Seguidores

sábado, 16 de maio de 2015

O Largo da Matriz

 A imponente Matriz do Pilar.

O termo largo nada mais é que um espaço deixado no mapa urbano para criar uma perspectiva para vultosos edifícios. E muitas praças originaram-se de largos ou são complementações dos mesmos, como por exemplo o Largo da Igreja de São Francisco e o da Matriz de N.S. do Pilar de Pitangui, conforme as imagens desta postagem.

 Casarões no entorno do Largo da Matriz.

 O histórico Chafariz e a Igreja.

 Vista Noturna, com destaque para a Pousada Monsenhor Vicente.

As portas frontais da Matriz do Pilar.
Fotos: Leonardo Morato.

Fonte da pesquisa: http://pt.wikipedia.org/wiki/Largo_de_S%C3%A3o_Francisco. Consultado em 16/5/2015.

5 comentários:

  1. Por esse bendito largo/
    uma coisa não passou/
    diligência do Wells Fargo/
    que tanto ouro carregou...

    ResponderExcluir
  2. Lindas imagens! O Largo da Igreja de S. Francisco e o da Matriz de N.S. do Pilar, valorizam ainda mais todas as belezas das igrejas e casarões históricos ao seus redores, tornando a cidade mais agradável e charmosa aos olhos das pessoas.

    ResponderExcluir
  3. Como os casarões embelezam de verdade a nossa Pitangui. É uma pena tantos outros terem ido embora da paisagem. Quero dizer FORAM RETIRADOS dela.
    Preservar é muito mais do que não tirar, ou não derrubar..... é cuidar.
    De vez em quando encontramos pessoas querendo reescrever a história da cidade, atualizando textos, por exemplo. É bom lembrar que reescrevê-la, não significa fazer alterações nos documentos históricos, mas sim, fazê-la com outro material, usando por exemplo, uma simples caneta esferográfica. Todos sabemos que ela é uma evolução da pena e da caneta tinteiro... mas é só isso.....

    ResponderExcluir
  4. Como os casarões embelezam de verdade a nossa Pitangui. É uma pena tantos outros terem ido embora da paisagem. Quero dizer FORAM RETIRADOS dela.
    Preservar é muito mais do que não tirar, ou não derrubar..... é cuidar.
    De vez em quando encontramos pessoas querendo reescrever a história da cidade, atualizando textos, por exemplo. É bom lembrar que reescrevê-la, não significa fazer alterações nos documentos históricos, mas sim, fazê-la com outro material, usando por exemplo, uma simples caneta esferográfica. Todos sabemos que ela é uma evolução da pena e da caneta tinteiro... mas é só isso.....

    ResponderExcluir
  5. Pois é meus caros, é atrás desses cenários (casarões, ladeiras de pedra, becos, chafarizes e praças) somados a uma boa e diversificada rede de serviços que os turi$ta$ vão às cidades históricas. E sobre o correto propagar da história e das tradições: "A tecnologia muda, o conteúdo fica" (Marcelo Tas 2015).

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.