Seguidores

quarta-feira, 29 de junho de 2016

O grande São João de Campo Grande

A festa em homenagem a São João Batista esse ano foi um sucesso de público, milhares de pessoas se fizeram presente e tornaram o povoado ainda mais pequeno para tanta gente. A cobertura que a festa tem tido pela mídia televisiva (esforço do jornalista/escritor Ricardo Welbert) ampliou a divulgação do evento e quantidade de visitantes superou as expectativas. O excesso de pessoas expôs as deficiências da estrutura que havia sido montada e o que precisa ser feito para diminuir as criticidades nos próximos anos.

Bandeira de São João - Foto: Vandeir Santos

População carregando o mastro - Foto: Vandeir Santos

Eu acompanho a festa há praticamente 40 anos quando meu pai ressuscitou o evento que então passava por uma fase de relativo abandono. Foi iniciativa de meu pai contratar a banda de Ibitira que ainda hoje anima a festa, bem como o espetáculo pirotécnico. O povoado não tinha luz elétrica tudo era iluminado na base do lampião e quem quisesse poderia montar em um burro e ter o momento eternizado em um monóculo, um contraste com as centenas de celulares que hoje não só fotografam como também filmam o bonito colorido dos fogos de artifício. O campo ficava lotado com dezenas de ônibus que traziam visitantes de várias cidades.

Público esperando pelo show pirotécnico - Foto: Vandeir Santos

Foto: Vandeir Santos


Foto: Vandeir Santos

A fogueira de 23,5 metros começa a pegar fogo - Foto: Vandeir Santos


Foto: Vandeir Santos

Tendo acompanhado as mudanças pelas quais passaram o povoado e também a festa, me sinto a vontade para fazer alguns comentários que julgo pertinentes, pois vejo que o evento tende a assumir proporções cada vez maiores e a falta de organização pode vir a prejudicar a festa como já aconteceu no passado.

Missa - A ideia da missa campal resolveu o problema da lotação limitada da capela onde muitos tinham de ficar do lado de fora. Por outro lado há de se levar em consideração que para os fiéis de mais idade é complicado ficar ao relento durante tanto tempo já que a missa demora mais que o convencional. Seria interessante que se fizesse uma cobertura.

Show - O forró era uma tradição da festa, no começo era feito nas salas de aula do grupo, o som era composto de sanfona e violão/viola. O que se viu esse ano foram shows de sertanejo universitário que agrada somente o público jovem. Seria interessante que fosse mantido o forró, pois trata-se de uma característica tradicional da festa. Outro ponto que poderia ser observado é o posicionamento do palco. O som é muito alto e como é um vilarejo pequeno não é conveniente que que os moradores tenham a sensação de ter uma caixa de som ligada dentro da própria sala. O certo seria um palco voltado para o campo de futebol.

Trânsito - O uso do campo para shows poderia tornar mais crítico a questão da falta de vagas de estacionamento, detalhe que já se tornou evidente em anos anteriores. Vários carros ficaram travados sem conseguir sair do povoado, presos em ruas estreitas com veículos tentando se locomover nos dois sentidos. Para resolver o problema deverão ser criados além dos estacionamentos, sentidos obrigatórios para que não haja trânsito em sentidos opostos. Em determinado momento havia um veículo com som automotivo tocando funk e competindo com o show, seria conveniente que o acesso a esse tipo de veículo seja bloqueado. 

Fogueira - A grande altura da fogueira se tornou marca registrada, mas convém que não exceda os atuais 25 metros uma vez que os riscos aumentam na mesma proporção da altura. Por uma questão de segurança hoje já não se pode mais se aproximar da fogueira como se fazia no passado quando alguns chegavam a dormir ao redor dela.

Banheiros - Mesmo com a reestruturação do centro comunitário e a construção de novos banheiros ficou evidente que existe a necessidade de construção de mais unidades, principalmente os de uso feminino.

Bar - O guichê de venda de fichas precisa de ampliação bem como o balcão de atendimento e quem trabalha nessa área tem de ter um bom nível de agilidade.

Fica aberto o espaço nos comentários para que os leitores colaborem com opiniões para melhorar a mais tradicional festa junina de Pitangui.

Abaixo a matéria exibida no MGTV:




Abaixo a matéria exibida no MG Rural:




Vandeir Santos


2 comentários:

  1. A labareda divina/
    que parte dessa fogueira/
    assustadora, alucina/
    uma comunidade inteira...

    ResponderExcluir
  2. É isso aí Vandeir... "Oi não bambeia não"..... Parabéns pela reportagem. Os comentários são muito pertinentes e sabemos que de suma importância. O sucesso de qualquer evento depende de toda uma logística bem estruturada. Grande abraço Vandeir.
    Em tempo: Esta fogueira é algo assim espetacular....

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.