Seguidores

terça-feira, 19 de maio de 2015

A Restauração das nossas Imagens Sacras


Na sequência de postagens sobre a Semana Nacional dos Museus, reproduzimos a matéria veiculada hoje no jornal Estado de Minas, de autoria do jornalista Paulo Henrique Lobato, sobre o processo de restauração das Imagens Sacras de Pitangui. A iniciativa dos trabalhos de recuperação do acervo é da Prefeitura Municipal, por meio da Secretaria de Cultura, Patrimônio e Turismo, que merece os aplausos e o reconhecimento dos pitanguienses. Confira a reportagem abaixo, na íntegra:


Fotos: Paulo Henrique Lobato

Imagens religiosas são recuperadas em Pitangui

Restauradores usam de muita paciência e cuidado para revitalizar 45 imagens religiosas em Pitangui. Peças serão entregues à população nos festejos de 300 anos da Sétima Vila do Ouro.

Por Paulo Henrique Lobato.

Pitangui – É com muita paciência e todo o cuidado exigidos pelo ofício que Brenda Nobre de Almeida ajuda no restauro da imagem de Nossa Senhora das Dores, esculpida em madeira no século 18. A peça é uma das 45 imagens sacras em reforma para serem entregues à população do município no aniversário de 300 anos da cidade histórica conhecida como a Sétima Vila do Ouro, fundada em 9 de junho de 1715.

“A maioria das peças é da primeira metade do século 18. Muitas têm integração cromática, assentadas com folha de ouro”, conta o restaurador Marcos Antônio de Faria. “O trabalho começou no fim de 2014 e deve ser concluído este mês”, acrescenta Antônio Lemes, secretário municipal de Turismo, Cultura e Patrimônio Histórico de Pitangui.

Boa parte do acervo é tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Essa é a primeira vez que as peças passam por uma restauração mais profunda. Na década de 1980, o poder público garantiu apenas a higienização das imagens. De lá para cá, muitas foram danificadas por cupins. Algumas estavam quebradas.

O custo total do serviço é de R$ 250 mil, valor considerado irrisório diante da importância histórica das peças, como a de Nossa Senhora das Dores, que ganha novo visual nas mãos de Brenda. A imagem ficava no interior da antiga matriz, destruída, em 1914, por um incêndio.

Causos contados por aquelas bandas dão conta que um senhor franzino desafiou as labaredas para retirar a santa de madeira do altar. Embora ela pese 60 quilos e tenha quase um metro e meio de altura, a tradição oral sustenta que o homem não fraquejou enquanto caminhava, a passos largos, com a imagem entre os braços.

A peça foi uma das atacadas por cupins e outras pragas. Tanto que o diagnóstico do Grupo Oficina do Restauro, empresa de Belo Horizonte que venceu a licitação para o serviço, constatou que “a base tem perdas no suporte, galerias internas e rachaduras e, no que tange a policromia, descolamentos e sujidade generalizada”.

Outra imagem restaurada foi a de Nossa Senhora da Penha, trazida pelos primeiros brancos que desbravaram o então inóspito sertão do que viria a ser, em 1720, a capitania das Minas Gerais. Pitangui, hoje com cerca de 30 mil habitantes, foi fundada por bandeirantes paulistas que encontraram pepitas de ouro no morro conhecido atualmente como subida do Batatal.

A imagem de Nossa Senhora da Penha, com 80 centímetros de altura e 40cm de largura, estava com a mão direita fixada com material inapropriado. Havia ainda uma camada de repintura. O restaurador Luiz Rosa ajudou a restaurar a santa: “É um trabalho gratificante”.


QUADRO

O acervo conta ainda com castiçais, cálices, crucifixos e telas. Uma delas, com 89cm de altura por 112cm de largura, retrata o interior da antiga matriz, Nossa Senhora da Piedade – a atual é a Nossa Senhora do Pilar. A pintura é assinada por Jair Inácio, artista ouro-pretano que fez fama no século passado. “Foi um grande restaurador. Criou técnicas próprias”, elogiou Marcos Faria.

Ele é o responsável pela equipe de seis profissionais e quatro estagiários que trabalham no local. A presença de aprendizes no serviço foi uma das exigências da prefeitura. Da mesma forma, eles devem morar na cidade. É o viés social do projeto.

Foi assim que Brenda, a jovem de 21 anos que ajuda no restauro da Nossa Senhora das Dores, conseguiu a vaga. “O estágio está sendo importante para aprender sobre restauração e, claro, preservar uma parte de nossa história”, disse a jovem.




 Reforma do museu em andamento 

Depois de restauradas, as peças serão transferidas em definitivo para o Museu de Artes Sacras de Pitangui, também em reforma. As obras, orçadas em mais de R$ 1 milhão, devem ser concluídas até dezembro. O casarão, erguido no fim do século 18 e com 17 cômodos, está fechado à visitação pública há quase duas décadas.

O imóvel, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha), tem paredes de pau a pique e piso de madeira.

O forro foi trocado e um dos cômodos ganhou nova pintura, inspirada numa antiga que retrata o início da república. Lá, além de profissionais, também há mãos de estagiários, como as de Silvana Ribeiro: “Está sendo um prazer ajudar a recuperar nossa história.”

O sobrado é rico em história. Foi construído a mando do major Joaquim Inácio, um rico fazendeiro que viveu na região no século 18. Ele desejava que o casarão pudesse ser a residência oficial do presidente da província mineira. Para ele, a Sétima Vila do Ouro poderia ser, algum dia, a capital das Gerais.

As peças sacras ficarão no segundo pavimento do sobrado. Parte do primeiro deve ser ocupado pela Secretaria de Cultura e Turismo ou algum departamento da pasta.

Fotos: Paulo Henrique Lobato.


Fonte da pesquisa: http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2015/05/19/interna_gerais,648927/historia-cercada-de-carinho.shtml

5 comentários:

  1. A fim dum restauro também
    não posso dizer que eu minta
    se os anjos disserem amém
    enquanto me banham de tinta...

    ResponderExcluir
  2. Que orgulho eu estou em saber de tais feitos. O que são duzentos e cinquenta mil reais diante de tanta riqueza!!! Não vejo a hora de poder ver todas estas obras de perto. Isto sim é preservar a história. Isto sim é poder contar a história. Isto sim é poder estar contido na história. Que alegria!
    Parabéns pela matéria Leo e também a todos os envolvidos direta ou indiretamente neste resgate histórico.
    Ps- Mesmo de longe vou procurar estar com vocês via internet. Em final de junho estarei de volta.Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Então, que os anjos digam amém, caro Miranda, abraço!

    ResponderExcluir
  4. Caro Zé, é a nossa história, nossas artes, nossos patrimônios que nos diferenciam enquanto cidade histórica. E, dentro do conceito que temos de Cultura, tudo que é bom para a cidade terá destaque nas páginas do Daqui de Pitangui!

    ResponderExcluir
  5. Bom dia, meu nome é Liliam Vasconcelos sou representante de um fabricante de olhos de vidros para imagens de santos, gostaria muito de fazer contato com sua empresa para fornecer olhos de excelente qualidade , com preços atrativos .
    Grata .
    Liliam Vasconcelos.
    Cel: 11-998486225 Tim , Whatsap.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.