Seguidores

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Três décadas do evento do século

Há 30 anos, no dia 20 de abril de 1986, Pitangui sofria uma invasão de turistas, eram milhares de pessoas que vieram a cidade participar de um campeonato de Asa Delta no alto da Cruz do Monte, uma festa que além dos esportistas contou com shows de bandas pop de renome nacional. O evento foi obra do empresário Edivan Reis, um visionário que queria revolucionar a cultura em Pitangui e que foi covardemente boicotado pela medíocre, eterna, retrocedente, extremamente danosa e maleficamente enraizada politicagem pitanguiense. A mesma politicagem que permitiu que o tempo transformasse Pitangui em satélite de seus antigos distritos, afinal o progresso só é bem vindo quando permite o favorecimento próprio ou do partido. 
Edivan vendo que não lhe permitiriam contribuir para o progresso cultural de Pitangui se despede da cidade mas antes de partir deixa para a história um acontecimento até então nunca visto na Sétima Vila das Gerais.
Abaixo trecho de uma matéria de autoria de William Jaques Pereira Santiago publicada em seu jornal  Correio de Pitanguy de 31 de janeiro de 1987:

"O VOO LIVRE: APOTEOSE AMARGA
Diz Edivan que desde aqueles dias, embora a contragosto, numa decisão que ao se concretizar lhe custaria lágrimas e amargura, começou a preparar a sua retirada da região, não sem antes promover um espetáculo que mostrasse a todos, principalmente aos políticos, que não estava interessado em candidatar-se e que a Destaque Comunicação e Marketing tinha interesse apenas na promoção de eventos esportivos e de lazer.

No dia 20 de abril, Pitangui e a região assistiram a algo inédito. Nos céus grandes ases de voo livre, e na serra da Cruz do Monte, madrugada a dentro, rolou um show com artistas profissionais (Absyntho, Joel Teixeira, Coronel Cajá e Eletrodoméstico), vindos do Rio diretamente para Pitangui. E Edivan faz questão de ressaltar que foi tudo pago pela Destaque Comunicação e Marketing. A única coisa que pediu à Prefeitura de Pitangui foi uma patrol para limpar a área do show na Cruz do Monte. E que mesmo assim teve de brigar muito para conseguir. E o nome de Pitangui, pela primeira vez, aparecia na Rede Globo.

O certo é que a cidade de Pitangui ficou totalmente superlotada, com jovens e coroas de todos os lugares, todos atraídos pelo movimento que Edivan Reis estava aprontando com seus eventos. A comida e a bebida se acabaram (“o comércio não levou a sério o meu aviso de se prepararem”) e a cidade não tinha como acomodar tantos visitantes. Apesar de poucas pessoas, em termos relativos, terem se aventurado a subir a serra à noite, com poeira e muito vento frio, o dia 20 de abril ficou marcado na história recente de Pitangui como o dia em que a cidade recebeu mais visitantes. No entanto, poucos sabiam que era o “gran finale”, a despedida de um homem desmotivado em permanecer por aqui."

Foto da pracinha do colégio no dia do evento - Autor desconhecido

Solicitamos aos leitores do blog que se por ventura tenham fotos do evento que nos enviem para ilustrar essa matéria.

Vandeir Santos


Um comentário:

  1. O fato taí, documentado
    mas parece coisa do capeta
    pois aquele ano citado
    era também o do cometa...

    - que, sem consolo, a todos nós deu o bolo...

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.