Seguidores

sábado, 25 de abril de 2015

O espírito e o médium eletricista

    Além de um lugar para se cortar cabelo e fazer a barba, a barbearia do Vela, como é popularmente conhecido o Edson Martins dos Santos, é o principal centro da conversa fiada em Pitangui. Enquanto se espera pela vez de ser atendido se escuta de tudo daqueles que aguardam a vez do atendimento.  Além dos delirantes relatos dos tesouros perdidos que povoam a imaginação do Vela, a viagem na maionese dos clientes nos permite contato com todo tipo de relato.

Barbearia do Vela - Foto: Vandeir Santos

     O mais interessante que escutei fala de uma idosa pitanguiense que falecendo teve a casa reformada e alugada pelos herdeiros. Até então nada demais se não fosse o fato do inquilino ser médium, tinha a capacidade de se interagir com o além. O problema é que a falecida dona do imóvel não havia até então “encontrado a luz”, vivia a vagar pela casa importunando o atual habitante do imóvel desligando a televisão, abrindo torneiras, fechando portas e derrubando objetos. Acostumado com as coisas do outro mundo o locatário relevava os fenômenos e se limitava a rezar pela salvação da pobre alma.


     Mesmo aqueles que compreendem as razões do mundo espiritual tem seus limites e isto não era diferente com aquele inquilino. Certa noite a fantasma surtou e não satisfeita com as proezas diurnas resolveu perturbar o sono do rapaz fazendo dele montaria. Para azar dela, o atual ocupante do seu quarto talvez tenha sido ocupante de um consultório de proctologia em alguma vida passada e vendo que suas rezas não surtiram nenhum efeito em acalmar o revoltoso espírito e que o mesmo se tornava cada dia mais ousado não pensou duas vezes e emendou um “fio-terra trifásico” na alma penada. Não se sabe se foi a intensidade da corrente ou da tensão mas o curto-circuito transcendental gerado no fiofó da véia causou um clarão forte o suficiente para que ela imediatamente enxergasse o caminho do paraíso. Nunca mais voltou.

Vandeir Santos


4 comentários:

  1. De todos os relatos que já ouvi na barbearia, esse é inesquecível, sabia que você não perderia a oportunidade de postar ! kkkk

    ResponderExcluir
  2. A anedota do Vandeir
    espirituosa se reVela
    faz a gente agar de rir
    e ate morder, um banguela

    Paulo Miranda - ja tonsurado na bem dita barbearia

    ResponderExcluir
  3. Do universo pitoresco esta foi uma das melhores histórias.
    Ótima postagem, Vandeir!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Anedota figaresca

    Esta não é de minha autoria, que ma contou foi o Dinho da Bia.

    O sujeito chega na barbearia e, vendo dois assentados, na espera, vai logo falando: volto depois. E de fato, voltou, mas, ao voltar, vê mais dois ou três outros fregueses, fala e faz a mesma coisa. E quando repetiu seu ato pela sétima vez, o barbeiro, curiosíssimo, disse pro seu assistente:
    Menino, vai lá, discretamente, e segue aquele cara, vê onde é que ele tá indo...
    Dito e feito: quando o garoto voltou, disse prum aflitíssimo barbeiro:
    Né nada não sô, er foi foi lá na sua casa...

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.