no time do Zé. O Zé, e esta abreviação bastava, eram muitos, mas o que se bastava, e contava, era o José Emídio de Castro, que acabava ficando mais sonoro como Zé Emílio, ou Zeemilho. E olhando bem essa forma final e cabal, me dou conta agora que parece até um nome holandês, daqueles do futebol-carrossel que encantou o mundo nos anos setenta, Jesus Cruyif! Tiraram o Brasil da reta e do treta com um show de bola na semifinal da Copa de 1974, apesar do nosso loirinho Marinho, que até apanhou do Leão, nada mansinho.

Então, vamos de Zeemilho. Um biafro, baixim, jeito de arrogante e puxa saco dos ricos. Podia-se falar, pensar ou cochichar o que se quisesse, mas o Zé era um laborioso, um virtuoso, um vitorioso, um ídolo, um pai - ou um tio, vai.

Seu time tinha mais branquinhos e mauricinhos, é verdade. Treinavam no campo do Atlético, o time da elite da cidade, o que no entanto, não impedia a ascensão de meninos da periferia ou de variada etnia. Contudo era mais por capricho, ressentimento ou impotência que se criticava o Seu Zé. Que ele se consolasse com o Zagallo, o Telê e até com o Rinus Michel, que tiveram também os seus dias aziagos.

E vitória em cima de vitória, de exibições de gala iam comemorando os meninos do Zeemilho. Havia uma constelação deles, uma geração se sucedendo a outra. Eu peguei o tempo do Tiãozinho, um Maradona antes do Dieguito, o Matosinhos, o Ivan, mais terrível que o Tostão do IAPI, o Derlúcio, um digno sucessor nacional pra Obdulio Varela... e muitos outros. E isso sem contar os que já haviam subido pro time titular do Atlético, ou só pras arquibancadas, pra agora ver a juventude de bola cheia.

Não nego que tentei lá minha sorte, abandonando temporariamente as peladas rueiras, botando chuteiras pra ver se embicava naquelas aclamadas fileiras. Mas não deu, apesar do esforço meu. Precisava classe, algo mais. E uma das poucas alegrias que experimentei com o Zeemilho de testemuha foi um jogo-treino em que meu time, já formado de dissidentes e de descrentes, fez um gol no time dele. E de cobrança de falta de meu pé direito. Vivi um carnaval, estava vingado e ainda arrastei mala. Por uns quinze minutos, se muito, entretanto.

Logo o seu Zé reorganizou o time, botou um reforço, justamente o Bis, meu ex-colega de grupo escolar, e pronto: com pouco tava liquidada a fatura, em favor deles: 2 a 1. Mas como aqueles quinze minutos valeram e me lavaram a alma naquele piso onde a poeira costumava chegar às canelas, e se afundar nelas.

Mas uma coisa aprendi com o Zé: como dar passes direcionados com o mínimo de erro. E lá o vejo, de botinas surradas, usando o lado interno do pé, sem que barro ou poeira interfiram na direção do chute. Simples, não? Ele gritaria com sua voz um tanto esganiçada, mas atenta, e mais atenta, a molecada.

E não sei como o Zé ainda achava tanto tempo para dar oito horas diárias na fábrica de tecidos, frequentar igreja e movimentos paroquiais de orientação de jovens, monitorar retiros espirituais, viajar nos fins de semana com seu esquadrão de ouro, parar no meio da rua para ouvir uma piada ou puxar uma orelha, cuidar da família que crescia a cada dia, atender curso noturno até se formar no colegial - e vai ver até que, no recreio, ainda querer fazer peru, comigo no meio.
Publicado originalmente em: http://www.recantodasletras.com.br/homenagens/5110403

 
                               
https://www.youtube.com/watch?v=HRTKFlONFLg

5 comentários:

  1. Parabéns pelos escritos, Paulo !!
    Relatando o comentário de Fabiano Cançado, que ao ler a crônica, voltou pelo túnel do tempo e se recordou que certa vez, num treino de quinta feira pelo CAP, ele se desentendeu com o Sr.Emídio e o professor não o relacionou para o jogo de sábado, que seria contra o time do Hermes, que está na foto acima, que seria um "junta" do São Francisco. O treinador sempre expunha a relação dos convocados do CAP, no bar Elite, sempre na sexta feira no horário do almoço. Ao passar para conferir a escalação, Fabiano percebeu que não fora convocado e, logicamente, ficou chateado com a situação. Mais tarde ele encontrou com o Hermes, com quem tinha amizade muito próxima, e comentaram a respeito da convocação e o amigo Hermes convidou Fabiano para atuar como meia-ponta-de-lança em seu time. Resultado, 4 x 0 para o time do Hermes, com os 4 gols do Fabiano, que ao comemorá-los fez questão de passar bem próximo ao banco de reservas do CAP, para que o Sr.Zé nunca mais esquecesse dele !!

    Aposto que o Sr. Zé Emídio deve ter falado assim :
    - ôh bosta de cobra ... amarela !!!!

    ResponderExcluir
  2. Pelo Zé, ou contra o Zé, tudo parecia apaixonante, com a bola rolante.. Esperemos que outros relatos testemunhais, como o do Fabiano, venham à baila. Quem sabe até, contado por Laila - ao menos para aqui rimar, pois bola por bola quem já viu jogar um Nazar?

    Paulo Miranda

    ResponderExcluir
  3. Que bela homenagem para o Zé Emídio. Um batalhador, uma figura carimbada que espelha a figura do pitanguiense de verdade. Aquele que sempre trabalhou pensando no outro, mesmo que para isso ele tivesse que tomar atitudes mais duras. Afinal de contas dores também fazem parte de quase tudo em nossas vidas e espelham os sacrifícios que precisamos passar para crescer . Não joguei futebol com ele mas com o Dirceu, meu tio, lá no PEC. Tempo bom... não volta mais..... saudade........ Zé Emídio fez e faz política. Ele sabe discernir o jôio do trigo. Com a sua experiência de vida, seria um excelente consultor de nossa política pitanguiense. Ele sim faz o que um lider precisa fazer sempre e sempre. ESTAR PRESENTE ONDE O POVO ESTÁ. Parabéns Zé Emídio por contribuir de uma maneira tão simples e correta, para o engrandecimento da cultura de nossa Terra. Zé Carlos

    ResponderExcluir
  4. Justa homenagem... foi um homem de conduta exemplar, deixando para seus filhos, amigos e pessoas próximas seu legado. Foi um grande orgulho para nossa cidade. Merece nossos aplausos e reconhecimento por tudo que fez.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.