Seguidores

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Pitaculta 30 Anos!

Foto de meados da década de 1980. Arquivos do Pitaculta 86.

Tanto no meio acadêmico quanto nas artes e na vida pessoal, citar as fontes que embasam um pensamento, que comprovam uma tese, que justificam uma tendência ou que nos servem como exemplo, é fundamental. Destacamos, portanto, os 30 anos do PITACULTA - Movimento Pitanguinse de Ação Cultural, que foi criado no segundo semestre do ano de 1985 (com o retorno de William Santiago para a cidade) e teve o seu ápice em 1986 quando a produção cultural de Pitangui estava em alta. Nestes anos foram realizados eventos culturais, exposições de arte e artesanato e a publicação do livro Poecontos. Então, para relembrar os feitos deste movimento que para nós é uma grande referência, os arquivos do Pitaculta 86 serão reabertos disponibilizando imagens, textos, vídeos e áudios que serão publicados durante este ano de 2016. E para abrir os trabalhos:

 Livro Poencontos - Doação de William Santiago. Foto: Léo Morato.


Por onde anda Júlio Timote?

 Cresceu nas ruas dos bairros da Gameleira, do Alto, da Volta da Cobra e arredores, mas andava por toda a cidade, do Lavrado ao São Francisco, da Penha ao Chapadão e Olaria. Jogou muita bola de borracha e de meia na Praça São José, popularmente conhecida como Rua da Cruz, pelo cruzeiro em frente à capelinha. Foi piolho de matinê no antigo Cine Pitangui, onde também batia tapão em figurinhas e levava revistas para trocar e, depois, assistir a um dos muitos seriados da época, como Império Submarino, Homem Foguete e outros.


                          Júlio Timote, Reinaldo Pereira, Geraldinho Geratel, Dimas Freitas, Toninho Engenheiro.
                                                                                    Arquivos do Pitaculta 86.


Adolescente, começa a tocar violão e vai aprendendo com um aqui, outro ali, na pura intuição, aos poucos escolhendo seu repertório. Daí a ser um dos maiores seresteiros de Pitangui do final da década de 60 e começo da de 70 foi um pulo. Seu cartão de visitas era a impecável interpretação de "Diana", que ele mesmo acompanhava ao violão. Essa música é composição de Paul Anka, versão brasileira é de Fred Jorge e ficou célebre no Brasil na voz de Carlos Gonzaga. Aliás, a interpretação de Júlio nada fica a dever a Carlos Gonzaga, pode-se dizer que Júlio poderia ser um ótimo "cover" daquele cantor brasileiro. Em Pitangui, podia-se ouvir "Diana" pelos alto-falantes dos campos do CAP e do PEC em toda tarde de treino e pela voz de Júlio em quase toda madrugada, infalivelmente a partir de sexta à noite.

Seu constante parceiro de serenata foi o saudoso Adair, funcionário dos Correios. Júlio não se fazia de rogado para cantar em serenatas. Estava sempre disposto a cantar a pedido de amigos, para homenagear alguém ou simplesmente adoçar um namoro. Sua música preferida, depois de "Diana", era "A namorada que sonhei". Havia também em seu repertório os sucessos de Roberto e Erasmo Carlos, Wanderlei Cardoso e Agnaldo Timóteo, bem como de outros astros e estrelas da época. 
Compondo uma nova canção.  Arquivos do Pitaculta 86.

Nascido perto da casa de Reinaldo "Rohr" Pereira de Souza, sempre teve com ele algum tipo de contato, porém a aproximação musical só se deu na adolescência. Com ele, passou a tocar e, depois de certo tempo, passaram a compor juntos, incluindo a participação de William Santiago nas letras. No entanto, algumas composições ficaram: "Contas de Lágrimas" (também conhecida como "Final de Terço") e "Pegadas de Avião". Compôs também "Amor a Três", com a diplomata pitanguiense Elza  Marcelino. Tem também uma marcha militar chamada de "Alvorada Pitanguiense", que ainda não tem letra. Na certa terá outras, ainda desconhecidas, que será preciso garimpar.
Júlio deixou Pitangui, como grande parte dos jovens da época, mudando-se para Belo Horizonte, por motivo de trabalho e, no momento, estamos sem notícias dele, o que seria ótimo conseguir. Uma gravação doméstica de sua interpretação de "Diana" em um serenata, foi-nos cedida pelos arquivos do Pitaculta 86, como parte da comemoração dos 30 anos do movimento e está sendo preparada para publicação em breve. 

Fonte: Pitaculta 86.

7 comentários:

  1. Conheço quem tem vídeo dele tocando Diana. Vou conseguir pra vocês. Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Blz, Fabinho, desde já agradecemos e lhe convidamos para reforçar esta empreitada de divulgar os feitos do Movimento Pitaculta 86. Abração.

      Excluir
  2. Essa gente talentosa/
    que cumpriu com altivez/
    uma rota tão gloriosa/
    me cantaria Amor a Três?

    ResponderExcluir
  3. Caro Miranda,

    os arquivos estão sendo garimpados
    e assim que estiver "na mão"
    esta e outra canção...
    por aqui serão divulgados.

    ResponderExcluir
  4. Muito obrigado por lembrar de um personagem tão sempre é tão original de nossa cidade
    Não diria que sou um violonista mas gosto de tocar e tive a honra de aprender os primeiros acordes com ele é Reginaldo
    Meus mais sinceros agradecimentos

    ResponderExcluir
  5. Muito obrigado por lembrar de um personagem tão sempre é tão original de nossa cidade
    Não diria que sou um violonista mas gosto de tocar e tive a honra de aprender os primeiros acordes com ele é Reginaldo
    Meus mais sinceros agradecimentos

    ResponderExcluir
  6. Seja bem vindo e obrigado pela visita, caro Pedro! A obra musical do prof. Reinaldo e seus contemporâneos tem cadeira cativa aqui no Blog. Confira os links Pitaculta, Reinaldo Pereira, Canal do Rohr, Música de Pitangui, Músicos e bandas de Pitangui. Um abraço, nos encontramos lá no Verinho.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.