Seguidores

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Santo Antônio dos Conforme - crônica de Paulo Miranda


Santo Antônio dos Conforme

O Chiquim Teodoro merece nosso preito e preces para que sua alma descanse em paz, mas o que sua lembrança ainda não conseguiu tirar da cabeça da gente foi essa coisa de botarem a plaquinha com seu nome no Beco dos Canudos. Soa tão mais romântica essa forma antiga.

E já não sei citar a fonte, mas a li em algum lugar que o nome Canudos, ao invés de ligação com aqueles canudinhos preenchidos com doce deleite - havia deleite mais doce na infância? - tem a ver é com um fato histórico decorrente do infame episódio da guerra de Canudos.

Consta e se conta que depois da matança desapiadada, tripas espalhadas, das tropas a serem desmobilizadas, uma fração deles no beco foi alojada. Matéria quiçá para o tirocínio de nosso Historiador Licínio se debruçar e desbruncar.

Canudense de truz, e bem mais recente foi o Dininho, ali residente. Pelo jeito ao se casar com Dona Terezinha Santiago, ali já moradora com seus pais e irmandade, melhor achou a trela junto da contra-parentela. E la vita era così bella.

A casa do Dininho tornou-se ponto de passagem e paragem de muita molecada, moçada, de tão acolhedor que foi aquele clã. Tinha tv, instalada no fundo da sala e tirante o sofá do Dininho, o assento era livre, mesmo na soleira da janela. A audiência prum futebol noturno lá era sempre superior à de qualquer jogo do Canto do Rio - menos contra o Mengo, é claro. Dia de jogo da Seleção, então, era aquela lotação. E até uns flertezinhos eram possíveis, mas quem era o blás-fêmeo que ia tirar os olhos da tela, quando jogava a camisa amarela?

Dia sem futebol era preenchido com papos pro ar e pro azarar. Nunca faltava assunto, ou jocosidade. Uma de nossas distrações juvenis, ou mesmo já jovens adúlteros foi uma tal de Ladrainha que foi surgindo assim do nada, da nossa noção de que entre a mão e a espiga, com o muro ao meio, só a imaginação era amiga. E que amiga...

E aí, declinando santaria que rimasse, íamos um a um cantando e decantando musas cobiçadas e ejaculando nossos desejos, gracejos e infortúnios sempre sobejos. Uma invocação dessas de que me lembro foi quando apelei para Santo Antônio dos Conforme para em minha vida colocar uma morena Delorme...E nessun dorme...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar nossa postagem. Ah... não se esqueça de se identificar.