Seguidores

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

Havia uma casa

 
Tinha uma casa no meio do caminho.
No meio do caminho tinha uma casa.
 
 
Obs: esta foto é de 2010, mas em 2012 esta casa foi ao chão. A mídia na época noticiou que, por não estar na área do tombamento (Centro Histórico) esta casa foi ao chão. Restou então foto e memórias!

10 comentários:

  1. Aí pertinho da estação,
    a foto traz idéia precisa:
    me encho de recordação
    e com ela, a ojeriza...

    Contudo, sem Maria Elisa...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Miranda

      Com muitas memórias
      Você é até conciso
      Contar e registrar histórias
      É deveras preciso

      Excluir
  2. Equipe do Daqui de Pitangui, Triste também é ver que outros imóveis ainda de pé só permanecerão na memória e em registros assim. E o acervo da igreja de Brumado e outras relíquias coloniais, presos na agência do Banco do Brasil, (Ela mesma, construída a partir da derrubada de um sobrado.), continuarão inacessíveis à população? Quem não conhece não tem interesse em preservar. Por que os alunos da rede pública nunca tiveram essa oportunidade?

    ResponderExcluir
  3. Casa do "Chico Jiriza". Como todas as casas antigas não tombadas, acharam mais facil jogar no chão que conservar. Lamentável.

    ResponderExcluir
  4. Caro Neylor, bastante pertinente o seu registro! Já publicamos por aqui uma foto do casarão que antecedeu o prédio do BB. Penso que esta temática preservação x "progresso" vem desde a 1ª metade do século XX quando o ilustre Capanema, ao criar o IPHAN, deixou Pitangui à parte das leis de proteção do patrimônio histórico (pelo menos não encontramos até o momento documentação que prova o contrário). De lá pra cá muita coisa se perdeu devido à exploração imobiliária e a falta de conhecimento sobre a importância do casario histórico para o Turismo... Há uns 15 anos aproximadamente o despertar da consciência vem acontecendo aos poucos e boas ações de restauração e o tombamento do Centro Histórico veem contribuindo para a preservação da memória coletiva. Mas restaurar o patrimônio e manter o asfalto em cima do paralelepípedo é incompatível, não? Sobre o acervo do IHP penso que é uma questão de pouco tempo para que a população tenha acesso. E, de acordo com a programação da Semana Cultural de Pitangui que acontece de 24 a 30/9/15 haverá palestras e visitações sob a ótica do Turismo e Patrimônio Histórico. Pretendemos participar destes eventos e divulgaremos por aqui. Grande abraço e volte sempre!

    ResponderExcluir
  5. Seja bem vinda Luiza! Neste documentário o Beto Giriza, fala um pouco de uma infância nesta casa. Um abraço e obrigado pela participação. https://www.youtube.com/watch?v=ZXAGYQBMp2E

    ResponderExcluir
  6. Havia uma casa que por muito tempo abrigou pessoas e acumulou histórias. As pessoas foram embora e sobrou a casa histórica. A casa foi, então, jogada ao chão. Máquinas removeram o entulho, homens aplicaram cimento e hoje temos um estacionamento. Seria necessário muito mais tempo para que a nova estrutura adquirisse valor histórico, mas isso nunca acontecer. Esse tipo de lugar não acumula gente e sem gente não há história. Só cimento. :(

    ResponderExcluir
  7. Bravo, Ricardo! Gosto muito deste poema do Seu Jorge:

    LAMENTO DO CASARÃO


    Não me deixe sucumbir,
    Pro chão não quero ir.
    Muita chance ainda me resta.
    Faço parte do passado.
    Conservem-me com muito cuidado,
    Pra muita coisa ainda presto.


    Lembrem-se de que abriguei
    Avós, pais e filhos teus
    E muitos são hoje doutores
    Não têm lembranças de mim
    Quando em seus jardins,
    Trocaram juras de amores?


    Guardo em minhas paredes
    Onde penduravam suas redes,
    Muitas e muitas histórias.
    Guardo bastante segredos
    De que muitos até têm medo
    De trazê-los à memória.


    Faço parte da história
    Dos nossos tempos de glória
    Não deixem ao chão me jogar.
    Sou mais um casarão,
    Prestes a ir ao chão.
    Mas hoje está em suas mãos,
    Esse crime evitar.

    (Jorge Guerra)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dá mesmo certo arrepio/
      ouvir o ás da construção/
      narrando seu desvario/
      ante tanta desconstrução...

      Excluir
  8. Gente se alguem puder me ajudar,minha bisavo maria teodora de jesus e meu bisavo jeronimo januario da cruz tinham um casarao ai em dores, tiveram minha avo orozimba maria de jesus ai, gostaria dw ver alguma foto do casarao

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.