Seguidores

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Paisagens de quintal...


As fotos são do presente, retratam a cidade, vista do Lavrado. Mas, na crônica abaixo que complementa esta postagem, o letrado Paulo Miranda compartilha mais uma memória de sua infância. 

Pitangui, outono de 2017.
Fotos:  Léo Morato



Quintalícia 

Como achar um quintal tão grande como aquele? Impossível. E no entanto, quando lá voltei achei-o encolhido, diminuído e sem sentido. Percorri-o passo a passo, abraço a abraço nos troncos enegrecidos do que lá deixara mas o tempo dali se exalara.

E a vizinhança, que não se mudara, me reconheceu pela cara. Ora era a cara de papai, e no minuto seguinte a de mamãe. Mas o quintal, esse não me reconheceu, nem o reconheci eu. E olhe que coisa de 15 anos passados havíamos sido amigos, companheiros, e cúmplices até.

Pra quê paraíso, se há um quintal para isso? Frutas de tantas tinha, que fazia do pomar ao lado, mera fichinha. Sidra ou cidra, você decidra, mas até dessa frutinha, ou frutona, látinha, grandona, disforme. Se o marmeleiro e a macieira não chegaram a frutificar não foi por falta de vigiar, orar e obrar. Questão de esperar? Em compensação, o limoeiro, limão dava o ano inteiro. Feito o mamoeiro. Mas de melhor cheiro.

Laranjas, mangas, abacates, goiabas, cana, da caiana, tanto tipo de banana, além da parreira e da amoreira. Ah, as uvas. Que aflição enorme era esperá-las amadurecer para melhor seu suco sorver. O que quase a gente não deixava acontecer.

A jabuticabeira e o coqueiro compartilhavam conosco a sua infância e se diluía assim entre nós a ânsia de frutificância. E não eram só árvores frutíferas: havia as ornamentais e mesmo a horta. O sabugueiro, o jasmineiro, as roseiras de mamãe, e os cachinhos de ouro, um estouro.

E mais que a rua, era o quintal o nosso refúgio de horas a fio, pelos seus sendeiros, entre o milharal, o mandiocal, a horta, e coisa e tal.

Mas o deixamos, cheio de seus ramos, para trás. E zás, ele de repente, se desfaz.


Paulo Miranda

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.