Seguidores

quinta-feira, 31 de março de 2016

O novo Bar do Nino

 Foto: Dênio Caldas.
 
"Ontem foi inaugurado o Bar do Nino...
Aproveito para convidar os pitanguienses para conhecerem o mais novo espaço cultural da nossa cidade, que já apresenta exposição de dois artistas plásticos da terra. Eu e o Ricardo Caldas tivemos a oportunidade de inaugurar, musicalmente, o novo espaço da Velha Serrana".
 
 Foto: Vandeir Santos.
 
Quem dá a letra e faz o convite acima é o parceiro Dênio Caldas, referindo-se ao novo estabelecimento comercial do Nino Pitanguy, reinaugurado no último sábado (26/3) na mesma rua do bar anterior.
 
 Nino's Bar. 
Foto: Dênio Caldas.
 
A gente gosta de frequentar lugares onde nos sentimos bem e ficamos a vontade e em resumo o Buteco Cultural do Nino é assim. Pois além da cerveja gelada, das boas opções de tira gosto - representando o melhor da baixa gastronomia - a decoração e a boa música (MPB, Samba, Jazz,  e outras Bossas) são os diferenciais do bar.
 
 
 [Parte da] Comida do Boteco. Fotos: Léo Morato/Arquivo do Blog.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Além dos ingredientes acima, talvez o encontro que o local proporciona seja o fator principal. O(a)s Pitanguiense(s) residente(s) ou não na cidade, que já têm mais de 30, 40, 50... anos querem é rever o(a)s amigo(a)s de longas datas, trocar um dedo de prosa, discutir ideias fora do senso (e da mídia)comum,  e isso sempre acontece por lá. 

 Encontro.
Foto: Vandeir Santos.
 
Pois é, o novo bar do Nino eu ainda não conheço e pretendo visitar em breve. Mas uma coisa é certa: "há bares que vêm para o bem". E o que é bom a gente indica!

Igreja de São Francisco vista do bar do Nino.
Foto: Léo Morato/Arquivo do Blog.

domingo, 27 de março de 2016

De volta as minas de Onça

Na tarde do último dia 25 de março voltamos mais uma vez as minas de Onça, dessa vez contamos com a ajuda de Patrícia Ribeiro que nos guiou pelos caminhos da área rural até o local onde se localiza a mina.
Percorremos boa parte do rego que leva água até a cascata de Onça no sentido oposto ao da cidade. A mina se encontra em um barranco na lateral do rego e pelas características não parece ter sido muito produtiva pois não é profunda. Possui a forma de um T com uma entrada de uns 5 metros e cada braço com cerca de 4 metros. Foi um passeio muito divertido com paisagens muito bonitas e já estamos pensando em organizar uma nova ida a Onça para conhecer suas riquezas históricas. Os interessados podem entrar em contato através desse blog.

Planejando o passeio - Foto: Nicodemos Rosa

Cláudio Faria, Vandeir, Patrícia Ribeiro, Barrica, Vandico e Angelita
Foto: Nicodemos Rosa

Entrada da mina - Foto: Nicodemos Rosa

Vandeir, Cláudio e Agostinho Luciano entrando na mina.
Foto: Nicodemos Rosa

Agostinho Luciano dentro da mina - Foto: Cláudio Faria

Vandeir Santos dentro da mina - Foto: Cláudio Faria

Vandeir, Cláudio e Agostinho Luciano na boca da mina
Foto: Nicodemos Rosa

Cláudio, Nicodemos e Agostinho Luciano 
Foto: Vandeir Santos

Cláudio, Patrícia, Nicodemos, Vandeir e Agostinho Luciano
Foto: Vandeir Santos

Tentando uma foto bacana.
Foto: Nicodemos Rosa

Vandeir Santos








quinta-feira, 24 de março de 2016

Inauguração do Museu Histórico de Pitangui

Na noite desse sábado, dia 26 de março,  às 20:00, será reinaugurado o Museu Histórico de Pitangui. O antigo prédio da estação ferroviária construído na primeira década do século XX e que já abrigou a estação rodoviária, a biblioteca e os ensaios da lira musical Viriato Bahia dará abrigo ao acervo histórico do município e também ao Centro de Atendimento ao Turista (CAT).




Nessa oportunidade o Instituto Histórico de Pitangui, responsável pelo acervo,  solicita a população que contribua com a iniciativa doando ao museu peças que possam contribuir para contar a história da Sétima Vila do Ouro das Minas Gerais. Recentemente o IHP recebeu a doação de moedas, máquinas fotográficas, canetas tinteiro, ferramentas e peças da antiga fábrica do Brumado. Os interessados  em contribuir deverão entrar em contato através do e-mail institutohistoricodepitangui@gmail.com 

Vandeir Santos


quarta-feira, 23 de março de 2016

Encontramos a Cápsula do Tempo?


No dia quatro de março de 2013, foi publicada uma matéria aqui no Blog, na qual Vandeir Santos relata sobre sua pesquisa no acervo do ex-Prefeito Antônio dos Santos, com a autorização de sua família. Dentre o material consultado, o destaque foi esta fotografia abaixo que, de acordo com o autor da matéria: "Antônio dos Santos em uma obra parece estar depositando em um buraco de alvenaria um plástico com documentos dentro. Teria o ex-prefeito criado uma cápsula do tempo?".
Em outra matéria postada no dia 18 de julho de 2012, o pesquisador Vandeir divulgou informações e imagens (do início da década de 1970) sobre a obra que abrigaria o Mercado Municipal de Pitangui, e que não chegou a ser concluída.
Consultando o Periódico Pitanguiense "K - ENTRE NÓS", datado de 15 de julho de 1969 identificamos que a mesma foto retrata o lançamento da pedra fundamental do referido mercado, informando que alguns objetos e documentos são colocados em uma urna de ferro, conforme a legenda abaixo. Portanto, assimilando essas informações às duas matérias citadas, é possível afirmar que a tal cápsula do tempo fora enterrada nas bases do Mercado Municipal de Pitangui, ali no baixo centro da cidade?



Constata-se que há imprecisões de datas pois, segundo as fontes apresentadas, o lançamento da pedra fundamental ocorreu no ano de 1969 e a obra foi autorizada posteriormente em 1972. O lançamento do projeto ocorreu em 69 mas só foi aprovado pela Câmara em 72?  Lançando luz sobre este capítulo da nossa história, esperamos obter mais informações para, quem sabe, encontrar esta enigmática cápsula do tempo.

domingo, 20 de março de 2016

Nas lentes de Hélio Campos

Quarto neto do casal Ignácio/Joaquina do Pompéu, o Dr. Helio Campos nasceu em Pitangui no dia 29/09/1913, sendo o terceiro filho do casal Inácio de Oliveira Campos e Etelvina Mourão. Após terminar o estudo secundário em Barbacena se prepara para as provas de Medicina mas a três meses da prova muda de ideia e resolve fazer Direito ciência na qual se forma na década de 1930. O escritório funcionava na parte de baixo da casa da rua Padre Belchior onde hoje funciona o consultório odontológico do Dr. Waldir Amaral, sendo sua residência na parte de cima. Na década de 1950 se casa com Ana Fiúza Campos com a qual teve 4 filhos. Nessa época também se dedica a vida pública exercendo um mandato como vereador.

Em fevereiro de 1962 se muda com a família para Belo Horizonte onde inicia suas atividades na Federação do Comércio, posteriormente acumula também um cargo de Diretor na Metamig. Mais tarde é designado como Diretor Regional do SESC e termina sua vida profissional aos 80 anos atuando novamente na Federação do Comércio.

Quando em Pitangui Hélio Campos se aliviava das tensões do dia a dia de duas formas, a primeira era a manutenção de sua fazenda, que embora não fosse rentável lhe era bastante prazeirosa, e a segunda que era a fotografia. De posse de uma Rolleiflex registrou diversos momentos da vida pessoal e do cotidiano pitanguiense. Esse importante acervo hoje se encontra sob os cuidados do seu filho mais velho, o médico Dr. Fábio de Campos, o qual muito gentilmente nos permitiu copiar as fotos abaixo.

Dr. Hélio Campos - Fonte: Acervo da família









Vandeir Santos



sexta-feira, 18 de março de 2016

terça-feira, 15 de março de 2016

Capítulos do Tribunal do Santo Ofício


O Sinistro Flagelo da Santa Inquisição é o título do livro recém lançado pelo professor Max Botelho, nascido em Paracatu-MG. Embasado por vasta pesquisa histórica a obra trata com riqueza de detalhes sobre os obscuros atos praticados durante o longo período da Inquisição Medieval (nos séculos XIII e XIV) e Moderna (iniciado na Península Ibérica - Portugal / Espanha - do século XV ao XIX) e que continuou no Brasil Colônia com a perseguição aos Cristãos Novos (Judeus imigrantes obrigados a converterem-se ao Cristianismo). Com ênfase na cidade de Paracatu do Príncipe, com a qual Pitangui teve relação, no Ciclo do Ouro, o livro nos permite ampliar o conhecimento sobre a nossa história, analisando fatos contemporâneos à época ocorridos na Vila de Paracatu.



Agradecemos ao amigo Max por nos presentar com o livro desejando-lhe sucesso e indicando a obra para os nossos leitores.

Max Botelho é graduado em Administração, História, pós-graduado em Gestão Estratégica de Recursos Humanos, professor, autor de artigos publicados na Revista Pergaminho e leitor do Daqui de Pitangui. Para mais informações e para adquirir a obra entre em contato com o autor pelo email: maxbotelhobotelho@gmail.com pelo blog http://arraialdoouro.blogspot.com.br

sábado, 12 de março de 2016

LEI MUNICIPAL Nº 32, QUE CRIA O EXTERNATO MUNICIPAL (PITANGUI, M.G., 1893)


Na postagem de hoje apresento os resultados de minhas pesquisas relacionadas à História da Educação em Minas Gerais, nas décadas iniciais da Primeira República (1889-1930), que tem como referência o município de Pitangui. 
Trata-se de uma artigo escrito em co-autoria com o Professor Doutor Cezar Luiz De Mari, meu orientador no Mestrado em Educação pelo Departamento de Pós-Graduação, do Departamento de Educação da Universidade Federal de Viçosa. Nele, apresentamos à comunidade acadêmica a Lei nº 32, sancionada em 26 de outubro de 1893, que cria o Externato Municipal de Pitangui. O artigo foi publicado na Revista "Cadernos de História da Educação", volume 13, nº 2, julho a dezembro de 2014, da Universidade Federal de Uberlândia.

Para acessar o artigo na íntegra clique sobre a imagem:

 Cadernos de História da Educação

quinta-feira, 10 de março de 2016