Seguidores

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

A história pendurada na parede


 Normalistas de 1926.

Em setembro passado, durante a Semana Cultural 2015, fomos participar de uma palestra realizada no Colégio - EEMAO - sobre patrimônio cultural e o acervo do Instituto Histórico de Pitangui. Acompanhados do amigo Antônio Navarro (Nego Relojoeiro) retornamos às dependências administrativas da escola, não como alunos, mas para apreciar a história retratada nos quadros na parede.
 Normalistas de 1928.
Os quatro painéis retratados, além de  contar um pouco da história desta tradicional escola pitanguiense, também representam um estilo artístico da primeira metade do século XX, poucos anos após a Semana de Arte Moderna de 1922.


 Normalistas de 1930.

Na breve visita, outro fato também chamou a nossa atenção: as cidades da região de onde vieram os alunos e os seus sobrenomes (algumas famílias que compunham o cenário político da época). As informações contidas nas fotos e suas respectivas legendas, comprovam a importância  e referência econômica e cultural de Pitangui até meados do século passado.

 Normalistas de 1933.

E no caminho entre o rol de entrada e o galpão onde a palestra foi ministrada tem o pátio interno, onde inevitavelmente recorda-se os anos vividos nesta escola, onde as boas lembranças não envelhecem.
O pátio do Colégio e [no alto] a Cruz do Monte.

Texto e Fotos: Leonardo Morato.

3 comentários:

  1. Passar por esses umbrais
    não passamos tantos de nós,
    dando alegria para os pais
    que hoje já mais são que avós...

    ResponderExcluir
  2. É colega, se este corredor falasse a história seria outra. Lá no fundo à esquerda, havia a sala do terceiro ano. Era um caos. Não sei se todo terceiro ano era assim, pois o meu foi um sucesso. Até o diretor na época, o Sô Chiquinho teve que se virar para fugir dos marimbondos. Sim, alguns colegas "cutucaram" a caixa enquanto o mesmo transitava pelo corredor. Já pensou que maldade??? Na realidade este corredor central ficava mais vazio, enquanto que os próximos das salas lotavam nos intervalos. Tempo bom......não volta mais. Que saudade! Apesar das bagunças o estudo era sério. Quem conseguia brincar na aula de português com o Prof. Newton de Souza Braga...... quem ousaria conversar nas aulas do Prof. Helvécio Starling Diniz que lecionava matemática. Gostaria muito de rever esta minha turma. Quem sabe???

    ResponderExcluir
  3. Prof. Helvécio era aquele que fumava a aula toda? kkkkkkkkkkk..Tempo muito bom viu!

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.