Seguidores

segunda-feira, 6 de abril de 2015

O viagra foi descoberto em Pitangui!

Dr. Romualdo Lopes Cançado Filho, o Dr. Dito, nasceu em Pitangui a 16 de novembro de 1892, formou-se primeiramente em Ciências e Letras em Ouro Preto e posteriormente em Medicina na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro em 1916, exercendo a profissão em Pitangui até 1971.
Casou-se pela segunda vez com Maria Carmelita Mascarenhas, a qual já tinha dois filhos de seu casamento com o finado Dr. Almir Mascarenhas. Antônio e Geraldo passaram a residir com o padrasto na imponente casa da rua Padre Belchior nº 146, atual imóvel da Pousada Dr. Dito.
Nos idos dos anos 30 do século passado o médico era dono da fazenda Tabatinga que era gerenciada pelo meu avô materno Vicente Ribeiro da Silva. Mesmo após meu avô se mudar para Campo Grande, Dr. Dito era visita frequente, era gente da casa e se sentia totalmente à vontade para comentar o cotidiano da cidade.
Pelo que conta minha mãe, os enteados do médico não eram um exemplo de santidade, viviam aprontando e dando trabalho ao doutor e o ambulatório no térreo do casarão era um perigoso parque de diversões para os irmãos. Certo dia um dos rapazes querendo demonstrar a uma moça que ele já dominava o uso da injeção pegou o primeiro remédio que encontrou pela frente e se aplicou. Não chegou a correr nenhum risco de vida, afinal tratava-se de remédio para indução ao parto, certamente não conseguiu parir nenhuma criança mas, por outro lado, não saiu incólume desta experiência.
Naqueles dias Dr. Dito pôde ser visto chegando a casa de meu avô com um largo sorriso no rosto e sem levar em consideração o gênio sistemático de Vicente Ribeiro se pôs a contar a aventura do rapaz que não pariu mas devido a um efeito colateral qualquer entrou em estado de ereção contínua que nem mesmo a larga experiência do médico conseguiu interromper.
▬ Vicente, não sei mais o que faço, já apliquei todo tipo de calmante no menino e ele está lá marcando meio dia há mais de 48 horas e nada da coisa abaixar.
▬ Deixa ser bobo Doutor, que conversa perdida!
▬ É sério Vicente, a barraca do rapaz só quer saber de ficar armada, já tentei de tudo e não consigo resolver o problema.
O rapaz só se viu livre daquela situação quando o princípio ativo do remédio deixou de fazer efeito. Portanto, muito antes de um Campbel inglês descobrir os efeitos do Citrato de Sildenafila, um Mascarenhas pitanguiense já havia descoberto uma maneira de “ressuscitar os mortos”.

Vandeir Alves


5 comentários:

  1. Com essa história do Vandeir
    num tema tão delicado
    não é só Jonba que faz rir
    - ou será que falo fiado?

    ResponderExcluir
  2. O dr. Dito pertence à nobre estirpe dos Lopes Cançado, de Pitangui. Sua 2ª esposa é que é Mascarenhas (não menos nobre)... Mesmo assim, por empréstimo!
    Luiz Vasconcelos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente Luiz, o Mascarenhas ao qual me referi é o enteado do Dr. Dito (filho do Dr. Almir Mascarenhas) que aplicou em si próprio o remédio. Minha mãe não se lembra mais com certeza qual dos dois foi o autor da proeza, ela acha, não tem certeza, que foi o Geraldo.

      Excluir
  3. E por falar em causo do Dr. Dito... olhem esse aqui: http://daquidepitangui.blogspot.com.br/2011/12/foto-memoria-rua-padre-belchior-e-seu.html

    ResponderExcluir
  4. Caro Anônimo,
    seu comentário foi excluído por falta de identificação de e-mail e nome do autor.

    Att.

    Equipe "Daqui de Pitanguy".

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.