Seguidores

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Primeiro passeio nas minas de ouro de Onça

O domingo dia 24 de abril não poderia ter sido melhor para mim e meus 20 companheiros na aventura de desbravar as antigas minas de ouro de Onça de Pitangui. A caminhada teve início na mina da caixa d'água onde os participantes novatos tiveram o primeiro contato com a primitiva técnica extrativista. Posteriormente nos dirigimos para o terreno da família do Rodrigo Vilaça onde mineradores alemães extraíram ouro nas primeiras décadas do século XX e onde ainda existem duas minas abertas e com características bem específicas com galerias amplas e bem confortáveis de serem visitadas. Em uma delas Isaías teve a oportunidade de escalar uma galeria vertical e entrar em uma segunda galeria horizontal superior que o nosso "homem aranha" afirmou ser bastante profunda. 

Vela, nosso "Capitão do Mato" na boca da mina da caixa d'água
Foto: Vandeir Santos

Participantes na boca da mina da caixa d'água
Foto: Nicodemos Rosa

Rodrigo Vilaça  (de amarelo) abre as portas de sua propriedade para os participantes
Foto: Nicodemos Rosa

Galeria principal de uma das minas no terreno da família do José Nilson
Foto: Nicodemos Rosa

William Campos,  Marcos Barrica, Agostinho Luciano, Patrícia Ribeiro, Rayssa, Cláudia Pereira
Agachados Vela e Ângela Luciano - Mina do Zé Nilson - Foto: Nicodemos Rosa

Jonathan, Isaías, Cláudio Faria e Paulo Bastos em uma das minas do Zé Nilson
Foto: Vandeir Santos

Isaías escalando a galeria vertical da mina do Zé Nilson
Foto: Vandeir Santos

Isaías na 1ª galeria superior da mina do Zé Nilson 
Foto: Vandeir Santos

Participantes na boca da mina do José Nilson
Foto: Vandeir Santos

Saindo da área próxima ao centro nos dirigimos para as terras de José de Abreu onde o alto da serra esconde uma das mais bonitas minas de Onça. Com mais de 100 metros de galerias e um profundo poço a mina também apresenta galeria vertical e outra horizontal superior que também foi analisada por Isaías. Saindo da mina do Zé de Abreu nos dirigimos para o rego da água limpa o qual percorremos até a mina situada no barranco desse rego. Devemos registrar aqui que Nicodemos Rosa deixou de ser um grande medroso e passou a ser um grande desbravador de minas.


A sempre alegre Ângela Luciano, Cláudia e Patrícia Ribeiro na mina do Zé de Abreu
Foto: Vandeir Santos

Paulo Bastos no salão do poço da mina do Zé de Abreu
Foto: Vandeir Santos

O agora corajoso Nicodemos Rosa mostrando suas fotos a Agostinho e Rayssa 
no salão do poço da mina do Zé de Abreu - Foto: Vandeir Santos

Participantes na boca da mina do Zé de Abreu
Foto: Vandeir Santos

Participantes caminhando nas margens do rego da água limpa
Foto: Nicodemos Rosa

Agostinho Luciano e Rayssa Sales na boca da mina do rego
Foto: Agostinho Luciano

Para finalizar o passeio nos foi servido um farto almoço na casa de Patrícia Ribeiro que nos foi fornecido pelo restaurante do Geraldinho. 

Comida de primeira e muita descontração. Casa da Patrícia.
Foto: Vandeir Santos

O mais importante nesse passeio foi o clima extremamente positivo, o entusiasmo e a alegria dos participantes que mesmo tendo que se locomoverem por quilômetros a pé, já que não tivemos transporte, se mantiveram com um astral altíssimo tornando o dia muito agradável. 
Havendo boa vontade da administração pública, Onça terá muito a oferecer aos seus visitantes. Outras minas não puderam ser visitadas devido a falta de serviço de desobstrução. Elas são muitas e ajudam a contar a história da cidade e são exemplos vivos do rico passado do município. Esperamos que esse seja o primeiro de vários passeios que terão como objetivo promover Onça e suas riquezas.
Deixamos aqui o nosso especial agradecimento ao geólogo William Campos que muito pacientemente nos deu uma consultoria técnica a respeito do processo extrativista, ao Rodrigo Vilaça pela sua boa vontade em permitir o acesso as minas e aos documentos antigos sobre a exploração de ouro, ao Tobias que viabilizou a entrada nas terras do José de Abreu e a agradabilíssima família da Patrícia que cedeu o espaço para o nosso almoço. 

Vandeir Santos




10 comentários:

  1. Foi um ótimo passeio. Ver e poder tocar nas históricas minas de ouro é de uma sensação indescritível. Recomendo a visita para quem ainda não conhece e o retorno para quem já conhece, que é meu caso. Espero retornar em breve nessas minas e em outras também.

    ResponderExcluir
  2. Pela preciosa Onça de ouro
    que Vandeir nos traz à luz
    vou também caçar tesouro
    dum tempo que inda seduz

    ResponderExcluir
  3. Um Passeio sensacional em todos os sentidos: um lugar lindo e cheio de mistérios (pelo menos para mim), pessoas conhecedoras da história do local, nos dando uma aula em cada parada, uma galera muito animada e um grand finale com um típico almoço mineiro na casa dos pais da Patricia.
    Obrigado a todos por ter me proporcionado esse domingo fantástico.

    ResponderExcluir
  4. Realmente foi um dia divertidíssimo, com grandes descobertas, muito contato com a natureza, onde tivemos o privilégio de reunir uma turma descontraída, corajosa (kkkkkkkkk) disposta e muito animada! Certamente um grupo que desbravará outras riquesas de nossa região! Agradeço a todos que embarcaram nessa primeira de muitas outras aventuras e por terem propiciado, além das informações e experiências, as maravilhosas gargalhadas que demos com os velhos amigos e os novos que fizemos!
    Rodrigo Vilaça, mais uma vez obrigada pela confiança em dividir conosco suas riquesas; Tobias, muito obrigada pela cordialidade de sempre!
    William, como sempre você dá show! Obrigada demais por suas aulas!
    Nicodemos, seus "clicks" mágicos registraram a emoção (e diversão) desde dia! Fotos maravilhosas!
    Cláudio, Paulo Bastos, Capitão do Mato obrigada pela segurança que deram ao nosso passeio!
    Átila Meireles, Geovane Lucas, Ana Rita Caldas, Dênio Caldas, Aline Cisar e Dr Agostinho obrigada pelo incentivo e apoio incondicional! Vocês me inspiram a continuar (pelo menos a tentar!) "devolvendo as estrelas para o mar"!
    Isaías e Jonathan, vocês trouxeram a dosagem extra da adrenalina para nosso dia!
    E em especial, muito obrigada a você Vandeir, pela dedicação, empenho, disponibilidade ímpar e por reunir essa turma boa!
    Meus pais ficaram felicíssimos com a visita e os espera em breve! Foi um prazer! Que venham os próximos e que venham novos amigos! Começamos com o pé direito! Obrigada!

    ResponderExcluir
  5. Eu sempre quis fazer algo parecido em Pitangui integrando os sítios do Batatal e da Penha. A única coisa que a prefeitura conseguiu (gestão passada) foi liberar as licenças para que pessoas mal intencionadas destruíssem grande parte do Batatal com a pilantragem da olaria dos tijolos de ouro. A atual gestão está sendo muito simpática com o loteamento da área, imagino o que move essa simpatia. Certamente os pilantras estão de volta novamente com uma boa desculpa para terraplanar o terreno e processar o minério em outro local. Pelo menos em Onça a coisa começou a dar certo, mas não devemos nos iludir, o assoreamento do rego é um exemplo do autoritarismo das mineradoras e da fragilidade da administração pública seduzida pelas generosas prome$$a$ dessas empresas. O importante é estarmos sempre alertas e procurando sempre buscar a preservação dos valores históricos. Continuemos.

    ResponderExcluir
  6. Não pude comparecer, pois estava agarrado com os preparativos de minha exposição. Mas na próxima estarei lá. Parabens a todos.

    ResponderExcluir
  7. Vai rendendo comentários
    essa original postagem
    com toda fé dos Templários
    espero u´a igual, da Lavagem

    ResponderExcluir
  8. Batismo de mineiro é entrar numa mina de ouro!
    Parabéns pela iniciativa desta expedição de modernos bandeirantes e torço para que o turismo na região se mobilize para oferecer visitas guiadas.
    Já entrei em algumas minas e é uma sensação que vale muito ser explorada.

    ResponderExcluir
  9. Indiferente de qualquer coisa, a experiência deve mesmo ter sido espetacular. Que novos desbravadores se habilitem e vamos formar "Cabeças" protetoras de tais locais. A história faz a memória de um povo e tudo isso que veio a baila comprova a riqueza de nossa cidade e arredores. Vamos trazer o turismo pra cidade. Vamos mostrar a todos tais descobertas. Vamos todos ganhar com isso. Parabéns Vandeir e Cia.

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.