Seguidores

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Crônica de Paulo Miranda sobre a solenidade de entrega da "Medalha Comemorativa dos 300 Anos de Pitangui".



Baila comigo esta noite?

O cenário desperta - e na certa, não deserta - paixões de outrora. A música é bem suave, não é aquela possante vibração dos tempos de Norberto e seus meninos. Mas eles estão lá, sentadinhos, e vale a pena a espera. É noite de celebração, sob a regência do Dr Walter Colombarolli, Presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais, sediado em Beagá. E a assessorá-lo uma nobre escritora, cativa adotiva cidadã desta Velha Serrana e a indefectível Zezé Valério, decana educadora, e entre outros chapéus, Presidente do Instituto Histórico de Pitangui.

E que noitada. É a da outorga da medalha comemorativa dos trezentos anos de Pitangui, já iniciada na própria sede do IHG de MG, em novembro último. Não é possível nomear aqui uma relação completa de tantos recipiendários dessa preciosa e cobiçada comenda.

Mas vamos lá: Cristina, curadora do Centro Cultural de Velho da Taipa, município vizinho de Conceição do Pará, com quem condividimos o caudaloso rio Pará, e um rio de histórias comuns; Dinho da Bia, amigo vizinho de infância, contrabaixista do Norberto, do Labareda e animador de tantas serestas, e que revelação para a maioria dos presentes: é Romualdo o seu nome de pia, e de pai, também Romualdo; Wellington Lima, Cabrito para toda uma ou duas gerações, cantor intérprete de tantas emoções; Reinaldo Rohr, músico de nascença, sem cura ou curé possível pra essa sua doença, amigo desde as primeiras investidas nas peladas de rua...

O Edílson, diretor do jornal O Independente, clamor há vinte e seis anos
da voz de nossa gente; Jorge Guerra Brasil, poeta, compositor, construtor e apaixonado das coisas e loisas de nosso torrão natal...Meu mano Tadeu, que, embora ausente, fez-se presente ao ser evocada sua passagem dinâmica e criativa pela presidência do IHP; um respeitável Senhor Vicente, pompeana nobre gente, cercado de parentes e descendentes, que nos deu a honra de sua presença...

E até eu, enfatiotado numa noite de sexta-feira para ser recordado de uma ação já quase meio-centenária: estava entre os assinantes - e hoje ainda entre os remanescentes viventes da Acta de Constituiçam do IH de Pitangui, naquele já remoto ano de 1968.

E mais houve: o lançamento dos livros de Marcos Barrica Faria, nosso Castilho de também quase meio século de guarda-valas, historiando nosso futebol; Welbert, o jovem jornalista da terra, descrevendo com maestria as povoações de nossa freguesia, e por fim, mas não último, o Professor Licínio, historiador, dedicando sua obra seminal sobre as representações cênicas em Pitangui, da tela ao teatro.

E Vandeir, o intrépido Indiana Jones de nossa Velha Serrana, tudo documetando...

E o antigo Clube de Pitangui, hoje dum rosa, a inspirar bailes doutrora, ora...


Paulo Miranda

4 comentários:

  1. Oi amigo Embaixador Paulo Miranda
    Sempre quem começa é você aqui
    Peço licença para dizer-lhe algo
    Que a festa foi bela em Pitangui.

    Parabéns pela dedicação e ação
    Pela beleza dos fatos ao descrever,
    Sou seu fâ faz tempo...de carteirinha
    Ouvi-lo então... É um enorme PRAZER.

    Rimar nunca foi o meu forte
    Poetizar eu só apenas tento
    Vim para homenageá-lo e escrevo
    Brinco com as palavras e invento.



    ResponderExcluir
  2. Zé, com desculpa não venha,
    que pode até soar grotesco
    mas se no canto cê embrenha
    comparação, só o Patesko...

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigado pela deferência,
    Mesmo sabendo que não mereço.
    Você sim, Embaixador de primeira
    Vida longa com muito apreço.

    ResponderExcluir
  4. Amigo,grande do coração,sempre aberto ao abraço de outros corações.��

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.